Tu és... Time de tradição... Raça, amor e paixão... Oh meu Mengo!!! Eu... Sempre te amarei... Onde estiver estarei... Oh meu Mengo!!!

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Cacau Cotta falar sobre os três anos de Fla: ‘Fiz o que muitos não tiveram coragem’



Cacau CottaA partir do dia 2 de janeiro a vida de Cacau Cotta, vice-presidente do Fla-Gávea e de administração, vai mudar radicalmente. Neste dia oficialmente ele vai passar o bastão para José Carlos Dias e Claudio Pracownik. O dirigente, um dos mais atuantes durante os três anos da gestão de Patricia Amorim, vai deixar, como ele mesmo diz, o “Big Brother Fla”, para voltar a ser torcedor de arquibancada. E com o dever cumprido, principalmente na parte da sede social, antes abandonada e hoje melhor estruturada. E muito dessas melhorias foram conseguidas com criatividade por Luiz Claudio Cotta, como o próprio parquinho, tratado de forma pejorativa, mas que retrata como que era secundário passou a ser uma das principais marcas da administração, junto com o patrimônio, comandada pelo vice-presidente Alexandre Wrobel.

Nesta entrevista à De Prima, Cacau Cotta, conta as lendas e até de funcionários fantasmas de quando chegou a direção da Fla-Gávea que impedia realizações na Gávea, como conseguiu o parquinho e investimentos do Comitê Olímpico Americano, das realizações e dos projetos de reforma da arquibancada da Gávea e da piscina, que serão tocadas pelo presidente eleito Eduardo Bandeira. Faz a sua avaliação de administração e admite que a parte negativa foi a falta de um grande título no futebol e que não estava mais dando conta de duas vice-presidências. Ainda revela uma história curiosa da “babá de Adriano”, contratado por um dirigente para cuidar do Imperador em 2009, para explicar porque Ronaldinho talvez não tenha dado certo no Flamengo.

Confira os principais trechos do bate-papo:

Como o Cacau Cotta encerra os trabalhos na diretoria do Flamengo após três anos?
“O Flamengo é um vício. Frequentei o Flamengo de segunda a segunda. Durante três anos. Gávea que era a prioridade. Meu foco era a recuperação da Gávea. Saio com muita alegria. Não me sinto desgastado, rancoroso, o mesmo rubro-negro que eu era da geral. O mesmo de 20 anos atrás. Em relação a sede da Gávea eu saio de cabeça erguida. Honrei o nome da minha família, dos meus amigos, do Flamengo, da torcida, fiz um trabalho legal, que me dava aquele prazer. Costumo dizer que foi um razoável vice-presidente de administração e um bom na pasta do Fla-Gávea. Primeiro eu vou voltar para arquibancada, porque eu não gostava muito de camarote não. Eu ia mais pela família. Voltar para arquibancada pode extravasar mais, porque ninguém fica de vigiando para ver a reação, rindo chorando, essa vigília passou. Eu procurava me policiar mesmo no Big Brother Flamengo. Vou ficar rindo de que quando eu vou a um treinou, por exemplo? Qual a graça? Eu não deixei de ser torcedor”.

Como você encontrou a situação da Gávea e por que o clube estava tão abandonado?
“É chato de falar para trás porque você vai acabar atingindo pessoas e eu não gosto de atingir pessoas não. Nada podia fazer. Tudo estava na Justiça. Parecia que tinha uma lenda que que nada poderia mexer. Tinha telhas guardadas e diziam que não podia mexer. Consegui usar. Assim como reformar locais da sede que muitos falavam que não poderia mexer. Fizemos a quadra de futebol de areia, que não podia mexer… Eu falei: ” espera aí, o terreno é do Flamengo”. A Gávea não existia como clube esportivo e social, estava totalmente degradado. Tinha mato de dois metros na entrada da Gilberto Cardoso. Não sei quantas toneladas de entulho. E todos os materiais esportivos e sociais deteriorados. Campo de futebol a secretaria deteriorados, 90% recuperamos”.

A situação de degradação assustou você quando começou como diretor do Fla-Gávea?
“Não me assustou porque eu sabia do meu potencial e do meu amor pelo Flamengo, e eu sabia da questão porque minha família frequenta o Flamengo. Isso faz toda a diferença. O estado que o clube se encontrava não condizia com a história, com o tamanho do Flamengo. Imagina o torcedor que vem de outro estado para visitar a Gávea? O Eduardo Bandeira frequenta eu vejo os filhos dele lá. O Cheirinho (José Carlos dias, vice-presidente do Fla-Gávea) frequenta. O Flávio Willeman, vice jurídico joga tênis no clube. Isso é fundamental, o presidente frequenta o clube isso é diferencial. Os sócios chegavam no Flamengo e estacionava em qualquer lugar em dezembro de 2009, qualquer dia, qualquer hora”.

Encontrou muita dificuldade para reestruturar a Gávea?
“Muito difícil. Você chega lá e a prioridade não é essa, não é? A maioria eu consegui tocar com parcerias. Um exemplo é o parquinho. Eu consegui com uma escola, que meu deu o brinquedo, semi-novo, o maior brinquedo, eu reformei o brinquedo, que custava R$ 100 mil, gastamos R$ 8 mil para reformar o brinquedo. As obras foram feitas pelos nossos próprios funcionários, a primeira parte da obra, a segunda parte eu consegui patrocínios de três empresas que prestam serviço para o Flamengo. Corri atrás do financeiro para pagar os outros 50%, esse é o exemplo. O outro exemplo é o comitê olímpico americano, que investiu no ginásio Togo Renan Soares, na quadra de futsal, totalmente, piso que custa quase 100 mil dólares, de primeiro mundo”.

Qual avaliação que você faz dos três anos da administração da Patricia Amorim?
“Voltamos a ter jogadores, ter direitos federativos, faltou o título para coroar o patrimônio, o Fla-Gavea, a solução do Morro da Viúva, do CT. Mas temos grandes jogadores na base. A Cristina Callou, o Michel Levy, com todos os defeitos dele, carregou muito pesada a cruz, que é o financeiro, o Rafael de Piro, todos os vice presidentes colaboraram. O fardo maior uma oposição muito estruturada, estávamos na Libertadores e fomos péssimos, no Brasileiro fomos nos arrastando, no Carioca não chegamos à final. Pagamos o preço no final do ano. O negativo foi a falta de título para coroar isso tudo. O Flamengo é um todo. Foi avaliada pelo que fez, o o grupo novo veio com uma proposta fantástica, que principalmente o sócio que não frequenta a Gávea no dia a dia, comprou a ideia, a onda azul pegou, e eu vou torcer para o futebol e os grandes títulos venham”.

Qual foi o principal erro?
“No futebol o principal erro, sem sombra de dúvidas, foi a saída do Vanderlei. O Vanderlei fazia esse papel de diretor executivo, centralizava a e deixava pouca coisa chegar na diretoria. Com um poder, credibilidade fantástica de gestão de futebol. De um treinador que conhece das quatro linhas até os bastidores. Foi um erro irreparável, o segundo erro ter assumido o compromisso com uma pessoa que não estava muito com a gente, que foi o Ronaldinho. Se estivesse valeria. Se eu estivesse mais próximo teria condições de ajudar mais. Ele sempre foi muito legal comigo. Faltou aquele papo. Ou vira amigo e convence do que é realmente importante para o Flamengo ou não vai dar certo. Vou contar a história de um supervisor, que contratou o melhor amigo do Adriano. Ganhava um salário merreca só para tomar conta do Adriano. O cara ia para o treino com o Adriano, buscava o Adriano, o cara virou baba. E o Adriano deu certo e foi campeão. Não sei se (o Ronaldinho) precisava de baba, mas alguém mais amigo dele para entender a grandeza do Flamengo, do quanto precisávamos deles”.

A Patricia Amorim afirmou que foi avaliada somente pelos resultados do futebol. Foi mesmo?
“Não acho. Acho que a avaliação dela, a derrota dela, com certeza, em grande parte foi no futebol. A avaliação foi de razoável para boa. Ela teve mais voto do que na última eleição. O que foi avaliado? Quando você é presidente começa a ter desgaste, tanto que teve 720 votos, no dia seguinte do hexa e nessa eleição e teve 914. Houve uma grande mobilização da chapa vencedora, fantástica, nunca vista na história do Flamengo, quem tem um cabo eleitoral chamado Arthur Antunes Coimbra, Zico, difícil de perder a eleição, todos os ex-presidente apoiando”.

