Tu és... Time de tradição... Raça, amor e paixão... Oh meu Mengo!!! Eu... Sempre te amarei... Onde estiver estarei... Oh meu Mengo!!!

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Rumo ao Bahia, Rafinha lembra feitos pelo Flamengo e diz: 'Estou ansioso'


para
CRESCER (Alexandre Vidal / FlaImagem)De grande promessa à moeda de troca. Depois de um início de ano em alta, Rafinha caiu de produção e perdeu espaço no Flamengo. Envolvido na negociação que incluiu a chegada de Feijão ao Rubro-Negro, o atacante destacou os bons momentos vividos na atual temporada, mas já projeta o futuro no Bahia em 2014

- Acho que esse período no Bahia será importante para ter uma nova experiência, num outro centro e com mais oportunidades de jogar em 2014. Acho que meu primeiro ano como profissional no Flamengo foi positivo. Tive um bom começo, conquistei um título muito importante como a Copa do Brasil e só tenho a agradecer. Vou para o Bahia muito motivado em construir uma história bonita, ganhar maturidade e voltar ainda melhor para o Flamengo. Sei que o Bahia também tem uma torcida muito grande e apaixonada. Estou ansioso. Não vejo a hora de a bola rolar - afirmou Rafinha.

Além de Feijão, que poderá ser adquirido no fim de 2014, o Rubro-Negro receberá também dois jovens baianos para as categorias de base: o atacante Lourival e o meia Gabriel.

Feijão é cria das categorias de base do Bahia e foi integrado ao elenco profissional após a Copa São Paulo de Futebol Júnior deste ano. Aos 19 anos, o volante participou de 27 partidas na temporada, 20 como titular. O volante é o segundo reforço do Flamengo para a disputa da Libertadores do ano que vem. Everton, ex-Atlético-PR, já tinha sido confirmado e assinou contrato por quatro anos.

Fla e Bahia concluíram a negociação envolvendo os dois jogadores nesta segunda-feira.


Negueba quer voltar a sorrir no Flamengo: 'É meu time do coração'


Negueba Flamengo (Foto: Arthur Costa/GloboEsporte.com)O atacante Negueba faz parte dos planos do Flamengo para a próxima temporada. Ele sabe que não será fácil reconquistar a confiança do torcedor. Mas aposta em sua história com a camisa rubro-negra para "voltar a sorrir" em 2014.

- Flamengo é meu time do coração. O Flamengo fez o Negueba. Vou para 13 anos de clube. É uma história muito grande. Sei da responsabilidade, sei que não será fácil, mas essa é a oportunidade da minha carreira. Quero voltar a fazer a minha família feliz, voltar a sorrir - declarou o atacante durante pelada de fim de ano neste fim de semana na cidade de Cruzeiro, no interior de São Paulo.

Com contrato até 2015 e com 21 anos de idade, a "promessa" da Copa São Paulo de 2011 quer se tornar realidade já no Campeonato Carioca. 

- Sei do meu potencial e tenho certeza que posso ajudar - afirmou.

Negueba faz graça em jogo beneficente em Cruzeiro-SP (Foto: Luís Henrique Costa/ Mix Vale) 
Fazendo graça para torcida, Negueba dá passe para um lado e olha para o outro (Foto: Luís Henrique Costa/ Mix Vale)


Emprestado pelo São Paulo a pedido do então técnico do clube paulista, Ney Franco, Negueba viveu um drama no Morumbi antes mesmo de estrear. Logo no primeiro treino pelo tricolor, sentiu uma lesão. Ele passou por uma cirurgia no joelho direito e ficou sem jogar por mais de seis meses. Quando retornou, foi cortado do clube pelo técnico Muricy Ramalho, de quem não guarda mágoas.

- É um grande profissional, fez as escolhas dele, eu não tive espaço, mas o futebol é assim.

Negueba dá autógrafos em jogo beneficente em Cruzeiro-SP (Foto: Silas Pereira/ GloboEsporte.com)O atacante do Fla também falou sobre a diferença do futebol paulista para o futebol carioca.

- Tem muita diferença. Futebol paulista é mais cobrança - comentou.

Amigo de Rosinei, volante do Atlético-MG, Negueba foi o queridinho da torcida durante o "Jogo das Estrelas" no estádio Virgílio Antunes de Oliveira, no interior de São Paulo. Deu passe de letra, fez graça para a arquibancada e agradeceu o carinho com autógrafos e presentes. 

- Não tem dinheiro que pague esse reconhecimento da torcida - disse o camisa 19 do jogo beneficente, que saiu de campo só de calção após presentear a torcida com chuteiras e camisa.


Enredo da Imperatriz em 2014, Zico é a história do futebol, afirma Lino


Maior artilheiro da história do Maracanã com 333 gols, ídolo número 1 da torcida do Flamengo. Zico terminou o ano de 2013 contemplando seus fãs e os amantes do futebol com a 10ª edição do Jogo das Estrelas, que aconteceu no Maracanã, dia 28 de janeiro. E em 2014, voltará à cena durante o carnaval, já que será enredo da Imperatriz. A escola será a quarta a se apresentar no desfile do Rio de Janeiro, na tradicional passarela da Sapucaí. Para o comentarista Carlos Eduardo Lino, a homenagem é justa por se tratar de uma personalidade que é a própria história do futebol.

- A história que se consegue contar em torno do Zico é a história do futebol brasileiro, não só do Flamengo. É a história do Rio de Janeiro, do Maracanã, dos mitos. Eu imagino que o enredo da Imperatriz seja muito farto falando do Zico como ponto de partida, sem dúvida nenhuma - afirmou o comentarista do Canal Campeão.   

Jogo das Estrelas - Zico (Foto: Cezar Loureiro/Agência O Globo) 
Zico se esforça para dominar bola durante Jogo das Estrelas (Foto: Cezar Loureiro/Agência O Globo).
 
Antes de a bola rolar para o Jogo das Estrelas de 2013, a bateria da Imperatriz deu um aperitivo para o público presente do que estar por vir em 2014. Outro homenageado no evento foi o ex-jogador Ademir da Guia, ídolo da torcida do Palmeiras, que participou da pelada beneficente mesmo no alto dos seus 71 anos. Ademir jogou pelo clube paulista de 1962 a 1977, após ser revelado pelo Bangu. 

- Você poder rever o Divino, ter o Ademir da Guia convivendo com a gente, vê-lo com a bola no pé. Jogador que tanto sucesso fez pelo Palmeiras, filho do Domingos da Guia, o Divino Mestre, é sensacional. A história de vida, a qualidade do futebol, o jeito que ele jogava, o sucesso que ele fazia no meu time de botão... Porque eu não o vi em campo, já que ele parou de jogar em 77. Mas tudo que eu vi dele, da elegância da categoria, da facilidade em tocar a bola, cabeça erguida o tempo inteiro. Era bonito demais - lembrou.  

Ademir da Guia recebe carinho dos torcedores (Foto: Reprodução/SporTV) 
Ídolo do Palmeiras, Ademir da Guia recebe carinho dos torcedores do Flamengo (Foto: Reprodução/SporTV)
 

Flamengo terá cota extra para jogar com time mexicano na Libertadores



Sorteio da 55 ª Edição da Copa Libertadores (Foto: Norberto Duarte/ AFP)A Conmebol divulgou as premiações para cada fase da Libertadores. Além dos US$ 900 mil pelos três primeiros jogos como mandante, cerca de R$ 2,1 milhões, o Flamengo vai receber uma cota extra de US$ 25 mil (R$ 60 mil) pela viagem ao México, no primeiro jogo diante do Leon, no dia 12 de janeiro. Esse valor será pago apenas em confrontos até às oitavas de final.

Se o Rubro-Negro sagrar-se campeão da competição sul-americana, pode receber a quantia de aproximadamente US$ 4,2 milhões cerca de R$ 10,8 milhões.

