Tu és... Time de tradição... Raça, amor e paixão... Oh meu Mengo!!! Eu... Sempre te amarei... Onde estiver estarei... Oh meu Mengo!!!

sábado, 27 de julho de 2013

Flamengo x Botafogo tem 36 mil ingressos vendidos





HOME Fila de ingressos no Maracanãzinho (Foto: Igor Siqueira)A venda antecipada de ingressos para o clássico entre Flamengo e Botafogo terminou o sábado com a parcial de 36 mil bilhetes vendidos. O número é superior à metade da carga de 64.179 disponibilizada ao torcedor. A expectativa é de que mais de 50 mil pessoas compareçam ao jogo.

Em relação aos números de quinta e sexta-feira, a venda durante o sábado pode ser considerada fraca. Até o fim da noite da sexta, tinham sido comercializados 32 mil bilhetes.

O Flamengo lembra que, em função de problemas técnicos, não será possível usar o cartão do projeto “Nação Rubro-Negra”. Os torcedores do Botafogo, por sua vez, têm direito a 50% de desconto e, caso sejam estudantes, pagarão metade do valor estipulado para a meia-entrada.

Torcedores que quiserem trocar o ingresso neste domingo devem ir ao Maracanã, a partir das 10h, na bilheteria 2 do Maracanãzinho. A bilheteria 1 funcionará apenas para vendas. Cada uma vai operar com 20 guichês e não haverá outros postos de troca ou venda no dia do clássico.

Os bilhetes do setor superior destinados à torcida do Flamengo estão esgotados desde o início da semana.

Logística

A transferência dos eventos da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) de Guaratiba para Copacabana não alterou a logística programada para o confronto deste domingo.

A celebração do papa Francisco na praia está prevista para 10h, distante do horário do início da partida. O trânsito no local, entretanto, será liberado somente após 19h.

A bilheteria 2 também estará efetuando a troca de gratuidades e vendendo ingressos



Love visita Hernane e Paulo Victor na concentração do Flamengo


Vagner Love aproveitou a rápida passagem pelo Rio de Janeiro para rever dois amigos dos tempos de Flamengo. Na tarde deste sábado, o Artilheiro do Amor visitou o hotel na Zona Oeste da cidade onde o time está concentrado para enfrentar neste domingo o Botafogo, às 18h30m (de Brasília), no retorno ao Maracanã. Na concentração, ele se encontrou com o goleiro Paulo Victor e atacante Hernane, dupla que divide o quarto e registrou o momento com fotos em uma rede social.

Paulo Victor Love Hernane (Foto: Reprodução / Twitter) 
Visita ilustre: Love reencontra Paulo Victor e Hernane na concentração do Fla (Foto: Reprodução / Twitter)
 
Love chegou ao Rio nesta sexta-feira para a retirada do visto chinês e viaja ainda neste sábado para a China. O atacante deixou o CSKA, da Rússia, e vai reforçar o Shandong Luneng em transação que rondou os € 12 milhões (cerca de R$ 35,1 milhões).

Rubro-negro declarado, Vagner Love encerrou sua segunda passagem pelo Flamengo em janeiro. E a ruptura deixou marcas. O motivo da liberação de Love, de acordo com os dirigentes, foi para cortar gastos. O atleta revelou que foi procurado em dezembro do ano passado pelos dirigentes e que ouviu que contavam com ele. Porém, um mês depois, recebeu a notícia de que não fazia mais parte dos planos.


Flamengo vence Botafogo no futebol americano

O palco não era o Maracanã. Tampouco o público era de milhares de pessoas (cerca de 650 ingressos foram vendidos, de acordo com a organização). Mas o clima de clássico continua o mesmo. Na véspera do retorno dos times ao templo do futebol brasileiro, Flamengo e Botafogo fizeram um duelo no futebol americano com muita rivalidade, diversas faltas e alguns momentos de tensão neste sábado. Se valeu como prévia do confronto pelo Brasileirão, melhor para a torcida rubro-negra, que fez festa nas arquibancadas do Estádio Luso-Brasileiro, na Ilha do Governador, com uma vitória por 14 a 3, pelo Torneio Touchdown, graças a Vinny e Rato.