Como você chegou no Flamengo?
“Eu ia de geral em todos os jogos, quando meu pai morreu fui morar em Ipanema, comecei a frequentar o clube como sócio. Comecei a participar ajudando algumas pessoas, não tinha interesse. Dessa vez eu resolvi participar, recebi o convite para ser diretor, acabei virando vice-presidente de duas pastas no final, foi muito legal, não me arrependo de nada. O cara que saiu da geral do Maracanã, ter duas vice-presidências no Flamengo é uma honra, nem no meu melhor sonho eu sonhei isso. É uma realização, um sonho, fazer um grão de areia de fazer parte da história do Flamengo”.

Você falou que foi razoável na parte administrativa. Chegou a ter erros graves, estava complicado comandar os dois setores?
“É impossível gerir duas pastas. Comentei com a presidente Patricia Amorim mais no final. Tinha pretensão de resolver em janeiro. Abrir mão de administração e ficar com só com a Fla-Gávea. Gosto de ver o resultado imediato, a administração é mais burocrática, demora mais”.

E como está sendo o trabalho de transição?
“Eu acho que essa transição nunca foi vista no Flamengo. Da maneira que está sendo conduzida pelos dois grupos. Para a minha surpresa, profissional. Amistosa. Esse pode ser o começo do sucesso da nova gestão. Não podem abrir mão da experiência. É impossível sentar hoje sem a colaboração do ex vice presidente da pasta. Se isso acontecer são uns seis meses que você perde para tomar pé da situação. Isso é fundamental. Eu estou passando exatamente o que foi feito e o que precisa ser feito. A arquibancada do futebol precisa passar por um reforço estrutural, e as piscinas da sede, que foi onde a Patricia Amorim nasceu, ela não conseguiu fazer uma reforma, para você ver como houve um pouco de preconceito. Isso é urgente, prioridade, é risco, é responsabilidade que nós temos que ter. Estava na programação a piscina entrar em obra no inverno, e a arquibancada no mais tardar em março. Os ginásios tem o da ginástico que pegou fogo, que é um ginásio que vai ter que ter uma reparação na parte de cobertura, maquinário, de aparelhagem, tem seguro, cobre até 10 milhões, vai ser fácil de tocar isso, tão logo os presidentes assumam já vai entrar com o projeto”.

O que falar do Michel Levy, polêmico vice de finanças, com o qual teve muitos atritos?
“O Michel pensa diferente de mim muita das vezes, mas foi fundamental para gestão. Porque completava a gestão. Ele muitas vezes matou muitas coisas no peito, vários desgastes. Vou frisar, pensa muitas vezes totalmente diferente de mim, muitas vezes tivemos divergências marcantes, mas é um cara que eu respeito e teve um papel sacrificante na gestão”.

Recado final para os torcedores do Flamengo, sócios e família…
“A maior lição que meu pai me passou foi a de que é melhor pecar pelo excesso do que pela omissão. E eu acho que isso eu levei à risca em vários momentos. Eu tive coragem para realizar algumas coisas para o Flamengo. E eu acho que deu certo. Com três meses da gestão me convidou para ser o vice-presidente do Fla-Gávea. O Michel não estava aguentando e me pediu para ajudar na administração e acabei assumindo. Peguei funcionários fantasma, fiz um trabalho legal. Mas o meu prazer maior era a Gávea. A administração foi um peso, não fui péssimo. Foi razoável. O Cacau é um apaixonado. Vai torcedor por todos os esportes, principalmente futebol. Vou ajudar a atual gestão no que for preciso. O discurso é muito forte de grandes executivos, Zico, o que será depois dele se não der certo? Então eles têm que dar certo, vou ajudar em tudo para dar certo. Quem fala por mim não sou eu mesmo. Falar de mim mesmo é esquisito. Quem fala de mim são os outros quando eu não estou presente. As nossas atitudes para trás e para frente. Isso vai falar por mim. O que eu fiz está lá”.


Bottinelli entra na mira do River Plate



Bottinelli, Comemoração, Flamengo x Santos (Foto: Alexandre Vidal / Fla Imagem)Fora dos planos do Flamengo para 2013, o meia Darío Bottinelli pode regressar ao futebol argentino. De acordo com o portal “Infobae”, o River Plate estaria interessado na contratação do jogador campeão carioca com o clube da Gávea em 2011.

No entanto, Bottinelli, de 26 anos, não é a primeira opção para os Millonarios, que tentam acertar com o paraguaio Jonathan Fabbro, atleta do Cerro Porteño e namorado da modelo Larissa Riquelme, ou o chileno Matías Fernández, da Fiorentina.

Segundo a imprensa local, caso não chegue a um acordo com um desses dois, o River Plate tentará Botti, que já admitiu ter sido procurado pela equipe portenha. Além disso, de acordo com o “Infobae”, o técnico do River, Ramón Diaz, vê com bons olhos a chegada do atleta que tem vínculo com o Flamengo até o dia 25 de janeiro de 2013.

Caso a negociação se concretize, Bottinelli jogará ao lado do irmão Jonathan Bottinelli, que atua como zagueiro.

Botti custou ao Flamengo US$ 3 milhões no fim de 2010 (R$ 6,1 milhões na cotação atual). O clube não conseguirá recuperar um centavo sequer do que investiu, já que o argentino ficará livre para negociar com outra equipe.




Renovação de Léo Moura com Flamengo continua sem resolução


Depois de uma temporada insatisfatória, Léo Moura ainda não sabe se continua no Flamengo para a próxima temporada. A diretoria rubro-negra tentou a renovação com o jogador, mas, por enquanto, não obteve sucesso. O lateral direito tem o contrato encerrando neste dia 31 de dezembro.

"Tive uma conversa com Eduardo Uram (empresário de Léo Moura) e o assunto não evoluiu", afirmou o diretor executivo do Fla, Paulo Pelaipe, à Rádio Globo, vascaína''. Um dos fatores que dificulta a negociação é o tempo de renovação estipulado pelo clube carioca. Enquanto Léo Moura espera um contrato de pelo menos dois anos, a diretoria ofereceu apenas um.

Na última semana, o jogador divulgou que recebeu sondagens do Goiás, que procura um atleta para a posição. Além do clube esmeraldino, o jogador também depertou interesse do Internacional. No sábado, o Rubro-Negro renovou com o meio campista Renato Abreu, que estendeu seu vínculo até o final de 2013.

Contrato do goleiro Bruno com o Flamengo termina nesta segunda-feira



Julgamento do goleiro Bruno (Foto: Gualter Naves/AFP)O contrato do Flamengo com o goleiro Bruno termina nesta segunda-feira. O jogador está preso desde julho de 2010, acusado de matar a amante Eliza Samudio e, desde então, o contrato foi suspenso pela equipe carioca.

No mês de novembro deste ano, o julgamento chegou a começar, mas devido a troca de advogados, o caso foi adiado para o mês de março de 2013. Era cogitado o retorno dele ao Flamengo caso o julgamento terminasse esse ano e ele fosse solto, mas com o contrato encerrado, a possibilidade não existe mais.

Bruno chegou ao Flamengo em 2006 e logo conquistou o carinho da torcida rubro-negra. Ganhou a fama de goleiro-artilheiro ao marcar quatro gols e se destacou ao defender pênaltis em finais de campeonatos pelo clube.



Empresa rebate nova diretoria e garante segurança no réveillon da Gávea

Na noite desta segunda-feira, uma festa de réveillon será realizada no campo da Gávea. O evento gerou preocupação na nova diretoria. A assessoria de imprensa da gestão do presidente eleito, Eduardo Bandeira de Mello, emitiu um comunicado sobre a festa em que solicita que as autoridades governamentais responsáveis fiquem atentas ao fato. No entanto, a empresa organizadora garantiu através de nota oficial que tudo foi planejado com profissionalismo para evitar qualquer tipo de confusão.

Segundo a nota, a empresa tem em mãos toda a documentação necessária para a realização do evento - o espaço foi alugado pela gestão de Patricia Amorim, que deixou a presidência do clube no dia 27. Outro ponto levantado pelo presidente Eduardo Bandeira de Mello é a questão da segurança, já que a empresa que presta serviços para o clube não foi contratada. Segundo os organizadores a equipe que estará presente na festa é especializada neste tipo de situação.

Os números ainda não foram divulgados, mas a expectativa de público está entre 3 e 4 mil pessoas. Segundo os organizadores, o número é seguro, visto que na festa de retorno de Ronaldinho Gaúcho ao clube, o espaço comportou 20 mil pessoas. Além de DJs, o evento na Gávea terá como principal atração um show da banda O Rappa.

Confira abaixo a íntegra da nota oficial da empresa organizadora.

Em resposta ao comunicado da nova diretoria do Clube Regatas do Flamengo, a DAXX Eventos, empresa responsável pela organização do evento de réveillon no Estádio da Gávea, comunica que:

- o Réveillon Rio 2013 tem toda documentação liberada pelos órgãos públicos pertinentes para sua realização.