Veja a relação completa das cotas de TV e patrocínios por cada fase:

PRIMEIRA FASE

US$ 250.000 (R$ 585 mil)
+ US$ 50.000 em caso de eliminação (R$ 120 mil)
+ US$ 25.000 por eventual viagem ao México (R$ 60 mil)

FASE DE GRUPOS

US$ 900.000 pelos 3 jogos como mandante (R$ 2,1 milhões)
+ US$ 25.000 por eventual viagem ao México (R$ 60 mil)

OITAVAS DE FINAL

US$ 550.000 por partida como mandante (R$ 1,3 milhão)
+ US$ 25.000 por eventual viagem ao México (R$ 60 mil)

QUARTAS DE FINAL

US$ 650.000 por partida como mandante (R$ 1,52 milhão)

SEMIFINAIS

US$ 700.000 por partida como mandante (R$ 1,6 milhão)

FINAL

US$ 1.000.000 – Vice-campeão (R$ 2,34 milhões)
US$ 2.300.000 – Campeão (R$ 5,4 milhões)

TOTAL PARA O CAMPEÃO

US$ 5.350.000 + US$ 75.000 por eventuais viagens ao México

US$ 5.425.000 = R$ 12.685.000



Presidente do Flamengo diz acreditar em esportes autossustentáveis já em 2014


O presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, está otimista quanto ao futuro dos esportes olímpicos na Gávea. Após dissolver no início da sua gestão as equipes profissionais de tradicionais modalidades dentro do clube, como o judô e a ginástica, o mandatário rubro-negro declarou que as mesmas e outras já deverão ser autossustentáveis no ano de 2014, com os recursos provenientes das leis de incentivo fiscal, que estão sendo analisados em Brasília, e podem ser destinados para o cofre rubro-negro já nos primeiros meses do ano. A ideia é fazer com que Remo, Canoagem, Vôlei, Futsal, Tênis, Judô, Ginástica, Natação, Polo Aquático e Nado Sincronizado sobrevivam sem a ajuda de verbas do futebol, como é o caso do basquete.

- Hoje, o nosso basquete é autossustentável com a chegada do nosso último patrocinador. Agora, acreditamos que, com a entrada destes recursos, todos os demais esportes serão autossustentáveis já em 2014. Esperamos arrecadar por volta de R$ 1.3 milhão só de pessoa física e ainda estamos vendo quanto vai entrar de pessoa jurídica. O total será um montante que vai nos fazer tocar os esportes olímpicos do Flamengo sem que ele dependa dos recursos vindos do futebol - disse o presidente após a cerimônia de premiação, que coroou o time sub-22 de basquete do clube como o novo campeão nacional.

Muito desta independência viria pelo "Anjo da Guarda", projeto via Lei de Incentivo através do imposto de renda devido, que tem valor descontado de 6% para pessoa física e 1% para empresas, e que foi encerrado na última quinta-feira. De acordo com Bandeira de Melo, este programa só existiu devido aos cumprimentos de pagamento de impostos ao governo federal por parte do clube.

- As leis de incentivos são fundamentais, pois o Flamengo passou a ser um clube cidadão, que paga os seus impostos, honra os seus compromissos e se qualificou para colher os frutos. Tivemos o nosso programa "Anjo da Guarda" para captar recursos, e estamos com quatro projetos federais e quatro estaduais para serem aprovados. Com isso, mais recursos entrarão no clube neste início de ano - completou.

Porém, de acordo com a lei, todo o valor doado será repassado para o esporte de base, já que a Lei de Incentivo, via imposto de renda, não permite investimentos no esporte adulto.

Eduardo Bandeira de Mello gavea flamengo projeto Anjo da Guarda  (Foto: Alexandre Vidal/Fla Imagem) 
Eduardo Bandeira de Mello durante o lançamento do projeto "Anjo da Guarda" (Foto: Alexandre Vidal/Fla Imagem)
 
 

Flamengo acerta com Léo e aguarda virada do ano para anunciar contratação



Léo - Atlético-PR (Foto: Felipe Gabriel/ LANCE!Press)Depois do meia-atacante Everton, o segundo reforço do Flamengo para 2014 será Léo. O lateral-direito já aceitou a oferta do clube para assinar por quatro anos, mas as partes envolvidas na negociação esperam pelo término do contrato de empréstimo do jogador com o Atlético-PR – em 31 de dezembro – para concluir a operação.

O Rubro-Negro desembolsará R$ 2 milhões para adquirir 50% dos direitos econômicos, percentual vinculado ao Vitória. A proposta é superior aos R$ 1,5 milhão, valor estipulado pelos baianos ao Furacão para a compra no fim 2013. O clube deverá fazer o depósito até o fim desta semana.

Apesar de o depósito dos paranaenses ter sido efetuado na sexta-feira passada, dentro ainda do prazo, Vitória e Flamengo têm a favor uma cláusula no acordo de cessão. Ela diz que no caso de uma oferta superior ao valor pré-determinado para venda, os baianos deveriam notificar o Atlético-PR, que, imediatamente, teria de cobrir para contar com Léo em 2014.

E a notificação foi feita ao Furacão nas últimas semanas, quando o Rubro-Negro entrou definitivamente na operação para ficar com o jogador. O aviso foi emitido pelo Vitória depois que os dirigentes paranaenses apenas comunicaram que exerceriam a opção de compra.

Além desse fato, o Atlético-PR não procurou os empresários de Léo para negociar um novo contrato. No Furacão, o jogador recebia cerca de R$ 20 mil mensais, valor inferior aos números oferecidos pelo Flamengo no novo contrato.

– O Atlético-PR pagou ao Vitória, mas não acertou com o jogador. E, portanto, ele não é obrigado a ir. Eles sabem da proposta do Flamengo. Devemos ter uma definição depois da virada do ano – explicou, Raimundo Queiroz, diretor de futebol do clube baiano, em entrevista ao LANCE!Net.

Motivado, Paulo Chupeta diz: 'Nunca me preocupei em colocar a cara'


Paulo Chupeta (Foto: Fabio Leme)Há três anos, Paulo Chupeta via seu trabalho como técnico do time profissional de basquete do Flamengo ruir de uma maneira que ele mesmo não entendia, aceitava. As derrotas para o Brasília tanto na final do NBB, quanto na da Liga Sul-Americana pesaram sobre os ombros do treinador, que ouvia da diretoria o argumento de desgaste interno como motivo para a troca no comando. Ao ser comunicado da mudança de percurso pela então presidente do clube, Patrícia Amorim, que lhe convidara para assumir toda a categoria de base do Rubro-Negro, Chupeta não escondeu sua frustração, mas acabou topando o novo rumo, sem muito saber até qual lugar aquilo iria chegar.

Passado o tempo, a escolha pela permanência na Gávea demonstrou ter sido correta. Vencedor e sortudo, Chupeta viu, logo em seu primeiro ano à frente da equipe sub-22, a criação da Liga de Desenvolvimento de Basquete e nela a oportunidade de dar a volta por cima, se reerguer mesmo. E já na primeira disputa, o profissional, que já havia vencido o Brasileiro de 2008, a primeira edição do NBB em 2009, o Sul-Americano do mesmo ano, além de seis estaduais, colocou no peito mais um faixa. Em 2013, a segunda, após bater no aro em 2012.

- Aconteceu aquela mudança, que foi algo político. O Flamengo estava em primeiro no NBB (2011/2012), quando a Patrícia me chamou e disse que eu iria sair do time profissional. Eu senti nela um constrangimento em dar a notícia. Na mesma hora, ela me convidou para cuidar de toda a base. Na hora pensei e topei. Fiquei quieto, esperando. Daí, teve a criação desta Liga e acabamos ganhando. Hoje, somos referência nacional e isso me motiva. Nunca me preocupei em colocar a cara - declarou Chupeta, que tem 18 anos de serviços prestados ao clube.

Gegê, Chupeta e Douglas (Foto: Fabio Leme) 
Gegê, Chupeta e Douglas com o troféu de bicampeão da LDB (Foto: Fabio Leme)
Para o comandante da garotada rubro-negra, a grande diferença entre treinar jovens e adultos é a personalidade do jogador em questão.

- A maior dificuldade nos profissionais é administrar o ego. Você tem que ter um plantel e não seis jogadores. Já a garotada, você tem que ser mais paizão, bandido, herói, um pouco de tudo - disse.

Questionado se sente falta de comandar um time profissional, se é realizado com seu atual momento, Chupeta apenas declarou que uma nova mudança não é tão simples.

- Hoje, me sinto valorizado aqui e só uma proposta muito boa me faria trocar. Teve uma época que o Tijuca estava para ser rebaixado e me chamou para os jogos finais, mas não me deixaram ir, por causa deste no trabalho aqui no Flamengo, que é muito reconhecido - afirmou.

Neto elogia trabalho de 'papa-títulos'

José Neto com o troféu que foi entregue ao Minas pelo vice-campeonato da LDB (Foto: Fabio Leme)O trabalho de Chupeta foi enaltecido pelo técnico dos profissionais, José Neto. Acompanhando a conquista da base rubro-negra da arquibancada do ginásio Hélio Maurício, ao lado do pivô Shilton, o comandante destacou que o que vem sendo feito na base do clube é importante diretamente para o que ele faz no seu dia a dia.