Flamengo x Botafogo Futebol Americano (Foto: Adriano Albuquerque) 
Rato (46) foi fundamental para o Flamengo FA bater o Botafogo FA (Foto: Adriano Albuquerque)

- É a primeira vez que a gente se enfrenta. São jogadores que se conhecem há muito tempo, desde a época da areia, e são rivais há muito tempo. Quando você monta um palco como esse, com torcida, com toda essa expectativa, tudo isso e ainda mais no início de temporada, é só o terceiro jogo, a gente esperava que acontecessem erros. Foram mais erros do que eu esperava, o time estava um pouco nervoso, mas foi bom que a gente saiu com a vitória e agora tem tempo para trabalhar. O importante foi que o planejamento de jogo funcionou – analisou o técnico Otavio Roichman.

Depois do jogo, enquanto os atletas do Botafogo lamentavam os erros cometidos, os jogadores do Flamengo ainda tentavam encontrar palavras para explicar as sensações que tinham vivido.

- Em um primeiro momento a gente só sente, o coração vai batendo junto. A torcida vai gritando e você quer cantar junto, até porque eu sou flamenguista. Você tem que achar o limite de até que ponto você vai cantar junto ou se focar somente no jogo. É meio que indescritível a sensação. Ter a oportunidade de jogar bem, ouvir a torcida gritando é bem surreal. Nunca tinha sentido isso até hoje - contou o cornerback Bruno Rosa, o Sapo.

O peso do clássico pareceu ter tido efeito ruim nas duas equipes no início da partida. Aparentando nervosismo, os times cometeram muitos erros e faltas nos primeiros quartos da partida. Ex-jogador do Botafogo, o running back Rato fez diferença pelo Flamengo. Depois de receber passe curto, avançou 23 jardas e deixou o rubro-negro em boa situação no fim do primeiro quarto.

Flamengo x Botafogo Futebol Americano (Foto: Leo Velasco)
Na primeira jogada do segundo quarto, uma imagem que a torcida rubro-negra se acostumou a ver muitas vezes no futebol. Passe do camisa 10 para o camisa 9 e festa da torcida. O quarterback Ramon “Mamão” Martire achou o wide receiver Rodrigo “Vinny” Pons na endzone, e o Flamengo abriu 7 a 0. Depois de 135 minutos de jogo no campeonato, a defesa alvinegra sofria seus primeiros pontos. O touchdown, porém, não mudou muito o panorama do duelo, que seguiu marcado pelos erros e foi para o intervalo com a pequena vantagem do time da Gávea.

O Botafogo voltou melhor. Dois grandes passes do quarterback Travis para o wide receiver Matheus “Ruth” e uma falta da defesa do Flamengo deixaram o Botafogo na linha de uma jarda. Mas os rubro-negros conseguiram segurar o ataque alvinegro, que teve que se contentar com um field goal para diminuir a diferença para 7 a 3. Na arquibancada, a torcida do Fla comemorou como se tivesse marcado um gol.

Os erros e as faltas seguiram custando caro aos dois times, mas Menor, primo do maior ídolo da história do futebol rubro-negro, Zico, passou a aparecer mais pelo Flamengo. E Rato, melhor em campo, mais uma vez fez a diferença. O running back conseguiu um touchdown, o Rubro-Negro ampliou para 14 a 3, e o Botafogo não teve mais forças para reagir. Já no fim, o Fla quase ampliou com Bruno "Sapo",  mas o touchdown após uma interceptação foi anulado porque um companheiro havia cometido uma falta.

Na prévia do encontro deste domingo pelo Campeonato Brasileiro, às 18h30m, no Maracanã, quem saiu na frente foi o Flamengo - só que no futebol americano.

Flamengo x Botafogo Futebol Americano (Foto: Adriano Albuquerque) 
Neste sábado, torcida do Flamengo fez a festa no Luso-Brasileiro (Foto: Adriano Albuquerque)
 
 
 
 

De volta, Léo Moura se declara: 'Tenho um chamego com o Maracanã'




Leo Moura coletiva Flamengo (Foto: Richard Souza)Léo Moura tem seis títulos com a camisa do Flamengo. São quatro Cariocas, uma Copa do Brasil e um Brasileiro. Destes, cinco foram conquistados no Maracanã. Desde 2005 no clube, o lateral-direito, hoje com 34 anos, disputou 437 partidas pelo Rubro-Negro. Destas, 194 foram no Maior do Mundo. A última em 2010, no dia 5 de setembro, um empate sem gols com o Santos. Desde então, só saudade. Léo chegou a ter dúvidas se pisaria novamente no palco como jogador do Flamengo, mas resistiu aos quase três anos de espera. Neste domingo, volta ao estádio que tem como uma extensão de casa, um amigo, um parente. O adversário será o Botafogo, às 18h30m (de Brasília). Chega de esperar. 