- sua equipe de segurança é especializada em eventos e seu planejamento de segurança foi aprovado pelo órgão competente, a Polícia Federal. Não foi contratada a empresa do clube, por ela ser uma empresa de vigilantes, o que não é adequado para shows.

- a diretoria, os frequentadores do Clube e o público do evento podem se tranquilizar, pois o evento foi planejado de forma responsável, cuidadosa e profissional para propiciar uma passagem de ano segura, pacífica e organizada para a família carioca.

Desejamos um Feliz 2013 a todos.

Atenciosamente,

DAXX Eventos



Jóia do Flamengo, filho de Donizete é indicado ao Milan por Serginho




Enquanto busca reforçar o seu elenco para 2013, o Flamengo também é alvo de observadores internacionais. E o meia-atacante Renan Donizete, de 17 anos, filho do Donizete “Pantera”, está sendo cobiçado por clubes italianos, segundo o site “Calcio Mercatto”.

De acordo com a mídia daquele país, o ex-lateral Serginho, observador técnico do Milan, foi quem fez a indicação para o investimento da equipe também rubro-negra. Outros clubes, como Roma, Juventus e Inter de Milão estariam de olho.

O site italiano afirma que clubes de toda a Europa já atentaram para o talenoso jogador: Atlético de Madrid e Manchester City já receberam “relatos de ouro” de seus observadores.

De acordo com o jornal "Gazzetta dello Sport", a investida do Milan poderia acontecer a partir de janeiro ou no meio do ano, quando Renan completaria 18 anos.



Ramon faz balanço positivo de ano no Fla e pedido para 2013: 'Time forte'


Ramon com  a esposa Flamengo (Foto: Divulgação / Arquivo Pessoal)
No último dia de 2012, Ramon olha para trás e consegue fazer uma avaliação positiva da temporada. Reserva no Corinthians no primeiro semestre, chegou ao Flamengo com status de titular para ocupar a vaga deixada por Junior Cesar, que se transferiu para o Atlético-MG. O lateral-esquerdo assinou um contrato por empréstimo até o fim de 2013, mas havia a possibilidade de um retorno se o Timão assim desejasse. Como o chamado não ocorreu, o camisa 6 continuará no Rubro-Negro.

Depois do título da Libertadores com o Corinthians, Ramon teve de conviver com muitas dificuldades no Flamengo. O time não se acertou e passou todo o Brasileirão tentando se afastar da zona de rebaixamento. Para a próxima temporada, ele prega o otimismo. Espera reforços de peso para que a equipe possa evoluir e apagar a má impressão deixada na temporada.

- O ano de 2013 tem tudo para ser bom para o Flamengo. Tenho fé nisso. Espero que a diretoria consiga os reforços e que possamos ter um time forte, capaz de brigar por todos os títulos, o que é primordial. O Flamengo tem fome e vive de conquistas.

Desde a chegada ao Flamengo, Ramon sepultou o passado vascaíno. Nas duas vezes em que enfrentou o ex-clube no Brasileiro, deu declarações fortes sobre as críticas da torcida do vasco.

- Fiquei feliz com meu ano, por ter sido campeão da Libertadores pelo Corinthians e principalmente por ter a oportunidade de defender o Flamengo, um desejo que sempre tive. Talvez por isso eu tenha me identificado tão rapidamente com o torcedor e com o clube. Parece que eu já estou no Flamengo há anos. Acho que o torcedor viu que eu vesti a camisa com raça, me empenhei, falei o que eu penso. Na minha visão, está faltando um pouco disso no futebol. Estou muito feliz aqui. Quero permanecer o máximo de tempo possível e fazer história com essa camisa.

Ramon ainda não sabe se o Flamengo ganhará reforços de ano novo, mas em casa uma novidade tem mexido com ele. Naiana, esposa do lateral, está grávida de oito meses. Antonia está a caminho.

- Vou ganhar um presente maravilhoso, a minha filha Antonia. O nascimento dela será algo mais do que especial, que vai me fazer crescer ainda mais e ver a vida de forma diferente. Não vejo a hora de isso acontecer. Vou ser o pai mais coruja do mundo.



Casal 20 do vôlei inspira filhos do bicampeão olímpico Giovane Gávio


A mãe sempre disse que a vida de atleta era muito sofrida. Apesar das orientações, Giulia e Gianmarco não conseguiram fugir dela. Resolveram experimentar o caminho antes percorrido pelo pai. A pressão por carregarem o sobrenome Gávio já não surte mais tanto efeito. Atletas do Flamengo, os filhos do bicampeão olímpico Giovane só querem poder fazer o que gostam: jogar vôlei. O pai serve como inspiração, mas o casal 20 das quadras também dá sua contribuição. Jaqueline e Murilo são exemplos dentro e fora de quadra para os dois.

Giulia e Giancarlo filhos de Geovani do Vôlei (Foto: Marcelo de Jesus) 
Gianmarco e Giulia sonham com medalha olímpica (Foto: Marcelo de Jesus)

- Eu gosto do jeito dela em quadra, da história de superação depois de tudo o que passou (sequências de lesões, cirurgias e caso de doping). Fico imaginando como deve ser ganhar uma medalha olímpica. Sei que ainda tenho muito caminho pela frente. Quem sabe nos Jogos de 2020? - disse Giulia.

No ano passado, ela experimentou a sensação de vestir a camisa da seleção brasileira infantil. Aos 16 anos e com 1,82m, a filha mais velha de Giovane só lamentou o fato de não ter treinado no CT de Saquarema no mesmo período em que, as agora bicampeãs olímpicas, estavam por lá. Mas sentiu a presença do pai todos os dias. Giulia acredita que o caminho dele, que atualmente comanda a equipe masculina do Sesi-SP e já tem um título da Superliga no currículo, será outra vez defendendo o verde-amarelo, só que desta vez como treinador.

Giulia, filha de Giovane vôlei (Foto: Alexandre Arruda/CBV)
- Quando entrei senti emoção o tempo inteiro. Estava ali, no lugar onde meu pai passou praticamente a vida dele toda. Acho que ele tem tudo para virar técnico da seleção daqui a alguns anos. Está trabalhando para isso. Acho que se for na feminina, eu não teria como treinar com ele. Às vezes ele dá treino para mim e para o meu irmão quando vamos a São Paulo. Não ia dar certo. Sou teimosa - riu.

Ela e Gianmarco, de 14 anos e 1,85m, brincam e dizem que seria mais fácil encarar Bernardinho e José Roberto Guimarães. Lembram que seus treinadores na Gávea também são tão exigentes quanto os dois. Nesta temporada, as dúvidas que vez ou outra tomam conta dos pensamentos dos irmãos, viraram certeza. Os 20 anos da conquista da medalha de ouro nos Jogos de Barcelona 1992 fizeram Giovane contar mais histórias, reviver aqueles dias que marcaram sua carreira. Das brincadeiras feitas pelo grupo a trajetória inesquecível até o pódio, tudo foi ouvido com atenção por Giulia e Gianmarco. Pouco depois, o bicampeonato da seleção feminina e a prata da masculina nos Jogos de Londres reforçaram o desejo dos mais velhos dos quatro herdeiros de Giovane em ganhar a vida na quadra.

 Giulia durante treino da seleção infantil em Saquarema (Foto: Alexandre Arruda/CBV)

Murilo e Jaqueline (Foto: Danielle Rocha / Globoesporte.com)
- Às vezes eu penso em fazer Economia e minha irmã Medicina. Mas ficamos muito motivados com as Olimpíadas. Fico imaginando como deve ser jogar uma - disse Gianmarco, que já defendeu a seleção carioca.

O ídolo sabe bem. Sempre que pode, durante as idas a São Paulo para visitar o pai, Gianmarco não perde a oportunidade de acompanhar os treinos e conversar com Murilo a respeito de vôlei ou qualquer outro assunto. Diz que se identifica muito com o ponteiro do Sesi-SP e da seleção.
Tímido, se diverte agora com os comentários dos amigos da família que o veem cada vez mais parecido fisicamente com Giovane. Giulia concorda e admite além da admiração ao pai, uma pontinha de ciúme também.

- Ele sempre foi muito humilde e tratou muito bem os fãs. Nunca deixou o sucesso subir à cabeça. Sempre lembro disso. É, ele era muso da geração e as mães de amigas minhas falam que ele está mais gato. Eu só não gosto daquelas fãs mais ousadas na hora de tirar fotos, sabe? - riu.