- É sempre bom enaltecer o trabalho que o Chupeta vem fazendo. Ele é um grande técnico. Vemos esses jogadores formando um time que sabe ganhar, eles sabem jogar o jogo. Isto é muito mérito do Chupeta. Muitos deles treinam comigo e estão amadurecendo.O trabalho da base e do profissional são duas coisas que se completam. Os títulos solidificam o trabalho. O pensamento é esse de o Flamengo ser forte na base e nos profissionais - explicou Neto, que admitiu a dificuldade de apenas observar alguns jogadores que está acostumado a dirigir.

- Nossa, é muito difícil até porque é meu ímpeto fazer isso, eu sou assim. Aí, você vê estes jogadores na quadra, você sempre tem a vontade de falar algo. Mas ali, eu não podia fazer, eu tinha que ficar só observando mesmo - completou.

Em busca de mais quatro reforços, Flamengo põe o foco no mercado sul-americano


Caceres treino Flamengo (Foto: Alexandre Vidal/Fla Imagem)Um Flamengo com sotaque castelhano para disputa da Libertadores. Esse é o desejo da diretoria. Com boa parte do elenco campeão da Copa do Brasil mantida, apesar da provável perda de Elias, o Rubro-Negro coloca o foco no mercado sul-americano para se reforçar para maior competição de clubes das Américas. Até o momento, todos os três reforços acertados são brasileiros. A tendência, porém, é que as próximas caras novas venham do exterior.

Depois do meia Everton, do volante Feijão e do lateral-direto Léo - que deve ser confirmado na quinta-feira, após o término do contrato com o Atlético-PR -, o planejamento do Flamengo conta com as chegadas de dois atacantes, um volante e um zagueiro para composição do elenco. Com a ação da CBF, que aumentou o número de estrangeiros por jogo de três para cinco, a diretoria coloca o foco nos países vizinhos. Em entrevista à Rádio Globo, o vice de futebol, Wallim Vasconcellos, projeta suprir as carências identificadas por Jayme de Almeida com gringos.

- Estamos trabalhando bastante o mercado sul-americano, e pretendemos preencher a cota de cinco sul-americanos. Estamos trabalhando para isso. Temos o Cáceres e o González, que têm dupla nacionalidade. Vamos buscar no mercado sul-americano as posições que a gente precisa ter mais jogadores. É um mercado muito pouco explorado, e agora, podendo escalar cinco jogadores, vamos explorá-lo.

Por conta da situação de González, que nasceu no Brasil, apesar da cidadania chilena, apenas o paraguaio Victor Cáceres conta como estrangeiro no elenco atual do Fla. Durante a temporada, o boliviano (que também tem cidadania brasileira) Marcelo Moreno defendeu o Rubro-Negro, mas foi devolvido ao Grêmio, clube detentor de seus direitos federativos.


Feliz Ano Novo


Soberano, Flamengo vence Minas na Gávea e leva o bicampeonato da LDB



A expectativa era de um jogo disputado, até por ser uma final de Liga de Desenvolvimento de Basquete (LDB). Mas não foi isso que se viu na quadra do ginásio Hélio Maurício, na Gávea. O que aconteceu foi uma garotada do Flamengo muito mais ambiciosa e com mais vontade de celebrar a virada de ano do que a do Minas. Em mais de 30 minutos de partida, os mandantes, empurrados pela sua fanática torcida, que compareceu em grande número, foram absolutos, nunca ameaçados e faturaram o bicampeonato em três edições do torneio, com a vitória por 51 a 42 (28 a 14).

A conquista do forte plantel rubro-negro veio muito pelas individualidades do rápido Gegê, passando pelas mãos calibradas de Diego e terminando com a força debaixo da tabela de Cristiano Felício, todos destaques da finalíssima. O pivô foi o cestinha da decisão com 16 pontos, além de pegar 11 rebotes, alcançando um duplo-duplo. Gegê anotou com 11 pontos e oito assistências, enquanto Diego teve os mesmos 11 pontos e quatro rebotes. Pelo lado mineiro, destaque para o ala Rafael com 13 pontos e sete rebotes.

- Vencemos porque temos o melhor grupo. São jogadores fechados, unidos, que trabalham sempre e sabem o que querem. Temos dois atletas para cada posição e mais o Gegê, que é o comandante, o capitão - analisou o técnico Paulo Chupeta, que também é coordenador da base rubro-negra e que tem 18 anos de clube.

Flamengo campeão da LDB 2013 (Foto: Divulgação/LNB) 
Presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello entrega o troféu aos campeões (Foto: Lucas Figueredo/LNB)

Para o capitão Gegê, o título coroa um ano maravilhoso para ele. Além de ser campeão da LDB, também beliscou os títulos carioca e do NBB no meio do ano, sem contar que é titular da equipe principal. Mais especial ainda é por dar a volta olímpica diante da torcida da qual é apaixonado.

- Cara, dia 30 de dezembro, véspera de ano novo, chovendo forte e esta torcida lota nosso ginásio para nos incentivar. Não tem o que falar deles, até porque eu sou um deles. Sou suspeito para falar. Quando há esta união, é difícil parar - declarou o jogador que, ao lado dos companheiros, entoou o novo cântico das arquibancadas que faz provocação ao arquirrival vasco.

Fla se impõe no início
O jogo começou com os dois times com posturas bastante diferentes. Enquanto o Flamengo brigava por todas as bolas como se fosse um animal com fome, o Minas aceitava passivamente a iniciativa rubro-negra, que vinha através de bons contra-ataques puxados por Gegê, a mão calibrada de Chupeta, além da força de Cristiano Felício, soberano no garrafão. Para completar, os mandantes contavam com o apoio de sua fanática torcida, que após a primeira cesta pelas mãos do armador, restando 6m40s para o fim, não parou mais de cantar. Dono do jogo, os cariocas foram abrindo vantagem sem serem incomodados, até fecharem o período em 18 a 9.

Gegê basquete Flamengo x Minas (Foto: Fabio Leme) 
Destaque da partida, Gegê chuta para dois pontos (Foto: Fabio Leme)

Diferentemente dos dez minutos iniciais, os mineiros mudaram de personalidade e começaram a incomodar mais o Flamengo com uma defesa forte. O êxito pode ser visto no placar dos rubro-negros inalterado até a metade do quarto, quando, de três, Diego acertou a cesta. Porém, se os cariocas não conseguiam pontuar, os mineiros também não. Cometendo muitos erros por nervosismo e afobação, os visitantes perderam quase todas as bolas de rebote e foram para o vestiário 14 pontos atrás no marcador (28 a 14). 

 A sensação de que o Minas poderia crescer na segunda etapa, após o papo no vestiário, foi descartada logo nos primeiros minutos do terceiro quarto. Abatidos, os visitantes viram o Flamengo ampliar a vantagem com Gegê, Diego e Felício, chegando a colocar 19 pontos de frente. A distância no placar permitiu ao técnico Paulo Chupeta tirar o seu armador. Foi neste período que o time mineiro cresceu, muito por causa das bolas de longa distância do ala Rafael. Entretanto, o bom momento não foi suficiente para descontrolar os rubro-negros, que logo voltaram a dar as cartas, quando Gegê retornou à quadra. 

Com 13 pontos de vantagem, o Flamengo foi para o quarto final mais para administrar o placar do que qualquer outra coisa. E soube fazer isso, razoavelmente, bem. Fortes na defesa, mas  desconcentrados no ataque, os cariocas viram o adversário diminuir, mas de maneira tímida. Uma bola de Douglas, restando 2m40s para o fim, colocou a diferença em nove pontos (este fora, apenas, o quarto ponto do Rubro-Negro até então no período). A vitória já estava assegurada. Daí para frente foi só esperar os segundos passarem para soltar o grito da garganta. E soltaram. Agora resta esperar mais um dia para o estourar da champagne rubro-negra, que será ainda mais festejada do que o convencional.

Flamengo é campeão da LDB (Foto: Fabio Leme) 
Flamengo é campeão da LDB (Foto: Fabio Leme)

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Flamengo deixa otimismo de lado quanto a Elias e se vê numa 'encruzilhada'


Flamengo e Elias já chegaram a um acordo desde o fim do Campeonato Brasileiro, e o pai do atleta, Eliseu Trindade, mostrava-se otimista quanto a um desfecho feliz há algumas semanas. O panorama, segundo o vice de futebol rubro-negro Wallim Vasconcellos, mudou radicalmente. A pedida do Sporting é considerada muita alta pelo Flamengo.