- Foram cinco títulos importantes demais para a minha carreira, meus principais títulos foram lá. Confesso que estava com muita saudade. Quando paramos de jogar, achei que talvez nem fosse voltar, mas estou feliz por voltar, num novo momento, é um novo Maracanã. Espero que a gente comece a fazer uma história diferente, uma história de vitória, num novo palco. O time está tão ansioso quanto eu.

Léo viveu mais capítulos felizes do que tristes no Maraca. A última vez que esteve por ali foi como espectador, no fim de abril. Assistiu ao jogo entre Amigos de Ronaldo Fenômeno e Amigos de Bebeto, que serviu de evento-teste para o novo estádio antes da Copa das Confederações. Dos 43 gols que tem com a camisa do Flamengo, 18 foram no Maracanã.

- Foram muitos jogos, gols, títulos, algumas tristezas, como a derrota para o América do México (eliminação na Libertadores de 2008), meu primeiro título com a camisa do Flamengo foi no Maracanã (Copa do Brasil de 2006). Tenho um chamego com o Maracanã, é a casa do Flamengo, a torcida vai em peso para apoiar, incentivar. É uma alegria estar voltando.

E a volta ao Maracanã devolve ao jogador alguns sentimentos que andavam distantes. 

- Tem todo o clima quando você chega ao Maracanã, passava pelo portão na entrada e sempre via muitos torcedores, aquela subida do túnel, que já não existe mais, entrava em campo e olhava para aquele nosso lado esquerdo, torcida sempre presente ali. São coisas do antigo Maracanã que sempre ficaram na lembrança.

Leo Moura Maracanã reabertura (Foto: Janir Junior) Neste domingo, contra o Botafogo, Léo espera duas coisas no reencontro com a torcida: apoio e pressão.

- Começar uma nova história com uma vitória num clássico vai ser maravilhoso. A pressão é grande por voltar a jogar no Maracanã. O incentivo vai ser muito grande. A gente vai contar muito com o apoio da torcida. Certeza que vai fazer muita diferença. A torcida vai estar mais perto, vamos ouvir muitos gritos de incentivo e de cobrança. O calor da torcida é importante. A gente não quer que tenha violência, mesmo sendo clássico, as torcidas vão estar mais perto uma da outra. Estou pensando que vai ser uma coisa muito especial. Vai ser diferente de tudo. Antigamente, tinha a geral, agora não tem mais, é todo mundo sentadinho. A torcida do Flamengo vai fazer a mesma festa de quando tinha geral e arquibancada.

Com a camisa do Flamengo, Léo Moura marcou quatro gols no Botafogo. As equipes não se enfrentam no Maracanã há três anos. O último confronto ocorreu no dia 14 de julho de 2010. Na partida válida pelo primeiro turno do Campeonato Brasileiro, o Rubro-Negro venceu por 1 a 0, gol de Paulo Sérgio, diante de 19.313 pagantes. Dos atuais jogadores do grupo, só Léo Moura participou daquele clássico.

Só do telhado: Mano fecha treino, e pedreiros param obra para assistir



Mano Menezes e Marcelo Moreno treino Flamengo (Foto: Richard Souza)
Véspera de clássico, portões do Ninho do Urubu fechados. No último treino antes da partida contra o Botafogo, Mano Menezes trabalhou com os jogadores sem a presença da imprensa na manhã deste sábado. A entrada dos jornalistas só foi permitida ao meio-dia, uma hora depois do início da atividade. Só foi possível ver a parte final do rachão, mas dois pedreiros que trabalham na construção de uma casa em um condomínio ao lado do CT puderam ver tudo. De cima de um telhado, deram um tempo na obra, cruzaram os braços e acompanharam o trabalho.