 Jaqueline e Murilo inspiram os irmãos Gávio (Foto: Danielle Rocha / Globoesporte.com)



Giovane com os filhos Giulia, Tiago (no colo) e Gianmarco  (Foto: Danielle Rocha / Globoesporte.com) 
Giovane com Giulia, Tiago e Gianmarco após a conquista do título da Superliga 2010/2011 (Foto: Danielle Rocha / Globoesporte.com)

domingo, 30 de dezembro de 2012

Love liga para Nenê, mas clube diz que não fez oferta pelo jogador


Nenê (Foto: Divulgação/site oficial PSGVagner Love não só descarta a possibilidade de deixar o Flamengo em 2013, como também pensa na reformulação da equipe. Nos últimos dias, o atacante ligou para Nenê e fez coro para o jogador vestir a camisa rubro-negra na próxima temporada.

Eles são amigos dos tempos de Palmeiras – quando tiveram os primeiros contatos em 2002 – e o telefonema oportuno aconteceu justamente no momento em que o atacante do PSG (FRA) deseja retornar para o Brasil e é pretendido, entre outros clubes, pelo Santos.

O desejo do Artilheiro do Amor de ter Nenê como companheiro no ataque, porém, não só esbarra na concorrência, mas também em outras duas situações.

A primeira delas é que Paulo Pelaipe, diretor executivo do Flamengo, não fez qualquer oferta para contar com o jogador. E o segundo entrave é o alto custo para manter o atacante mensalmente.

Os franceses já avisaram que emprestam Nenê sem cobrar pela transação, mas os salários ficam a cargo do novo clube. No PSG, ele ganha cerca de R$ 1 milhão.

A seis meses do término do contrato na França, o atacante aceita uma redução dos vencimentos. Na disputa por Nenê, o Santos chegou a propor cerca de R$ 600 mil. 

O empresário do jogador, Gilvan Costa, tem evitado falar sobre o futuro de Nenê nos últimos dias. Além do Peixe, o Besiktas, da Turquia, tem conversas adiantadas para tentar contratar o atacante. A situação poderá ser resolvida ainda na primeira semana do ano.

Diretor se reúne com atacante

Com apenas quatro peças para o setor ofensivo, incluindo Vagner Love, o Flamengo tratou de se reunir com o Artilheiro do Amor, no sábado, para garantir que o clube arcará os compromissos com o CSKA (RUS) e quitará as parcelas da compra do atacante.

Além disso, o clube também assegurou que acertará os salários de novembro e dezembro, a segunda parcela do 13º e alguns prêmios que estão atrasados.

O diretor executivo Paulo Pelaipe foi quem conversou com o jogador e o empresário dele.

Para a apresentação do grupo, no dia 3 de janeiro, estarão, além de Vagner Love, Liedson, Hernane e Nixon, os outros nomes disponíveis para o ataque. Inicialmente, todos eles estão nos planos para o Carioca.

As opções para o ataque

Vagner Love
Único astro do time, o atacante, mesmo tendo passado por alguns jejuns no Brasileiro, tem respaldo da atual diretoria que descarta negociar o camisa 99 com algum outro clube.

Liedson
Atacante não teve uma sequência com Dorival Júnior, mas conseguiu ser titular em dez dos 16 jogos realizados no Brasileiro, marcando quatro gols. Permanecerá para 2013.

Hernane
Contratado por Zinho, que deixou o clube, antes da chegada de Dorival Júnior, atacante fez apenas 14 jogos e marcou três gols. Ele tem contrato até maio de 2013 e, por ora, seguirá.

Nixon
Promovido por Dorival Júnior ao profissional, o atacante ganhou algumas oportunidades na reta final do Brasileirão e esteve em campo em sete oportunidades. Marcou um gol.




Nenê perto de acerto com o Flamengo

A diretoria do Flamengo anunciou durante a posse, dia 27, que há dois jogadores apalavrados. Um deles é o atacante Nenê, do PSG. O jogador tem conversas adiantadas e buscou referências sobre o Rubro-Negro com outros jogadores nesta semana. Ele será liberado gratuitamente pelo clube francês e também interessa ao Santos.

Revelado no Paulista, o atacante de 31 anos viajou a Paris neste domingo para finalizar a saída do clube francês.







Festa de réveillon no gramado da Gávea preocupa nova diretoria do Fla

A nova diretoria do Flamengo demonstra preocupação com a festa de réveillon que será realizada no campo da Gávea, na noite desta segunda-feira. O evento ocupará toda a área do campo de futebol e, entre as atrações, haverá o show da banda O Rappa. Neste sábado, a assessoria de imprensa da gestão do presidente eleito, Eduardo Bandeira de Mello, emitiu um comunicado sobre a festa em que solicita que as autoridades governamentais responsáveis fiquem atentas ao fato.

A nota destaca que a decisão de ceder o espaço para o evento é de responsabilidade da antiga diretoria e que não foi possível buscar detalhes sobre a organização, já que a secretaria do clube encontra-se em recesso desde a última sexta-feira. O texto também lembra que Bandeira de Mello e sua equipe só ocuparão as dependências da sede na quarta-feira, apesar de o mandatário já ter sido empossado, em cerimônia que ocorreu na quinta passada.

treino da Seleção na Gávea (Foto: Mowa Press) 
Campo da Gávea, que foi utilizado pela Seleção Brasileira em 2012, será palco de festa de réveillon nesta segunda-feira (Foto: Mowa Press)
 
Procurado pela reportagem, o vice-presidente do Fla-Gávea da gestão de Patricia, Cacau Cotta, informou que a antiga diretoria firmou um contrato de locação do espaço e há um seguro para preservar o patrimônio. O campo, segundo ele, também será protegido.

- O contrato de aluguel do espaço está no departamento jurídico. Pagaram um aluguel de R$ 125 mil, há seguro de responsabildiade civil e patrimonial e toda a documentação necessária. A Gávea, para sobreviver, precisa alugar os espaços que tem na Zona Sul, um espaço nobre. Isso é feito com o salão nobre, salão infantil, salão de festas, sede do remo. E isso foi feito. O Flamengo não tem responsabilidade nenhuma sobre o evento. A responsabilidade é da empresa que contratou o espaço. 

Mas vale lembrar que nesse espaço de transição a responsabilidade é conjunta. Não são dois Flamengos. A maior responsabilidade é minha e do jurídico, que fizemos o contrato, mas a nova gestão tem que compartilhar, como tem acontecido com as coisas do futebol, do financeiro. A antiga gestão avisou sobre o evento - explicou.

Confira a íntegra do comunicado da nova diretoria:
Em relação ao show de final de ano programado para acontecer na sede do Clube de Regatas do Flamengo, na Gávea, a nova diretoria eleita informa que:

1. Apesar do evento de posse da nova diretoria ter ocorrido no último dia 27, assumiremos efetivamente o clube apenas no dia 2 de janeiro de 2013. Portanto, o referido show é de responsabilidade exclusiva da antiga diretoria e de seus organizadores.

2. Desde o dia 28 de dezembro, a secretaria do clube encontra-se em recesso, não permitindo que tenhamos acesso a possíveis esclarecimentos.

3. Ainda assim, preocupados com o público, o clube e a legalidade do evento, procuramos saber dos atuais diretores e organizadores do evento as informações a respeito do contrato firmado com o Flamengo e das autorizações necessárias para a realização de um show deste porte. No entanto, até o momento, não obtivemos nenhuma resposta oficial.

4. Uma das poucas informações que conseguimos levantar nos mostrou que a estrutura de segurança do clube não foi mobilizada - ficando o trabalho a cargo de uma empresa contratada pelo organizador.

Sendo assim, estamos solicitando às autoridades governamentais responsáveis que confirmem se o evento está realmente liberado, para total segurança e tranquilidade dos participantes.
 
Desejamos a todos um excelente ano de 2013.

EDUARDO BANDEIRA DE MELLO
Presidente do Clube de Regatas do Flamengo
 
 
 
 

Coordenador do Ninho diz que CT está preparado para a pré-temporada

A mudança no comando do futebol do Flamengo não alterou a programação da pré-temporada. O planejamento feito por Zinho com o técnico Dorival Júnior está mantido pelo novo diretor executivo do clube, Paulo Pelaipe. Dorival vai preparar a equipe para o Campeonato Carioca no Ninho do Urubu. Os treinos com bola serão realizados no campo 5, inaugurado em setembro. No momento, o campo 1 não tem condições de ser utilizado. Na última sexta-feira, foi possível registrar imagens do gramado, muito queimado pelo sol.


gramado do campo do Ninho do Urubu CT Flamengo (Foto: Richard Souza / Globoesporte.com) 
O campo 1 do Ninho está sem condições de uso no momento (Foto: Richard Souza / Globoesporte.com)

Segundo o diretor administrativo das categorias de base do clube, Carlos Brazil, que acumula a função de coordenador do CT, tudo estará pronto a tempo para as treinos da equipe.