- Estamos numa encruzilhada, os valores pedidos pelo Sporting são muito acima do que tinha sido sinalizado durante a negociação quando seu Eliseu esteve em Portugal. Quando o Sporting fez sua oferta, ficaram muito acima (do que o Flamengo esperava). Efetivamente a negociação do Elias deu uma travada. O Elias deve se apresentar ao Sporting no dia 2, e espero que ele consiga convencer o dirigente a voltar ao valor inicial - disse Wallim, à Rádio Globo.

Wallim acredita que os valores oferecidos pelo Flamengo a Elias e Sporting são muito bons, porém reitera a existência de uma incompatibilidade com os portugueses.

- O atleta está acertado há mais de um mês, mas essa pedida do Sporting inviabilizou. Hoje não temos mais essa certeza, infelizmente. O Flamengo fez uma proposta excelente para ele, e acreditamos que fizemos uma proposta justa para o Sporting. Infelizmente não podemos fazer nada por enquanto.

Caso não seja flexível com o Fla, o Sporting corre o risco de Elias retomar a ação movida contra o clube, referente a vencimentos atrasados.

Flamengo e Bahia concluem negociação envolvendo Feijão e Rafinha



Feijão no Flamengo, Rafinha no Bahia. Cariocas e baianos acertaram nesta segunda-feira a troca por empréstimo para próxima temporada. As transações, por sua vez, não estão relacionadas, e a ida do atacante para o Tricolor da Boa Terra não é com opção de compra ao término do contrato. Além do volante de 19 anos, que poderá ser adquirido no fim de 2014, o Rubro-Negro receberá também dois jovens baianos para as categorias de base: o atacante Lourival e o meia Gabriel Santos. As negociações tiveram início ainda no fim do Brasileirão.

Sensação rubro-negra no início da temporada, Rafinha brilhou no Campeonato Carioca. Com muita velocidade e técnica, conquistou o torcedor após grande atuação em clássico diante do Vasco, no qual levou a melhor sobre Dedé e acabou aclamado como "melhor que Neymar". Foi dele também o gol apontado como mais bonito da competição, diante do Friburguense. Em cenário nacional, porém, o jovem não teve o mesmo destaque.

Após não conseguir se firmar na equipe com Jorginho e Mano Menezes, Rafinha pouco foi utilizado por Jayme de Almeida nas vezes em que o Flamengo utilizou força máxima e sequer ficou no banco de reservas nas duas partidas da final da Copa do Brasil, contra o Atlético-PR. Ao todo, o jogador de 20 anos entrou em campo em 44 oportunidades e marcou três gols em 2013. Há um consenso no clube de que uma temporada fora será importante para amadurecimento.

Já Feijão é cria das categorias de base do Bahia e foi integrado ao elenco profissional após a Copa São Paulo de Futebol Júnior deste ano. Aos 19 anos, o volante participou de 27 partidas na temporada, 20 como titular. O volante é o segundo reforço do Flamengo para a disputa da Libertadores do ano que vem. Everton, ex-Atlético-PR, já tinha sido confirmado e assinou contrato por quatro anos.

Já a terceira contratação também está acertada e é questão de tempo para que seja anunciada: Léo, lateral-direito do Atlético-PR. Apesar dos protestos do Furacão, Flamengo, jogador e o Vitória, detentor dos direitos econômicos, têm a transação alinhavada e a tendência é que a mesma seja confirmada na próxima quarta-feira, quando o atleta estará liberado do contrato com os paranaenses.


Em 'dia lindo', Samir e Rodolfo treinam forte para chegarem bem em 2014


O zagueiro Samir, mesmo de férias, trabalha forte para se reapresentar ao Flamengo, no próximo dia 8, em condições físicas ideais. Acompanhado do meia Rodolfo, ele trabalha sob orientação de um dos profissionais de preparação física do Rubro-Negro.

Em foto postada no Instagram, ele agradeceu ao profissional por lhe auxiliar nos treinos físicos e comemorou a companhia de Rodolfo.

- Um dia lindo desse no Rio, e eu me cuidando para conquistar algo a mais na minha vida. Primeiro vem trabalho, dedicação e empenho, para mais tarde colhermos os frutos! - disse o jogador

Samir treino (Foto: Divulgação) 
Samir treina intensamente para chegar bem em 2014 (Foto: Divulgação)


Em Petrolina, Nixon aproveita férias para pensar na temporada 2014


Aproveitando as férias na região do Vale do São Francisco, após o fim da temporada 2013, o atacante Nixon do Flamengo esteve em Petrolina-PE, para o lançamento do livro "Mengo Meu Dengo - Paixão Sem Fronteiras" , do escritor Luiz Hélio Alves, que relata a relação do time Rubro-Negro carioca e sua torcida. Na ocasião, o jogador de 21 anos conversou com o GloboEsporte.com e falou sobre o futuro no clube e os planos para sua carreira.

- Ainda tenho mais um ano de contrato com o Flamengo, meu contrato vai até o final de 2014.Todo jogador tem o sonho de jogar em grandes equipes e eu comecei em uma equipe do tamanho da grandeza que é o Flamengo. Não tenho palavras. Mas tenho o sonho de jogar na Europa, jogar na Seleção Brasileira, mas como costumo dizer, tudo é da forma que Deus quer. Ele sabe todas as coisas e ele nos guia na forma que as coisas vão acontecer - afirma Nixon.

Durante a entrevista, o jovem atacante também lembrou da sua estreia como profissional e a emoção ao marcar o primeiro dos cinco gols que tem com a camisa rubro-negra. Nixon deve se reapresentar juntamente com os demais jogadores no dia 8 de janeiro, no Ninho do Urubu. Mas, enquanto a data não chega, o garoto procura descansar e curtir as férias ao lado da família e amigos.

Confira a integra da entrevista com Nixon:

GloboEsporte.com: Você chegou ao time profissional em 2012. Como foi a primeira experiência?
Nixon: Fiz sete jogos no meu primeiro ano como profissional. A minha estreia foi contra a Ponte Preta, em um jogo que acabamos até perdendo, mas, acontece. Não era da melhor forma que eu imaginava. A gente sempre imagina estrear com vitória e tudo mais, só que as coisas acontece no tempo certo. Fui amadurecendo durante os jogos, treinamentos, por conta de ser algo novo, por estar na base, claro que sempre almejando chegar no profissional.

Seu primeiro gol no profissional foi justamente em um clássico contra o Botafogo. O que passou por sua cabeça naquele momento?
Tive a oportunidade de começar o jogo como titular contra o Botafogo, na última rodada do brasileirão de 2012 (terminou 2 a 2 no Engenhão) e acabei fazendo o meu primeiro gol como profissional. Foi uma felicidade enorme. Você podia imaginar seu primeiro gol de qualquer forma e neste dia acabei acertando ali, uns dizem que foi de bicicleta, outros dizem que foi de meia bicicleta, já outros que foi de 'puxeta' (risos), mas foi um belo gol, fiquei muito feliz.  E em pensamento, assim, foi como eu falei na entrevista no dia do jogo, me faltavam palavras, porque a alegria é imensa e não tem como expressar naquele momento do meu primeiro gol.

Você é filho do ex-atacante Nixon, que chegou a jogar em times como Bahia e Portuguesa, e viveu bem o mundo do futebol. Como é esta relação entre vocês?
Como centroavante que foi, ele conhece bem ali o que se deve fazer, a forma de jogar. Então sempre houve aquela cobrança, aqueles ensinamentos em casa. Ele me dá conselho desde pequeno, quando começou a me levar para os campos e ver que eu tinha potencial para jogar futebol e faz até hoje. Isso não vai deixar de acontecer até o dia que eu não jogue mais. Mas enquanto isso sempre tive o apoio dele, ele sempre me acompanhou, deu os toques do que fazer ou não. É um cara muito especial, não só por ser meu pai, mas também por ter sido atleta. Infelizmente não pode prolongar sua carreira por problemas físicos, mas ele está muito feliz com tudo que está acontecendo comigo.