O Flamengo que vai a campo neste domingo, às 18h30m, no Maracanã, não deve ter surpresas. A única dúvida do treinador gira em torno de Gabriel. Depois de ficar fora contra ASA-AL e Inter, o camisa 10 está recuperado de uma lesão na coxa direita, treinou normalmente e a tendência é que inicie o clássico. Nesta sexta, Mano cogitou deixá-lo no banco, pois o meia-atacante sentiu o ritmo intenso dos treinos.

A provável formação do Rubro-Negro: Felipe, Léo Moura, Wallace, González e João Paulo; Diego Silva, Elias, Gabriel, Carlos Eduardo e Paulinho; Marcelo Moreno. Depois do treino deste sábado, os jogadores partiram para a concentração em um hotel da Zona Oeste do Rio.

O Flamengo está em 15º na tabela, com nove pontos. O Botafogo tem 16 e é o vice-líder.

torcedores no telhado treino Flamengo (Foto: Richard Souza) 
Pedreiros assistiram a todo o treino secreto do Flamengo neste sábado (Foto: Richard Souza)
 
 
 

Mano relaciona 23 jogadores para o clássico com o Bota

Mano Menezes terá 23 jogadores do Flamengo à disposição para a partida contra Botafogo, neste domingo, pela nona rodada do Campeonato Brasileiro. Os times se enfrentam às 18h30m (de Brasília), em jogo que marca o retorno de ambos ao Maracanã. Com nove pontos, o Rubro-Negro está na 15ª posição. O Alvinegro é o vice-líder, com 16.

Neste sábado, Mano realizou um treino com portões fechados no Ninho do Urubu. Os jornalistas tiveram acesso apenas ao rachão. A provável formação: Felipe, Léo Moura, Wallace, González e João Paulo; Diego Silva, Elias, Gabriel, Carlos Eduardo e Paulinho; Marcelo Moreno.   

Confira os relacionados:

Goleiros: Felipe, Paulo Victor e César
Zagueiros: Wallace, González e Samir
Laterais: Léo Moura, João Paulo, Digão e Ramon
Volantes: Diego Silva, Elias, Val e Luiz Antonio
Meias e atacantes: Gabriel, Paulinho, Carlos Eduardo, Marcelo Moreno, Nixon, Hernane, Adryan, Rafinha e Bruninho

João Paulo e Gabriel treino Flamengo (Foto: Richard Souza) 
João Paulo e Gabriel treinam bola parada na véspera do clássico (Foto: Richard Souza)
 
 

Promovido, Fernandinho vira Fernando na volta aos profissionais



Fernandinho treino Flamengo (Foto: Richard Souza) Novidade de Mano Menezes nos treinos dessa semana, o meia-atacante Fernandinho volta aos profissionais e ganha nova chance. O jogador, de 20 anos, já tinha passado pelo grupo principal com Dorival Junior e chegou a entrar em campo diante do Palmeiras, na derrota por 1 a 0, no Brasileirão do ano passado. No retorno, não é só o cabelo do garoto que está diferente. O moicano se foi, o visual está mais sóbrio e o nome também mudou. Mano aboliu o diminutivo. Agora, é Fernando. 

- O motivo de ter trazido o Fernando - vamos tentar fazer dele um Fernando, temos muitos inhos, quero um Fernando -, é que ele tem uma característica diferente. Às vezes, retiro o Carlos Eduardo e tenho de mudar a característica do time porque não tenho jogador semelhante no meio-campo, canhoto agudo, de ótima conclusão. Trouxe para que seja esse jogador nesse momento. Vamos tornar isso normal, às vezes as coisas não são encaradas bem individualmente, mas temos que pensar no Flamengo.

Enquanto Fernando sobe, quatro descem. O atacante Thomás, os meias Mattheus e Rodolfo e goleiro Luan voltaram para os juniores por não fazerem parte dos planos de Mano em um primeiro momento. Eles disputarão a Taça BH. O treinador pretende dar ritmo de jogo aos jovens e assegura que vai continuar fazendo suas observações.

- Tivemos uma conversa com o técnico da categoria, com o coordenador, com o diretor, é importante que tenhamos uma linha. E que essa linha seja bem executada para que a gente tenha aproveitamento cada vez melhor dos jogadores formados na base no time principal. O que a gente tinha era um pouco de superposição de funções, características semelhantes. Em função disso, dificuldade de aproveitar. Mattheus sequer jogou uma partida durante o ano. Isso é muito ruim na fase final de maturação e formação. Acaba se perdendo muito tempo, certamente vai acarretar problema na frente. Em função disso, temos uma competição importante para a categoria, que é a Taça BH, e vamos observar jogando.