- O campo 1 ressecou muito devido ao sol, agora que está sendo molhado, mas no dia 3 vai estar um pouco melhor. Mas os treinos serão no campo 5, que está em boas condições. Ali está tudo certo. Havia um problema para molhar os campos, mas nós já resolvemos com a criação de um poço – explicou Brazil.

A apresentação dos atletas está marcada para a manhã da próxima quinta-feira. Os jogadores vão dormir no hotel que já serve de concentração para o time, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste. Todas as outras atividades serão feitas no CT. Os atletas vão almoçar no refeitório do Ninho e no intervalo entre os treinamentos ficarão nos dormitórios improvisados em contêineres. A obra de construção dos módulos 16 e 17 do futebol profissional atrasou e o hotel não ficou pronto.

treino Flamengo Ninho do Urubu (Foto: Richard Souza / Globoesporte.com) 
Jogadores vão treinar no campo 5 durante a pré-temporada, ao lado das obras do CT (Foto: Richard Souza / Globoesporte.com)

Na última sexta, em sua coletiva de despedida, Zinho disse que o clube estava com dificuldades para realizar a troca de equipamentos da academia do CT, prevista para o fim deste mês. Esta área não é de responsabilidade de Carlos Brazil, mas sim do departamento de futebol. Brazil diz que a pré-temporada não ficará comprometida pelas instalações.

- Está tudo bem esquematizado. Em termos do que existe de provisório está tudo pronto para receber os atletas.

Nos dois últimos anos, o Flamengo se preparou para a temporada em Londrina, no Paraná. A decisão foi do técnico Vanderlei Luxemburgo, que tem bom relacionamento com os donos do CT que serviu de concentração para o Rubro-Negro. Em 2012, como havia a disputa da pré-Libertadores, na Bolívia, a pré-temporada ficou dividida entre Londrina e Sucre.

A estreia do Flamengo no Carioca será no dia 19, contra o Quissamã, às 17h, no Engenhão. O Rubro-Negro está no Grupo B.

Jogadores Flamengo academia (Foto: Alexandre Vidal / Fla imagem) 
Troca dos equipamentos da academia estava prevista para o fim deste mês, mas clube tem dificuldades (Foto: Alexandre Vidal / Fla imagem)

Após derrota para o Resende, Sub-20 divulga lista final para Sul-Americano

A seleção brasileira sub-20 está entrando na fase final final de treinamentos para o Campeonato Sul-Americano da categoria, que começa no dia 10 de janeiro, na Argentina. Depois de realizar um jogo-treino contra o time do Resende, e ser derrotada pela equipe do sul-fluminense por 2 a 1, a CBF divulgou os quatro nomes que foram cortados do time que segue para a competição, e a lista final do técnico Emerson Ávila.

O goleiro do vasco, Jordi, e os meio-campistas Filipe, do Rio Ave, Gabriel, do Vitória, e Guilherme Biteco, Grêmio, foram os desconvocados pelo comandante brasileiro e ficaram de fora da próxima etapa de treinamentos do time, que começa no dia 2 de janeiro e vai até o dia 7, quando a equipe viaja para a Argentina.

O time brasileiro estreia no dia 10, contra os equatorianos pelo Grupo B da competição. Além das duas seleções, o grupo conta com Uruguai, Peru e Venezuela, e as partidas dsta chave serão disputadas na cidade de San Juan. Em Mendoza, no Grupo A, estarão as seleções de Argentina, Paraguai, Colômbia, Bolívia e Chile.

Derrota para o Resende marca final da segunda fase de treinos

Na parte da manhã os jogadores entraram em campo para um jogo treino contra o time do Resende que se prepara par ao Campeonato Carioca. A seleção saiu atrás no marcador, mas conseguiu o empate pelos pés de Marcos Junio, atacante do Fluminense. Porém, nos minutos finais da partida Resende conseguiu mais um gol e fechou a partida em 2 a 1.

O Brasil começou o jogo-treino com a seguinte formação: Luiz Gustavo (Matheus Caldeira), Wallace (Igor Julião), Luan, Doria e Mansur; Misael (Lucas Cândido), Felipe Anderson (Jadson) e Mattheus; Marcos Junior, Ademilson e Adryan

Confira a lista dos 22 jogadores que serão inscritos no Sul-Americano:

Goleiros
Matheus Caldeira - Corinthians
Luis Gustavo - Vitória

Zagueiros
Samir - Flamengo
Antônio Carlos - Corinthians
Doria - Botafogo
Luan - vasco

Laterais
Douglas Santos - Náutico
Mansur - Vitória
Wallace - Fluminense
Igor Julião - Fluminense

Meias
Jadson - Botafogo
Misael - Grêmio
Lucas Cândido - Atlético Mineiro
Felipe Anderson - Santos
Rafael Alcântara - Barcelona
Mattheus - Flamengo
Fred - Internacional

Atacantes
Marcos Junio - Fluminense
Bruno Mendes - Guarani
Ademilson - São Paulo
Adryan - Flamengo
Leandro - Grêmio



Pela 1ª vez, Julio César fala em voltar para o Brasil e a jogar pelo Flamengo


Desde 2005, quando foi para a Europa, o goleiro Julio César sempre enfatizou que não queria mais voltar a jogar no Brasil. Hoje, pela primeira vez, o atleta mudou o discurso. Ele já considera a possibilidade de retornar ao país e defender a camisa do time de coração: o Flamengo.

- Eu era apaixonado pelo Inter (de Milão), mas paixão não é igual a amor. Paixão é aquela coisa intensa, mas passageira. Amor é uma coisa que pode ser que dure para sempre. É assim comigo e o Flamengo. O que eu sinto pelo Flamengo vai ser para a minha vida toda. Vai durar para sempre, não tenha dúvida.

Julio disse que até a família pede que ele retorne ao time rubro-negro.

- Antigamente, eu tinha essa ideia fixa de não querer jogar mais no futebol brasileiro. Mas foi aquela coisa de momento. Eu acho que fui muito infeliz na minha resposta naquele momento. Hoje eu já penso diferente. Meu filho nunca me viu jogar no Brasil. Tenho um primo que foi para os EUA antes de eu entrar no profissional do Flamengo. Ele não viveu esse momento meu e ele me pede muito isso, porque ele é flamenguista.

Mas, por enquanto, a realidade do goleiro de 33 anos é o pequeno Queens Park Rangers, da Inglaterra. O time subiu para a primeira divisão do futebol inglês há um ano. Será o fim da carreira? Não. Para Julio, é o recomeço.

- Na Itália, eu tive a oportunidade de ganhar muitos títulos, de ficar conhecido mundialmente. O fato de vir para cá é um recomeço. Para mim, a Champions League seria o projeto do QPR dar certo. Digamos que amanhã o Queens se torne um time respeitado como o Chelsea ou Manchester City. Vão dizer: o Julio César acreditou no projeto, esteve aqui desde o começo.

Mesmo no time pequeno, os sonhos do goleiro são grandes e ultrapassam a Europa. Ele deseja voltar à Seleção Brasileira para disputar a Copa de 2014.

Para isso, Julio deixou no passado a falha na Copa do Mundo de 2010, quando tomou o primeiro gol da Holanda, que eliminou o Brasil nas quartas de final. O goleira acredita que ainda tem chance com a camisa amarela e vai fazer de tudo para ficar com a vaga.

Julio Cesar, Queens Park Rangers e Everton (Foto: Getty Images) 
Goleiro quer voltar à Seleção Brasileira para jogar a Copa de 2014 (Foto: Getty Images)
 
 
 

Pelaipe fará análise da base do Fla: ‘Vamos ter atenção com os garotos’


Paulo Pelaipe, diretor executivo de futebol do Flamengo (Foto: Alexandre Vidal / Flaimagem)
O novo comando do futebol do Flamengo corre contra o tempo. Na próxima quinta-feira, os jogadores se reapresentam para a temporada 2013. O vice de futebol do clube, Wallim Vasconcellos, e o diretor executivo Paulo Pelaipe trabalham para montar o elenco. Depois de algumas reuniões, Pelaipe definiu com o técnico Dorival Júnior a lista de dispensas. O diretor corre atrás de reforços e tenta anunciá-los nos primeiros dias do novo ano. Além disso, será feita uma análise da base rubro-negra. Os diretores Carlos Noval e Carlos Brazil foram acionados e passarão detalhes sobre o trabalho que têm desenvolvido nas divisões de base.

- Na próxima semana vou sentar na cadeira para começar a definir muita coisa. Ainda não podemos entrar no clube, só dia 2, e isso dificulta um pouco. Nós temos planos para a base, mas tudo tem seu tempo. Vamos dar condições de trabalho, vamos ter atenção com os garotos. Pedi um relatório sobre a situação do trabalho ao Noval e ao Brazil e estamos na luta – disse Pelaipe.