Você foi promovido ao time de cima faz pouco tempo e agora convive com jogadores já experientes, rodados. Como é a sua relação com estes jogadores?
Muito boa, eles me tratam muito bem. O grupo do Flamengo é muito unido. A gente viu mesmo esta união e ainda mais com o título da copa do Brasil. Cada um deles um dia passou por aquilo que hoje estou passando e muitos outros jovens. Então o que eles ganharam como experiência eles procuram passar pra gente dentro e fora de campo. Cada um respeitando o outro, cada um tem o seu potencial e assim vai qualificando a equipe, sempre um respeitando o outro, e é muito importante ter este apoio dos mais experientes para que a gente possa trilhar um caminho legal, uma carreira bem interessante em relação a tudo, tanto dentro como fora de campo.

Quais os planos para sua carreira, o que você almeja?
Hoje ainda tenho mais um ano de contrato com o Flamengo, até o final de 2014.Todo jogador tem o sonho de jogar em grandes equipes e eu comecei em uma equipe que não tenho nem como imaginar o tamanho da grandeza do que é o Flamengo. Não tenho palavras. Mas tenho o sonho de jogar na Europa, de jogar na Seleção Brasileira, mas como costumo dizer, tudo é da forma que Deus quer, ele sabe todas as coisas, e ele nos guia na forma que as coisas vão acontecer.

E a Libertadores, espera ter a chance de disputar?
Todos temos né? (Risos). Foi muito importante com apenas um ano como profissional ser campeão da Copa do Brasil e agora a oportunidade de poder jogar a Libertadores. Então vamos buscar trabalhar e procurar estar focado, para podermos disputar com bastante intensidade este campeonato que está por vir. Não é fácil, mas sabemos que focados, com humildade, sempre procurando fazer o nosso melhor, nós podemos conquistar esse título. 

Em alguns jogos você usou a camisa 10 do Flamengo, camisa que foi usada pelo grande ídolo do clube que foi o Zico. Como foi a sensação de vesti-la pela primeira vez?
Uma grande responsabilidade. Se você for imaginar quantas pessoas, quantos jogadores importantes, craques que estão na memória do clube até hoje, que vestiram esta camisa como Zico, Ronaldinho e muitos outros. É muita responsabilidade. Mas quanto a jogar com ela, não procurei jogar peso sobre mim, até mesmo para não ter aquela pressão de ter que fazer isso, fazer aquilo. Com naturalidade as coisas acontecem, procurei mostrar nosso valor, nosso trabalho, futebol, mas é algo que está marcado na minha vida. É tanto que tenho uma delas guardadinha no meu armário (risos). 


Joias 2014: Caio Rangel, inspirado em CR7, é a bola da vez na fila do Fla




A história é repetida no Flamengo. Com um lema que prega a formação de craques nas categorias de base, o clube sempre tem uma nova aposta para encher de esperança o torcedor. Nos últimos anos, porém, a expectativa não foi suprida. Desde Renato Augusto, em 2006, nenhuma prata da casa rubro-negra teve participação de protagonismo entre os profissionais - Luiz Antonio foi quem mais se aproximou disso. Não foram poucas as tentativas, Adryan e Rafinha são as decepções mais recentes. Mas no Flamengo sempre tem alguém na fila. E o nome da vez na Gávea é o de Caio Rangel.

Presença constante nas seleções de base, o atacante de 17 anos disputou o último mundial da categoria e foi titular na equipe comandada por Alexandre Gallo. Veloz e habilidoso, chama a atenção pela facilidade na finalização e é o grande nome do Flamengo que disputará a partir de janeiro a Copa São Paulo de futebol júnior. O time profissional ainda é um sonho, mas Caio sabe que o objetivo está logo ali, pertinho, e não faz questão de apressar as coisas.

- Subi agora para os juniores, mas já penso no profissional. Desde o juvenil, venho fazendo bons campeonatos, e a expectativa é boa. Confio em Deus que meu sonho vai ser realizar e não vou desistir. Falta só um passo. Não posso apressar as coisas. Se apressar, nada dá certo. Tenho que ter calma e sabedoria nesta fase. Até 2015, acredito que vou estrear no profissional. Tenho que ter calma. Não posso acelerar.

Desenvolto, Caio Rangel lida com a expectativa em torno de seu nome com a mesma naturalidade com que encara os zagueiros adversários. Ciente de que o Flamengo carece de grandes revelações, já se prepara para encarar a pressão que o aguarda.

- Tenho uma família muito bem estruturada e que mantém os meus pés no chão. Desde pequeno, soube lidar com pressão. Cheguei ao Flamengo no pré-mirim, com 11 anos, e sou um moleque tranquilo. Nunca fui nervoso, mesmo nas decisões, em finais, semifinais. Por isso, decidi na maioria das vezes. A pressão quando subir existe, é natural, mas não vou sentir tanto por estar há muito tempo no Flamengo.

Se o profissional é o sonho, os juniores são a realidade. E Caio Rangel sabe que, no último degrau antes do time de cima, a visibilidade e as cobranças já serão maiores.

- Às vezes, fico na cama pensando como vai ser na hora que chegar ao profissional, que tudo vai ser diferente, difícil, mas mantenho a calma. Agora, nos juniores, a cobrança será diferente. Lido bem com isso. É até bom para valorizar a nossa profissão e não ver outra coisa que não seja futebol. É muito gostoso ser jogador, mas tem que ter compromisso.

Caio Rangel se define como um jogador agudo, que gosta de se movimentar e chegar com potência na área. Características comuns àquele que é seu maior ídolo: Cristiano Ronaldo.

- Sou ousado. Gosto de ir para cima dos marcadores, dou passe, finalizo bem. Os técnicos na maioria dizem isso. Jogo mais de meia e chego no ataque com qualidade. Dentro do Flamengo, me inspiro no Elias. É uma posição diferente da minha, mas vejo a entrega dele ao clube, ao time, tem muita raça. No futebol em geral, me inspiro no Cristiano Ronaldo, sem dúvida. É o melhor do mundo. Não joga como fixo na área, mas chega para finalizar com muita qualidade.

Por fim, Caio Rangel, que tem contrato até janeiro de 2015, sabe que a Copa São Paulo que vem pela frente será o primeiro cartão de visitas dele para muitos torcedores do Flamengo. Apesar do histórico na seleção, será a primeira grande disputa com transmissão pela TV com a camisa rubro-negra, e o atacante promete não decepcionar.

- Tenho noção da importância desta competição. Muitos rubro-negros estarão na frente na TV. A nação é grande. Os treinadores também vão acompanhar, o Jayme, e vão ver o que posso render e melhorar. Vai ser bom para crescer. A expectativa é muito boa.

O Flamengo está no Grupo I da Copa São Paulo, ao lado de Santo André (SP), Aquidauanense (MS) e Noroeste (SP). A estreia é contra o Ramalhão, dia 3 de janeiro, em Bauru.


Sem conseguir entrar no Maracanã, sueco desabafa: 'Imagina na Copa'

No último sábado, o Maracanã recebeu o último grande evento de 2013: o Jogo das Estrelas, que levou mais de 50 mil torcedores ao estádio que vai receber a final da Copa do Mundo de 2014. Nos últimos dois anos, por causa da reforma, o jogo beneficente organizado por Zico aconteceu no Morumbi. E, no retorno ao Rio de Janeiro, torcedores voltaram a enfrentar dificuldades para entrar nas arquibancadas. Longas filas para troca de ingressos comprados previamente pela internet impediram alguns torcedores de assistir ao jogo e causaram decepção. Não somente nos brasileiros, mas até em estrangeiros.

- Muito frustrante. O jogo está quase acabando. Imagina na Copa - concluiu o turista sueco Urs Brun, diante da demora para entrar no estádio.

Jogo das Estrelas - maracanã fila  (Foto: Dyocil Menezes/Arquivo pessoal) Muitos torcedores que chegaram às 14h, quatro horas antes do pontapé inicial, não conseguiram entrar no estádio até 19h15.

- Comprei o ingresso pela internet e estou desde às 3h da tarde tentando entrar no Maracanã. E sem possibilidade nenhuma - disse um torcedor, que não se identificou.

Foram vendidos mais de 17 mil ingressos pela internet. A organização da partida beneficente divulgou que o Consórcio Maracanã S/A foi contratado para fazer a venda e entrega dos bilhetes, que poderiam ser trocados até três dias antes da partida. Sinval Andrade, vice-presidente de operações do consórcio que administra o estádio, considerou o evento um "aprendizado".