Desde que assumiu o cargo, Paulo Pelaipe deixou claro que pretende contratar jogadores que cheguem para serem titulares do Flamengo. A prioridade será compor o grupo profissional com atletas criados no clube.

A partir de 2013, cinco jogadores nascidos em 1992 estouram a idade de juniores e passam a ser profissionais: o goleiro Cesar, o atacante Lucas, João Felipe e Yago, ambos laterais, e o zagueiro China. Conversas entre responsáveis pelas categorias de base e o departamento de futebol decidirão quais atletas serão aproveitados. Alguns podem ser emprestados.

Os juniores do Flamengo não foram bem nas duas últimas competições nacionais do ano. Na Copa do Brasil sub-20, foram eliminados pelo Cruzeiro nas oitavas de final. No Campeonato Brasileiro sub-20, os garotos foram novamente eliminados na fase de grupos, assim como ocorrera em 2011. A próxima competição, a primeira sob a gestão do presidente Eduardo Bandeira de Mello, será a Copa São Paulo de Futebol Júnior. A disputa começa na sexta-feira, dia 4 de janeiro. O Rubro-Negro tentará o tricampeonato.

Jogadores revelados na base do Flamengo foram muito utilizados ao longo deste ano, mas não conseguiram brilhar como se esperava. O equilíbrio ficou comprometido, principalmente porque o time fracassou em todas as competições que disputou.

Toda a expectativa criada sobre nomes como Luiz Antonio, Negueba, Thomás, Muralha, Adryan, Mattheus, Frauches e Marllon não foi correspondida em 2012. Um brilho aqui, um gol ali, mas nada expressivo ou marcante. Pode-se dizer que Adryan, o principal nome desta turma, é quem mais dá ao torcedor rubro-negro esperanças para um 2013 melhor. O meia, de 18 anos, alternou bons e maus momentos, mas mostrou personalidade e qualidade técnica. Ele e Mattheus foram convocados para defender a seleção brasileira sub-20 no Sul-Americano da categoria. A competição será disputada em janeiro e fevereiro, na Argentina.

Info_DESEMPENHO_GAROTOS_2012-02 (Foto: infoesporte)
 

Zico lamenta morte do roupeiro Babão e lembra história curiosa


Badão rouperio morte Zico (Foto: Reprodução / Site Oficial do Zico) De férias com a família em Angra dos Reis, Zico lamentou neste sábado a morte de Luis Carlos Evangelista Ribeiro, mais conhecido como Babão, roupeiro do Flamengo. Em seu site oficial, o maior ídolo rubro-negro prestou uma homenagem a Babão, com quem conviveu durante toda a sua passagem pelo clube como jogador e nos três meses em que atuou como diretor de futebol, em 2010. O Galinho contou uma história curiosa do roupeiro e disse que o amigo deixará saudade.

- Muito triste com a notícia. Soube só agora e a gente sente porque ele era um cara muito legal, que acompanhou toda a minha passagem pelo clube. Foram muitas histórias. Lembro-me agora de uma passagem na França mais ou menos em 1976, quando o massagista, João Carlos, pregou uma peça nele. Babão estava na banheira e João disse para ele atender o telefone. Ele disse que não tinha aparelho, mas foi avisado que era só apertar o botão na banheira que atendia. Lógico que na hora que ele fez isso a água espirrou na cara dele, era o botão do chuveiro. Babão vai deixar saudade. Que fique em paz – escreveu Zico.

Babão, que tinha 61 anos, era funcionário do Rubro-Negro há aproximadamente 40 anos e estava internado há pouco mais de dois meses devido e um derrame. Ele está sendo velado na capela B do Cemitério do Caju e será enterrado às 16h.,

Em seu site oficial, o Flamengo lamentou a morte de Babão e disse que manterá sua bandeira a meio pau durante sete dias e prestará as devidas homenagens ao ex-funcionário.


'O Fla tem que dar o exemplo', avisa Eduardo Bandeira



Um presidente que abdica da soberania do cargo. Eduardo Bandeira de Mello, empossado no Flamengo quinta-feira, não quer ser visto como o salvador após uma gestão que deu o que falar muito mais pelas crises do que pelo desempenho do time. Pelo contrário, ele quer descentralizar o poder na Gávea. Embora não tenha sede de poder, é ambicioso e tem como objetivo organizar a casa para o Flamengo sempre disputar títulos e ser um “campeão permanente”.


Eduardo Bandeira projeta o Flamengo como um 'campeão permanente' | Foto: Ernesto Carriço / Agência O Dia
Eduardo Bandeira projeta um Flamengo organizado na sua gestão | Foto: Ernesto Carriço /  Agência O Dia
Candidato de última hora da Chapa Azul depois da impugnação de Wallim Vasconcellos, Bandeira não liga para os que o consideram um fantoche. Garante que sempre esteve pronto para o bônus e o ônus da função de comandar a “coisa mais importante da sua vida, depois da família”, que é toda rubro-negra. “Não tem nenhuma defecção na família”, afirmou o mais velho de cinco irmãos.

Em entrevista ao ATAQUE, o presidente fala sobre as dificuldades para reforçar o time e a política de austeridade na busca por reforços. O primeiro deles foi a renovação do contrato de Renato por um ano, concretizada nesse sábado.

DIFERENCIAL DA NOVA GESTÃO
Principalmente a qualidade na gestão, a responsabilidade. Vamos trazer uma equipe que nunca clube nenhum no Brasil e acredito que poucos no mundo tiveram a oportunidade de ter. A ideia é tratar o Flamengo com a complexidade que ele merece. Reconhecer a complexidade que os negócios do futebol e do clube exigem. O Flamengo, como principal clube do Brasil, dono da maior torcida, tem que dar o exemplo e estar na vanguarda deste processo.

IMPORTÂNCIA DO CARGO
Cargo de liderança igual ao de presidente do Flamengo acho que não existe. Realmente, igual a esse, nunca exerci. Com certeza, o maior desafio da minha vida. O Flamengo é a coisa mais importante da minha vida, depois da família.

BUSCA POR REFORÇOS
Estamos tranquilos. Este é um processo natural. As negociações são complicadas. A diferença é que a gente só quer anunciar alguma coisa quando estiver efetivamente concretizada. Existem, claro, dificuldades, a situação financeira não é confortável, mas a gente vai procurar, apesar de tudo, dar uma reforçada neste time. Como presidente, não devo ficar falando das carências do time de futebol. Todo mundo sabe que elas existem. O Pelaipe, o Wallim e o Dorival estão cuidando disso. Acredito que a gente vai conseguir bons reforços para tornar o time mais competitivo e conseguir bons resultados já nas primeiras competições do ano.

FALTA DE EXPERIÊNCIA
As dificuldades são as mesmas que você encontra em qualquer setor. Não existe nenhuma dificuldade insuperável. O fato de nós nunca termos trabalhado no futebol não quer dizer nada. Contratamos o Paulo Pelaipe, que é uma pessoa que tem 30 anos de futebol, e ele que está nos ajudando nesse processo de identificação de potenciais reforços para o time.

AUSTERIDADE
A marca da nossa administração vai ser a da responsabilidade, da austeridade. Só vamos realizar investimentos que possam ter retorno tanto esportivo quanto financeiro. No caso do Robinho, nem chegamos a estar próximos da concretização da contratação dele. Como veio o representante do Milan ao Brasil, nós procuramos avaliar se era uma possibilidade que estava dentro do que estávamos imaginando. Não julgamos viável para o Flamengo neste momento e preferimos abrir mão do negócio.

IMAGEM DE COADJUVANTE
Não me importo muito, não. Somos uma equipe e eu já estava nela antes de me tornar candidato. O Wallim era o candidato que eu estava apoiando e dois meses antes de eu me tornar o candidato da Chapa Azul já estava preparado para ser o plano B, caso houvesse algum problema com a candidatura dele. Aconteceu o problema no dia 8 de novembro e, no dia 9, já estava eu lá, com as certidões prontas. Processo de planejamento normal de quem lida com negócios e está acostumado a planejar

OBJETIVO PARA O TRIÊNIO
O principal objetivo é ganhar as competições e deixar o Flamengo muito mais organizado. Queremos terminar o triênio já sendo reconhecido como um clube que cumpre os seus compromissos, tem responsabilidade com a torcida, com a nação como um todo. Um clube que paga seus impostos e seus salários em dia. A partir daí, vamos conseguir resgatar a credibilidade do clube e conseguir ser um clube vitorioso em caráter permanente.

RELAÇÃO COM O FLAMENGO
Quando eu comecei a conhecer o futebol, minha família já era toda flamenguista. Meus dois avôs eram rubro-negros e minhas avós também. Minha mãe tem quatro irmãos e todos são flamenguistas. Então, foi uma tendência natural. Eu, meus irmãos e meus primos. Depois, todos nos casamos com rubro-negras, não tem nenhuma defecção na família.