- Nós tivemos um aprendizado em relação a um evento que nem é um show, festa, nem é um jogo de futebol propriamente dito. É um misto dos dois. Foi o primeiro evento que nós fizemos dessa característica, que trouxe um público diferente do que normalmente vem ao estádio ver um jogo de futebol oficial. E foi um aprendizado realmente nesse sentido.



Ficou para 2014 a discussão sobre perda de pontos para clubes caloteiros

Estava tudo bem encaminhado entre clubes, CBF e governo federal para que a ideia finalmente saísse do papel: em troca do alongamento e de facilidades para o pagamento de suas dívidas, os clubes aceitariam ser punidos esportivamente. Na prática, times que atrasassem salários ou sonegassem impostos seriam punidos com perda de pontos nas competições organizadas pela CBF. Os principais financiadores do futebol brasileiro também já haviam concordado em reter na fonte as parcelas que seriam destinadas ao pagamento dessas dívidas. Ficou para 2014.

- Se depender de mim, sai ainda neste ano - disse ao blog o ministro do Esporte Aldo Rebelo, durante o Sorteio Final da Copa, no início de dezembro, na Bahia.

A existência de outro projeto sobre o mesmo tema (o Proforte, do deputado federal Vicente Cândido, do PT-SP) e o fato de o Campeonato Brasileiro ter sido decidido no STJD adiaram as decisões. Entre quem participa da discussão, é quase consenso que o tapetão prejudicou a implantação da ideia - como propor que um time seja punido com perda de pontos logo depois do que aconteceu por Portuguesa, Flamengo e Fluminense após o fim do Brasileirão?

Ainda assim, há quem esteja otimista.

- Acredito que no Campeonato Brasileiro de 2014 a ideia pode vingar - diz o ex-presidente do Vitória, Alexi Portella, um dos integrantes da comissão de clubes que elaborou a proposta.

Depois de Adryan, volante Luiz Antônio é outro na mira do Cagliari


Luiz Antônio Flamengo Olhando pra bola (Foto: Getty Images)Além de Adryan, o Cagliari está de olho em outro jogador revelado nas categorias de base do Flamengo. Trata-se do volante Luiz Antônio, que recentemente entrou na Justiça contra o Rubro-Negro requerendo vencimentos supostamente atrasados e a quebra do contrato que vai até 2016. Segundo o jornal Corriere Dello Sport, o presidente do clube italiano, Massimo Cellino, está de olho no brasileiro de 22 anos para substituir o meia belga Radja Nainggolan, que deve ser negociado em breve.

Ainda de acordo com a publicação, Cellino vai passar o fim de ano nos Estados Unidos e volta para a Itália no início de janeiro para finalizar as negociações.

A contratação de Adryan por empréstimo de um ano e meio é dada como certa. Com contrato com o Rubro-Negro até março de 2016, o apoiador terá o vínculo ampliado em mais um ano e meio. O empresário Reinaldo Pitta, aliás, aguarda apenas um e-mail da diretoria do Flamengo para concretizar o acordo pela transferência de Adryan.

Depois de entrar na Justiça contra o Fla, Luiz Antônio não deu declarações sobre seu futuro. O volante chegou até mesmo a faltar a uma pelada de fim de ano que levava seu próprio nome. No último dia 21, ele marcou presença na partida organizada por Welington Nem, ex-Flu, e Alex Teixeira, ex-vasco, ambos jogadores do Shaktar Donetsk, da Ucrânia. Mas deixou o local ao perceber a presença de jornalistas. 

A ação na 16ª vara do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) será julgada no dia 15 de janeiro, uma semana após o início das atividades do clube carioca. Independente do resultado do julgamento, a permanência do jogador é vista como difícil.



Sporting inclui pendência com Elias em pedida ao Flamengo



O aumento do valor de parte dos direitos econômicos de Elias determinado pelo Sporting (POR) nas últimas semanas envolve a pendência que os portugueses têm com o jogador e, agora, teria de ser arcada pelo Flamengo. Dessa maneira, os 50% dos direitos econômicos pertencentes aos Leões passaram de quatro milhões de euros (R$ 12,8 milhões) para cinco milhões de euros (R$ 16 milhões).

Por enquanto, o staff do volante não tomará medida alguma judicial, que seria reabrir o processo na Fifa em decorrência da dívida de um milhão de euros (R$ 3,2 milhões). O agente e pai do jogador, Eliseu Trindade, aguarda por uma posição do Sporting até a primeira quinzena de janeiro, conforme passado pelos próprios dirigentes nas reuniões com o empresário em Portugal. O prazo foi reiterado em e-mail enviado a Eliseu nos últimos dias.

Em função disso, portanto, não está confirmado se Elias se apresentará ao Sporting, no dia 2 de janeiro. A partir do dia primeiro, ele volta ter vínculo com os portugueses em razão de o contrato de empréstimo com o Fla se encerrar no dia 31.

O Rubro-Negro, então, aguardará a possibilidade de o Sporting conseguir um acordo com Elias em relação ao débito. O clube está irredutível e não aceita pagar mais do que os R$ 12,8 milhões para adquirir 50% dos direitos econômicos do volante.

Inicialmente, a estratégia do Flamengo para liquidar o compromisso era absorver a dívida do Sporting com Elias, desde que esse valor fosse abatido do preço da venda. A outra metade dos direitos econômicos do jogador pertence ao empresário português, Jorge Mendes.

O Flamengo já formatou a proposta do novo contrato de Elias e, caso o jogador permaneça, ele assinará um vínculo por quatro temporadas a partir de 2014.

Everton chega ao Fla para deixar time mais equilibrado no ataque


Nova contratação do Flamengo para a Libertadores, o meia Everton deve receber na nova casa uma missão de muita responsabilidade: deixar o ataque rubro-negro mais equilibrado.

Quando analisados os gols do Flamengo conquistados a partir de assistências, fica claro o que levou a comissão técnica e a diretoria a apostarem no já conhecido meia, campeão brasileiro pelo clube em 2009. De 34 gols no Brasileirão-2013, 11 foram marcados a partir de passes feitos na direita da grande área. Do lado esquerdo, foram apenas três. Everton chega para deixar o Fla menos previsível.

Info Finalizações assistências Everton x Flamengo (Foto: Editoria de Arte) 
Imagem mostra números de Everton e Flamengo
 
No Brasileirão recém-encerrado, quando o Atlético-PR atacou pela esquerda, os companheiros orbitaram ao seu redor em busca do gol. Everton foi solidário com 15 diferentes companheiros ao longo da competição, sendo que quem mais bem se aproveitou de seus passes foi Dellatorre, que recebeu dele duas bolas e colocou ambas nas redes. Um desses gols foi marcado sobre o próprio Flamengo, empatando a partida por 2 a 2, no Maracanã. Everton já havia iniciado a jogada do primeiro gol, dando o passe para Marcelo fazer a assistência para Fran Mérida. O Atlético-PR venceu de virada por 4 a 2, e o técnico Mano Menezes pediu demissão no vestiário. A importância de Everton na partida parece ter chamado a atenção.

Artilheiro do Brasileirão, o atacante Éderson fez quatro finalizações com passes de Everton, mas não marcou em qualquer uma delas. Outro que teve quatro chances foi Roger.

Titular em 33 dos 38 jogos do Furacão, o meia esbanjou vitalidade e foi substituído em apenas oito deles, em média aos 36 minutos do segundo tempo. Teve participação direta em 99 conclusões, sendo 38 passes que resultaram em quatro gols e 61 finalizações que valeram mais três gols. Foram marcados nove impedimentos dele, sendo dois mal marcados.

domingo, 29 de dezembro de 2013

Mesmo pendurados, Douglas e Felício brilham e levam Flamengo à final da LDB

Não interessa a idade nem a categoria: quando Flamengo e Brasília se enfrentam dentro de uma quadra de basquete, a rivalidade fala mais alto e o jogo ferve. Neste domingo, pelas semifinais da Liga de Desenvolvimento de Basquete (LDB), não foi diferente. Num clássico catimbado e disputado lance a lance do início ao fim, o time rubro-negro derrotou a equipe do Distrito Federal por 61 a 52 (26 a 20) e se classificou para a final da competição, nesta segunda-feira, às 21h, no ginásio Hélio Maurício, na Gávea (RJ).

Basquete - Flamengo x Brasilia (Foto: Marcello Pires) 
Douglas foi um dos grandes nomes do Flamengo em quadra (Foto: Marcello Pires)

Responsáveis por 30 dos 61 pontos do time carioca na partida, Cristiano Felício, cestinha do confronto ao lado de Maxwell, do Brasília, com 18 pontos, e Douglas, que anotou outros 12, foram os maiores pontuadores dos donos da casa. Gegê, com nove pontos e sete assistências, e Chupeta, que anotou sete pontos e 11 rebotes, também tiveram papéis importantes na vitória rubro-negra.