Ibson lamenta saída de Zinho e projeta 2013 diferente para o Flamengo


A saída de Zinho do Flamengo ainda repercute entre os jogadores do clube. Ex-companheiro de time do dirigente com a camisa rubro-negra, o meio campista Ibson lamentou a decisão da diretoria, mas acredita que a cúpula liderada por Eduardo Bandeira de Mello poderá colocar os flamenguistas de volta às conquistas.

"Ficamos tristes porque é um amigo que temos. Eu particularmente porque joguei com ele em 2004. Infelizmente aconteceu, agora é esperar para ver o que vai acontecer no ano que vem. Esperamos que possa melhorar. Uma nova diretoria chegou, vamos ver o que estão pensando. Agora é férias: curtir, descansar, encontrar os amigos. Este ano foi conturbado, o time mudou. Espero que o ano que vem seja melhor", desabafou o camisa 7.,

Insatisfeito no Santos no primeiro semestre, Ibson acertou seu retorno à Gávea em negociação que envolveu a ida do zagueiro David Braz e do lateral direito Galhardo à Vila Belmiro. Mesmo sem conseguir repetir as boas atuações das primeiras passagens pelo time carioca, o meia gostou do que produziu em 2012, mas espera um 2013 ainda melhor."Este ano foi bom para mim: fui campeão paulista pelo Santos, e depois tive a transição conturbada para Flamengo. Chegaram muitos jogadores e não tínhamos uma equipe formada. Agora será diferente, porque nos conhecemos mais. Espero que consigamos fazer uma boa pré-temporada para conquistarmos títulos. Temos grandes jogadores e estamos no aguardo para que venham outros", projetou.

Colocado pela imprensa italiana como favorito para levar o atacante chileno Eduardo Vargas, o Flamengo ainda não concretizou nenhuma contratação de peso, e ainda perdeu o lateral Wellington Silva para o Fluminense e o atacante Negueba para o São Paulo. Para compensar, o contrato do experiente Renato Abreu foi renovado pelo diretor executivo de futebol, Paulo Pelaipe.

Internautas rubro-negros apoiam fim da equipe de natação do Flamengo


A nova direção do Flamengo acertou ao descontinuar o projeto de natação implementado pela gestão da ex-presidente Patrícia Amorim em 2010. Essa é a opinião de 61,41% dos leitores que participaram da enquete proposta pelo GLOBOESPORTE.COM. Para 4.318 internautas, o anúncio de que a equipe aquática não será renovada para 2013 condiz com a atual situação do clube rubro-negro. A decisão, no entanto, não é unânime. Para 2.714 leitores, ou 38,59% do total, o time formado por nomes como Cesar Cielo, Nicholas Santos, Leonardo de Deus e Joanna Maranhão deveria ser mantido na Gávea.

natação Cesar Cielo toalha Flamengo (Foto: Divulgação) 
Cesar Cielo exibe toalha com escudo do Flamengo (Foto: Divulgação)

De acordo com o novo vice-presidente de esportes olímpicos do Flamengo, Alexandre Póvoa, a prioridade para o próximo ano é valorizar a base. Para tanto, os atletas de elite precisarão servir de exemplo para os mais jovens, e treinar nas dependências do clube será um dos requisitos fundamentais para cumprir a nova política. Contudo, o estado irregular de conservação do parque aquático do Fla estaria impedindo que os nadadores profissionais estabelecessem suas rotinas de treinamento na Gávea.

Póvoa reconheceu as conquistas trazidas pela equipe de natação desde março de 2010. A principal delas foi o fim do jejum de 10 anos sem o título do Troféu Maria Lenk, principal competição brasileira da modalidade. Em maio de 2012, o clube carioca travou uma disputa acirrada com Pinheiros e Corinthians e igualou o primeiro em número de títulos: 13 para cada um. Em 2014,  caso melhore a estrutura de treinamento da Gávea, o Fla pretende reativar seu time aquático.

Alguns nadadores se pronunciaram sobre a decisão. Nicholas Santos, que conquistou o ouro nos 50m borboleta no Mundial de piscina curta de Istambul, no início do mês, ressaltou que a equipe trazia bons resultados para o clube e foi responsável por reavivar os tempos áureos do Fla na modalidade. Tales Cerdeira, outro nome de destaque da natação rubro-negra, lamentou que a nova diretoria concentre esforços no futebol e desmanche projetos importantes com esportes olímpicos.


Flamengo busca opções no mercado sul-americano



González - Flamengo (Foto: Paulo Sérgio)A combinação preço e oferta disponibilizada pelo mercado da América do Sul é um atrativo que chama a atenção do Flamengo e faz com que o clube busque opções de reforços nos países vizinhos. Uma lista de jogadores apontados como destaques no continente nesta temporada é analisada pela cúpula rubro-negra.

Os salários inferiores, se comparados aos do futebol brasileiro, e o poder de compra dos clubes nacionais são os principais trunfos tidos pelos dirigentes para concluir algum negócio.

E a prática não é uma novidade para o diretor executivo Paulo Pelaipe. Desde os tempos do Grêmio, o dirigente criou uma boa relação de contatos com empresários ligado ao mercado sul-americano. Durante os anos 2000, os gaúchos contrataram 25 jogadores do continente.

No Flamengo, Pelaipe não atesta que a diretriz implementada no antigo clube será seguida, apesar de reconhecer que o mercado pode ser uma alternativa viável, mesmo sendo privado por um número limite de estrangeiros de acordo com as regras brasileiras.

– Temos um limite de três estrangeiros na equipe. Olhamos para todos os mercados, inclusive ao da América do Sul. Estamos estudando todas as possibilidades para reforçar o futebol do Flamengo. Em breve esperamos anunciar os nomes, sempre respeitando esse limite – disse.

Atualmente, o grupo rubro-negro conta com o paraguaio Cáceres, os chilenos González e Maldonado e o argentino Bottinelli. Dos quatro, porém, apenas Cáceres e González serão mantidos para o próximo ano.

Flamengo propõe redução de salário, e Léo Moura busca acordo para ficar

Léo Moura chega ao penúltimo dia de contrato com o Flamengo neste domingo sem saber se ficará no clube. O lateral-direito e seu empresário, Eduardo Uram, ouviram a oferta da nova diretoria rubro-negra e fizeram uma contraproposta. O jogador espera chegar a um meio termo para permanecer.

Para que isso ocorra, as partes terão de ceder. Principalmente Léo. Em setembro deste ano, época em que o camisa 2 completou 400 jogos pelo Rubro-Negro, ele foi procurado pela antiga diretoria e fez um acordo verbal. O Flamengo se comprometeu a renovar o contrato por duas temporadas, com ampliação de salário. Zinho, diretor de futebol que deixou o clube na última sexta-feira, chegou a dizer em entrevistas que “só faltava assinar” e dava como certa a permanência.

Com a mudança de gestão, o cenário mudou por completo. O novo vice de futebol do clube, Wallim Vasconcellos, e o diretor executivo Paulo Pelaipe propuseram a renovação por um ano, com redução salarial. Léo também não receberia as luvas referentes ao novo acordo. Na contraproposta apresentada, o jogador e seu agente tentam equilibrar o negócio. O que está em discussão é quanto o atleta terá de ceder.

- Em setembro, entramos em acordo de renovação por dois anos. Depois disso, recebemos consultas de vários clubes da Série A e dissemos que já tínhamos renovado, porque temos palavra. O contrato foi sendo protelado, o Flamengo ocupado com outras coisas, e a diretoria nada. A nova diretoria assumiu, ela não tem nada a ver com isso, mas o acordo existia e era com o Flamengo. Apesar disso, o Léo mantém o interesse dele e o compromisso profissional, compromisso de caráter e ele só quer o Flamengo. Até que o Flamengo prove o contrário – disse Eduardo Uram.

Segundo o GLOBOESPORTE.COM apurou, Cruzeiro, Inter e Atlético-MG demonstraram interesse em contar com Léo a partir do momento em que ele ficou livre para assinar um pré-contrato, há seis meses. Aos 34 anos, o camisa 2 pretende encerrar a carreira no Flamengo.

Neste sábado, o clube anunciou a renovação de contrato do meia Renato, que também tem 34 anos. Ele ficará no Flamengo pelo menos até dezembro de 2013.



sábado, 29 de dezembro de 2012

LDB: Flamengo supera o Pinheiros e avança às quartas de final em primeiro


Feliz Flamengo basquete (Foto: Bruno Spada/LNB)
Já classificados para as quartas de final da Liga de Desenvolvimento de Basquete (LDB), Flamengo e Pinheiros se enfrentaram na noite deste sábado, no ginásio da Ginásio da ASCEB, em Brasília. Atual campeão da competição, o Mengão venceu o rival por 92 a 79, fechando o grupo A na liderança.

Na partida, dois jogadores do Flamengo conseguiram um duplo-duplo: o pivô Feliz, que anotou 15 pontos e 17 rebotes, e o armador Gegê, que marcou 20 pontos e deu 11 assistências. Os cestinhas do confronto foram o pivô Douglas, do Flamengo, e o ala/pivô do Pinheiros, Lucas Dias, ambos com 23 pontos.

- O Pinheiros foi um bom adversário, mas nós fizemos o nosso jogo e tivemos cabeça no final para sairmos com a vitória. Esse time está se entendendo a cada jogo e todos estão focados para chegarmos ao objetivo, que é o bicampeonato da LDB - afirmou Feliz.

No outro confronto do grupo A, o Limeira fechou sua participação na LDB com uma vitória sobre o Londrina: 72 a 66. Esse foi o primeiro triunfo da equipe paulista, que terminou a competição em terceiro lugar na chave.

Ainda neste sábado, mais seis partidas movimentaram o campeonato. Apesar de os grupos B e C ainda terem mais uma rodada neste domingo, todos os classificados às quartas de final já são conhecidos.

Além de Flamengo e Pinheiros, carimbaram o passaporte para a próxima fase: Franca, Brasília, Bauru, São José, Minas e Suzano.

Confira todos os resultados deste sábado:

Grupo A (Brasília):
Londrina 66 x 72 Limeira
Flamengo 92 x 79 Pinheiros

Grupo B (Brasília):
Franca 104 x 72 Palmeiras
Tijuca 86 x 56 Faculdade 2 de Julho

Grupo C (Belo Horizonte):
Liga Sorocabana 74 x 100 Bauru
São José 109 x 35 São Luís

Grupo D (Belo Horizonte):
Minas 71 x 64 Paulistano
Vitória 62 x 77 Suzano

Jogos deste domingo:

Grupo B (Brasília):
9h - Palmeiras x Tijuca
11h - Brasília x Franca

Grupo C (Belo Horizonte):
9h - São Luís x Ginástico
11h - Bauru x São José



Vagner Love se reúne com Pelaipe e acerta sua permanência no Flamengo



O atacante Vagner Love, acompanhado de seu empresário, Evandro Ferreira, teve neste sábado uma reunião com o diretor executivo do Flamengo, Paulo Pelaipe, no hotel Windsor, na Barra da Tijuca, zona Oeste do Rio de Janeiro, e acertou sua permanência no clube rubro-negro. Este foi o primeiro contato do artilheiro com a nova gestão do Fla, e nesse encontro, Pelaipe manifestou o desejo do clube de manter o jogador, que tem contrato até o fim de 2014. Com isso, Love se apresentará normalmente no dia 3 de janeiro para a pré-temporada.

- Ouvimos do Pelaipe que o Vagner faz parte dos planos e quer que o jogador continue. Não pensa em perdê-lo. Ele disse que o Flamengo vai arcar com as pendências (salariais). O Vagner queria ouvir isso, e vamos seguir trabalhando normalmente - disse o empresário.

Sobre a dívida que o Flamengo ainda tem com o CSKA Moscou, da Rússia, Pelaipe também passou para o jogador e seu representante que vai cumprir os prazos acordados pela administração anterior com o clube russo. O CSKA tinha interesse na volta de Love, e havia a informação de que ele seria alvo do Altético-MG, o que foi negado por Ferreira.

O clube rubro-negro ainda deve o salário de novembro, 50% do 13º, férias e bichos que totalizam R$ 30 mil por atleta. A reunião foi confirmada pela assessoria do Flamengo.


Nova diretoria do Fla se espelha em modelo de gestão adotado por rivais

O exemplo veio dos rivais. Minas e Pinheiros são o modelo de gestão e qualidade administrativa que o Flamengo quer ter num período de médio a longo prazo. Para tentar encurtar o caminho, a nova diretoria contratou Marcelo Vido como diretor executivo de esportes olímpicos. O ex-jogador de basquete que teve passagem pelo clube e defendeu o Brasil nos Jogos de Moscou 1980 e Los Angeles 1984, deixou o Minas após sete anos de trabalho na gerência de marketing e negócios.

Eduardo Bandeira com Alexandre Póvoa e Marcelo Vido coletiva Flamengo (Foto: Danielle Rocha / Globoesporte.com) 
Eduardo Bandeira de Mello, o vice de esportes olímpicos Alexandre Póvoa e Marcelo Vido durante entrevista coletiva na Gávea (Foto: Danielle Rocha / Globoesporte.com)

- O Flamengo disputa com eles a hegemonia de ceder atletas para as Olimpíadas, mas está muito atrás em termos de gestão. E nada melhor do que trazer o diretor de lá. Para se ter uma ideia, o orçamento dos esportes olímpicos anual do Minas é o dobro do daqui (o Rubro-Negro teve cerca de R$ 15 milhões este ano). Sendo 100% financiado por patrocínio, lei de incentivo e escolinhas. Hoje nós estamos pegando o clube com metade deste orçamento e só 20% dele é coberto por receitas de patrocínio, escolinhas e lei de incentivo. O resto é financiado pelo clube - disse Póvoa.

De acordo com o planejamento, em um ano cada modalidade terá de caminhar com as próprias pernas. Com o pensamento de que "craque o Flamengo faz em casa", a ideia é investir na base, melhorar a infraestrutura para atrair mais sócios e praticantes para as escolinhas também. Mais uma vez o Minas serve de exemplo para Póvoa, que cita os 14.000 inscritos nas escolinhas de Belo Horizonte contra 2.000 na Gávea.

O desafio é grande e Marcelo Vido não nega. Deixa um clube social para tentar transformar os esportes olímpicos de outro que tem o futebol como carro-chefe e paixão.

- O fator futebol pode pesar positivamente ou negativamente, por conta da pressão da torcida. Mas um gestor tem que conviver com isso. Vai ter o imediatismo por causa do futebol, mas o futebol do Flamengo faz a marca importante e pode abrir portas. Pode ajudar, sim. o mercado de Belo Horizonte é menor que o do Rio e nos próximos 10 anos o esporte brasileiro estará num momento único. Fisicamente Minas, Pinheiros e Flamengo têm espaços fantásticos. Só que Pinheiros e Minas tiveram gestões que bateram na mesma tecla. O que não pode é o Flamengo ter menos recursos do que eles. Temos que buscar isso. É um desafio muito grande, vamos ter muito trabalho, mas estou muito motivado - afirmou Vido, que garante ser um desejo da nova diretoria montar um time profissional de vôlei.

Para ele, o mais importante para iniciar a gestão será resgatar a credibilidade do clube.

- A imagem tem que mudar. Esse é o desafio. Ter que buscar a credibilidade e transparência para que as empresas queiram investir. Temos também que criar uma estrutura de treinamento para tentar reter os atletas que formamos no clube.

Vido, que também fez parte do conselho de marketing do NBB e do Atlético Mineiro, diz que as categorias de base das modalidades serão reforçadas e seus treinadores valorizados. No caso da natação, que não renovará com Cesar Cielo e as outras estrelas da equipe adulta para 2013, o gestor acredita que a médio prazo seja possível buscar recursos na iniciativa privada para um grande projeto, mesmo sem contar com nomes de peso defendendo as cores do clube.

- São três competições importantes por ano e acho que os clubes deveriam discutir isso, se colocar do lado do patrocinador, e tentar mais competições para que possa ter mais visibilidade. O modelo americano tem seis etapas, por exemplo. Será que não poderíamos fazer algo parecido?

Já o vice de esportes olímpicos diz que o importante é tirar proveito da realização dos Jogos Olímpicos no Rio para melhorar a estrutura da Gávea. Sobre o contrato assinado na gestão da ex-presidente Patrícia Amorim com o Comitê Olímpico dos Estados Unidos, que escolheu o Flamengo como seu centro de treinamento em 2016, Póvoa diz que quer melhorar os termos.

- Ainda não vi o contrato, mas nos passaram os números e temos o maior interesse na parceria. O Minas fechou com a delegação da Grã-Bretanha (Marcelo Vido fez parte da negociação). Acho que dificilmente alguma delegação vai encontrar no Rio uma estrutura de vários esportes num mesmo lugar. A gente pode rediscutir e melhorar o contrato. Não podemos perder essa oportunidade das Olimpíadas. Queremos reformar a Gávea para ter chance de nos Jogos de 2020 mandar 60, 70 atletas na delegação brasileira. No caso da natação, neste momento é dar um passo para trás para dar dois à frente depois - disse Póvoa.