- Nosso ponto forte hoje foi a rotação dos reservas. O Yago entrou bem e suportou o jogo ofensivo do Ronald quando o Felício e o Douglas estavam perdurados com quatro faltas. Tive que colocar ainda o Chupeta de 4 e as mudanças táticas acabaram dando certo. Mas quando estiveram em quadra, mais uma vez o Felício e o Douglas foram nossas referências. São duas realidades que já jogam no time principal do Flamengo e, na minha opinião, são os dois melhores pivôs da competição – afirmou o técnico Paulo Chupeta.

Do lado dos visitantes, além de Maxwell, o pivô Ronald, dono de um duplo-duplo de 12 pontos e 15 rebotes, e Bruno, que contribuiu com nove pontos, também se destacaram pela equipe do Distrito Federal.

Na outra semifinal, o Minas Tênis, dono da segunda melhor campanha na fase de classificação, confirmou seu favoritismo e derrotou o Pinheiros, de virada, por 58 a 51 (18 a 26). Rafael, com 15 pontos e oito rebotes, Danilo, que anotou 12 pontos, e Leonardo, que contribuiu com outros 11, foram os destaques da vitória mineira. Com Bruno Caboclo e Lucas Dias apagados, Rodrigo Alves foi o maior pontuador do time paulista com 14 pontos.

Basquete - Flamengo x Brasilia (Foto: Marcello Pires) 
Partida foi catimbada e repleta de rivalidade, assim como nos duelos na categoria adulta (Foto: Marcello Pires)

O JOGO

Únicos times campeões do NBB, Flamengo e Brasília também queriam fazer história na LDB. O time do Distrito Federal entrou mais ligado na semifinal e rapidamente abriu 4 a 0. Mas o Flamengo tinha Douglas e Cristiano Felício. Com um jogo físico muito forte, os pivôs rubro-negros anotaram todos os 14 pontos da vitória dos donos da casa no primeiro período por 14 a 10. De quebra, os “gigantes” rubro-negros pegaram oito dos 12 rebotes anotados pelo time carioca.

O Flamengo voltou ainda melhor no segundo período. Com uma corrida de 8 a 0, os donos da casa abriram 22 a 10 e obrigaram o técnico Ronaldo Pacheco a parar o jogo. O pedido de tempo surtiu efeito, principalmente depois que Cristiano Felício cometeu sua segunda falta e foi para o banco. Sem sua referência dentro do garrafão, o Flamengo perdeu sua força nos rebotes e permitiu que Brasília diminuísse a diferença para apenas cinco pontos (22 a 17).

Foi a vez de Paulo Chupeta pedir tempo. A parada do treinador rubro-negro também funcionou, e sua equipe retomou o domínio do jogo. Num piscar de olhos, a diferença voltou a subir, desta vez para oitos pontos.

Chupeta só não esperava que Douglas também ficasse carregado após cometer sua terceira falta. Com seus dois pivôs, responsáveis por 20 dos 26 pontos do Flamengo, pendurados, a vitória parcial por seis pontos no primeiro tempo acabou sendo de bom tamanho.

Basquete - Flamengo x Brasilia (Foto: Marcello Pires) 
Brasília já perdia para o Flamengo terminados os dois primeiros quartos de jogo (Foto: Marcello Pires)

Na volta do intervalo, mesmo sem Douglas, o Flamengo abriu oito pontos logo no primeiro ataque e deu a impressão de que deslancharia no marcador. Mas foi só impressão. Os donos da casa passaram a cometer um erro atrás do outro, permitiram que Brasília fizesse uma corrida de 9 a 0 e virasse o placar para 29 a 20 a seis minutos do fim do terceiro período.

Mas o Flamengo tinha a dupla do time principal Felício e Gegê. Depois que Felício recolocou o time carioca em vantagem com uma jogada típica de pivô, o armador rubro-negro acertou seu primeiro arremesso de três na partida, e os donos da casa abriram quatro pontos de frente.

Brasília não se entregava e chegou ao empate por 39 a 39 a menos de um minuto do fim, mas outra bola de três de Gegê devolveu a liderança ao time carioca. Ronald ainda teve tempo de descontar para os visitantes com dois lances livres convertidos, mas Cristiano Felício em uma jogada de cesta e falta deu números finais ao terceiro período (45 a 41).

O Flamengo voltou para o último período com os pivôs Douglas e Felício no banco de reservas pendurados com quatro faltas. A sorte do técnico Paulo Chupeta é que Gegê tinha acordado de vez na partida, e foram dele os dois primeiros pontos do time rubro-negro no último período.

Mesmo com o garrafão dos donos da casa enfraquecido, Brasília não tirava proveito no jogo interno e viu a diferença aumentar para oito pontos a sete minutos do fim. Foi a senha para Chupeta voltar à quadra seus homens de referência. Primeiro Douglas, e no minuto seguinte Felício. Mas após dois escorregões de jogadores do Brasília, o drama do dia anterior se repetiu e a arbitragem decidiu interromper a partida. Desta vez, porém, a paralisação durou pouco mais de dez minutos.

Quando o jogo recomeçou, Pantoja anotou seus dois primeiros pontos e diminuiu o prejuízo para apenas quatro pontos. Mas a alegria de Brasília durou pouco. Cristiano Felício acertou uma improvável bola de três e freou a reação dos visitantes a pouco menos de dois minutos para o fim. Com a vaga na final nas mãos, o Flamengo passou a gastar os 24 segundos de posse de bola e só esperou o tempo passar para comemorar sua classificação.

Felipe confia em um Flamengo mais forte na disputa da Libertadores




Felipe - Flamengo x Atlético-PR (Foto: Cleber Mendes/ LANCE!Press)Dono da camisa 1 do Flamengo, o goleiro Felipe valorizou a forma que a equipe conquistou a Copa do Brasil. Sabendo da dificuldade da disputa da Libertadores, o goleiro garante que a diretoria está trabalhando intensamente para reforçar ainda mais o elenco. De acordo com o arqueiro, essa foi uma das edições mais complicadas.

– Conquistamos a Copa do Brasil mais difícil dos últimos anos, na qual as equipes da Libertadores voltaram. Conseguimos eliminar quatro dos seis primeiros colocados, mas nós sabemos que a Libertadores é diferente, e a diretoria também, por isso está se mexendo e até a libertadores o time estará mais forte – ressaltou Felipe, que ainda apoiou a contratação do meia Everton:

– Grande jogador, quase nos complicou na Copa do Brasil, então esperamos que ele possa fazer tudo isso que ele fez pelo Atlético-PR.

Nesta temporada de 2013, Felipe disputou 53 jogos e sofreu 47 gols. Nos três anos que tem pelo clube, o goleiro atuou em 159 jogos, com 158 tentos sofridos, e uma média geral de 0,99 gols por jogo.


Sem Luiz Antonio, Muralha organiza pelada e conta horas para o Carioca

Enquanto um está louco para ir embora, o outro conta as horas para voltar. Luiz Antonio e Muralha são contemporâneos nas categorias de base do Flamengo. Jogaram juntos, subiram juntos para o profissional e disputavam a mesma posição em 2012, com Vanderlei Luxemburgo. Pouco mais de um ano depois, a situação é bem diferente e até mesmo contrastante. O que terminou 2013 como titular, briga para ir embora. Já Muralha, que passou a temporada na Portuguesa, está de volta e promete não medir esforços por uma oportunidade.

Muralha em pelada no Rio de Janeiro (Foto: Cahê Mota) 
Muralha em pelada realizada na Vila Olímpica do Salgueiro. Luiz Antonio foi a ausência  (Foto: Cahê Mota)

Neste domingo, o volante que voltou da Lusa organizou uma confraternização com direito a pelada na Vila Olímpica do Salgueiro. Luiz Antonio era esperado, mas não compareceu. Alheio aos problemas do amigo, que acionou o Fla na Justiça pelo fim do contrato que vai até 2016, Muralha traça metas para 2014. A primeira delas é se destacar no time misto que defenderá o Rubro-Negro no Carioca.

 - Voltei para casa. Agora, é aproveitar essa oportunidade que o professor Jayme está me dando. Vou trabalhar forte para ir bem no Carioca e conseguir uma vaguinha no time principal. Não tive contato direto com o Jayme, mas ele falou para meu empresário que ia me utilizar porque o Flamengo vai disputar bastante campeonatos e vai precisar de elenco.

Questionado sobre a atitude de Luiz Antonio, Muralha se esquivou de polêmica e disse que o amigo sequer tocou no tema em conversas recentes.

- É muito difícil falar. Só quem está no momento que consegue explicar. Vai da cabeça de cada um. Ele está fazendo o que acha que é melhor. Jogamos juntos muito e tempo e torço por ele. Não me foi passado nada, também não perguntei, mas espero que tudo dê certo.

Por fim, o volante evitou declarações mais fortes também sobre a queda da Portuguesa para Série B após perder quatro pontos pela escalação irregular de Heverton na última rodada do Brasileirão, contra o Grêmio. Muralha, no entanto, não se mostrou contrário e admitiu o equívoco da Lusa.

- É complicado. É uma situação muito delicada. A Portuguesa conquistou a continuidade na Primeira Divisão, mas ela mesmo fez com que isso acabasse. Foi erro da direção e que não chegou até a gente. O jogador foi utilizado irregular e isso atrapalhou. Torço para que a Portuguesa volte para Série A.

Muralha se reapresentará com o restante do elenco do Flamengo para próxima temporada, no dia 8 de janeiro, no Ninho do Urubu.

Léo Moura aprova chegada de xará para lateral: ‘É ousado, e tem que ser’


montagem Léo Atlético-PR Léo Moura Flamengo (Foto: Editoria de Arte)De Léo para Léo. Dono da lateral direita do Flamengo há quase uma década, Léo Moura aprova a chegada do xará para posição na próxima temporada. A negociação para contar com o lateral do Atlético-PR já colocou o time carioca em rota de colisão com o Furacão, mas a confiança é grande para que o reforço seja anunciado após a virada do ano. Se assim for feito, o capitão rubro-negro já deu o aval para aquele com quem vai revezar nas disputas do Carioca, Libertadores, Copa do Brasil e Brasileirão.

Aos 35 anos, Léo Moura conviveu com uma programação específica de treinamentos em 2013. Em especial na reta final, quando, inclusive, viu seu futebol crescer, o camisa 2 do Flamengo praticamente não participava das atividades com bola no Ninho do Urubu para ter fôlego nos jogos. O jovem Digão, reserva para posição, não tinha a confiança da comissão técnica, e a contratação de um substituto era vista como emergencial pela diretoria. 

- É bom demais. Sempre queremos ter jogadores de qualidade no Flamengo. Ele fez sucesso e merece estar aqui. Vamos recebê-lo de braços aberto e deixá-lo à vontade. Não tenho jogado todos os jogos e é preciso ter um substituto à altura para dar conta do recado - disse Léo Moura.

Com os direitos econômicos pertencentes ao Vitória, Léo foi um dos destaques do Atlético-PR vice-campeão da Copa do Brasil e terceiro colocado no Brasileirão. Para mantê-lo, o Furacão deveria exercer o direito de compra até a última quinta-feira, e assim o fez. Uma cláusula, porém, dizia que era necessário cobrir propostas superiores, como a do Flamengo, que também já acertou com o jogador. Apesar do imbróglio, a confiança dos cariocas em fazer valer o pré-contrato de quatro anos é grande.

À espera do provável futuro companheiro, Léo Moura o elogia e aponta um estilo de jogo parecido com o seu.

 - É um jogador que tem as características que tenho, vai para dentro, vai para cima. É ousado e tem que ser assim. Lateral hoje em dia tem que ser ousado.

O contrato de Léo com o Atlético-PR se encerra na próxima terça-feira. A expectativa é de que o jogador seja confirmado pelo Flamengo logo no início de 2014 e já se apresente com os novos companheiros no dia 8 de janeiro, no Ninho do Urubu.


Conmebol divulga lista de estádios liberados para a final da Libertadores

A Conmebol emitiu comunicado com a lista de estádio previamente aprovados para receber uma eventual final da Taça Libertadores de 2014. Assim como aconteceu nos últimos anos, o limite mínimo de capacidade foi estabelecido em 40 mil lugares. Como consequência, 16 dos 38 times classificados para disputar o torneio não tiveram seus estádios liberados para receber a final, incluindo as três equipes mexicanas, que precisam de uma autorização especial da entidade para liberar seus estádios caso cheguem à decisão. O limite para a primeira fase e a fase de grupos a capacidade mínima é de dez mil espectadores, e das oitavas de final até as semifinais é de 20 mil espectadores.

Ao todo são 17 locais liberados, e entre os brasileiros estão a Arena do Grêmio, o Maracanã (Botafogo e Flamengo) e o Mineirão (Atlético-MG e Cruzeiro). O Independência, usado pelo Atlético-MG, a Arena da Baixada, casa do do Atlético-PR que está em obras, e o Durival Britto, onde o Furacão vem mandando seus jogos, não estão liberados. Na última edição, o Galo foi proibido de jogar a decisão no Horto e precisou fazer a última partida em casa, contra o Olimpia, no Mineirão.

Há, no entanto, espaço para que novos palcos possam ser incluídos. No mesmo documento, a Conmebol ressalta que "os estádios que não figuram na tabela anterior (com os 17 estádios) mas que tenham sido sedes de jogos de Eliminatórias da Copa do Mundo da Fifa, Campeonatos Mundiais e Campeonatos Continentais (Copa América) poderão ser utilizados nas Finais da Copa Bridgestone Libertadores, com prévia autorização do Comitê Executivo da Conmebol".  

Confira a lista de estádios liberados:

Argentina
Estádio José Amalfitani (Buenos Aires)
Estádio Marcelo Bielsa (Rosario)
Estádio Pedro Bidegain (Buenos Aires)

Bolívia
Estádio Hernando Siles (La Paz)

Brasil
Arena do Grêmio (Porto Alegre)
Mineirão (Belo Horizonte)
Maracanã (Rio de Janeiro)

Chile
Estádio Nacional Julio Martínez Pradanos (Santiago)

Colômbia
Estádio Atanasio Girardot (Medellín)
Estádio Pascual Guerrero (Cáli)
Estádio Nemesio Camacho 'El Campín' (Bogotá)

Equador
Estádio Liga Deportiva Universitaria 'LDU' (Quito)
Estádio Monumental Isidro Carbo (Guayaquil)

Paraguai
Estádio Defensores del Chacho (Assunção)

Peru
Estádio Universitario de Deportes 'Monumental' (Lima)

Uruguai
Estádio Centenário (Montevidéu)

Venezuela
Está Olímpico Joe Antonio Anzoategui (Puerto La Cruz)



Jayme aprova chegada de Everton: 'Fez um campeonato fantástico'


O Flamengo fechou a contratação do meia Everton, um dos destaques da temporada do Atlético-PR, 3º colocado no Campeonato Brasileiro e vice-campeão da Copa do Brasil. Jayme de Almeida, técnico do clube carioca, aprovou o reforço.

- O Everton foi um atleta que observamos no Brasileiro, fez um campeonato fantástico, é um reforço com certeza para a gente. E a gente espera conseguir mais alguns nomes e fazer um 2014 bem forte e que o Flamengo possa disputar as competições com dignidade – falou Jayme, que participou do Jogo das Estrelas, atuando ao lado de Zico.


Everton jogo Atletico-PR (Foto: Vipcomm) 
Everton foi um dos destaques do Atlético-PR no Brasileirão e na Copa do Brasil (Foto: Vipcomm)
 
Everton volta ao Flamengo quatro anos após ter saído do time. Campeão brasileiro em 2009, o meia teve 80% dos direitos econômicos vendidos ao Tigres, do México no início de 2010 por cerca de R$ 10 milhões. O vínculo com os mexicanos ia até a metade de 2015 e uma transação estava avaliada em torno de R$ 4,8 milhões.
 
Desde que deixou o Flamengo, o atleta defendeu ainda o Botafogo e o Samsung Bluewings, da Coreia do Sul, antes de chegar ao Furacão. Em Curitiba, reencontrou o bom futebol do início da carreira no Paraná Clube. Mas segundo Jayme, a torcida pode esperar mais novidades em breve.

- A diretoria está trabalhando e, se Deus quiser, vem mais coisa aí – finalizou o treinador rubro-negro.

Em 2014, o Flamengo, além do Estadual, da Copa do Brasil e do Brasileiro, vai disputar a Taça Libertadores.