Apesar de ter passado a treinar com os profissionais, Fernando, ex-Fernandinho, não vai ser relacionado para o clássico com o Botafogo, neste domingo, às 18h30m, pela nona rodada do Brasileirão. 

- Ainda não – avisou Mano.

Header transmissão PremiereFC 1 (Foto: Infoesporte)



Mano planeja Flamengo menos viajante no returno: ‘Rio é a cidade do Flamengo’


O torcedor do Flamengo conta os minutos para voltar a ver o time no Maracanã. É ansiedade de criança, como se fosse desembrulhar um presente. Os rubro-negros, o time e o palco não se juntam desde 5 de setembro de 2010. Naquele dia, num empate sem gols com o Santos, diante de pouco mais de 40 mil pessoas, eles se despediram. O reencontro, num Maraca novinho e moderno, será neste domingo, contra o Botafogo, pela nona rodada do Brasileirão, às 18h30m (de Brasília). Há quem diga que não é o mesmo estádio. Mas, vá lá, a saudade é maior do que qualquer comparação.

Aos que forem, um conselho: aproveitem. Até o fim do primeiro turno, o Rubro-Negro só jogará por ali mais uma vez. Depois do clássico com o Botafogo, a equipe de Mano Menezes estará no palco novamente em 11 de agosto, pela 13ª rodada, contra o Fluminense. O mando de campo é tricolor. A partir daí, só jogos em Brasília, no Mané Garrincha: contra Atlético-MG, Portuguesa, São Paulo, Grêmio e Vitória.

Mano Menezes no treino Flamengo (Foto: Cezar Loureiro / Agência O Globo) 
Mano Menezes espera por rotina maio no Rio no segundo turno (Foto: Cezar Loureiro / Agência O Globo)
 
Mano entende a necessidade que o clube tem de fazer receita com partidas na capital federal e respeita o acordo firmado, mas espera que no segundo turno a frequência de jogos no Rio seja bem maior. 

- Nós vamos cumprir o que acordamos como clube. O Flamengo tratou e assinou o compromisso para fazer jogos em Brasília, precisa cumprir e vai cumprir. Para o segundo turno é outra situação. Logicamente, dependendo da condução de como for, de fazer algo positivo no Maracanã, queremos jogar mais no Maracanã. O Rio de Janeiro é a cidade do Flamengo – disse.

Enquanto isso, o técnico e o departamento de futebol investem na logística para tentar minimizar o desgaste com viagens. Na próxima quarta, o Flamengo visita o Bahia, em Salvador. De lá, parte para Brasília, local do jogo contra o Atlético-MG no dia 4 de agosto. Como na outra quarta vai enfrentar a Portuguesa na capital federal, a delegação nem voltará ao Rio. 

- A gente vai minimizando esse desgaste com um número menor de deslocamentos. Se torna mais natural a permanência e trata-se de fazer uma estrutura que dê sustentação para se permanecer em Brasília.

Neste domingo, Mano comandará o Flamengo no Maracanã pela primeira vez. Não chega a estar emocionado, mas considera um momento importante da carreira.

- É um dos maiores palcos do futebol do mundo, em função disso foram jogados grandes clássicos entre seleções, clubes brasileiros, clubes do mundo todo. E a gente vai vivenciar essa experiência agora comandando um clube do Rio pela primeira vez. É o retorno do Flamengo ao Maracanã depois da reconstrução. Estamos trabalhando muito duro para fazer um grande clássico, cuidando para que a nossa parte seja bem feita. Me causa uma satisfação fazer parte disso. A gente sabe exatamente a responsabilidade que é jogar jogos assim. Estamos trabalhando porque sabemos da expectativa que se cria num retorno como esse. Espero que o Flamengo esteja preparado para fazer um grande jogo.

Mano não acredita que seus jogadores, mesmo os mais jovens, sintam o peso do reencontro com o estádio, mas prevê a cobrança do torcedor por empenho. 

- Ao longo da história, mesmo com grandes ídolos, o torcedor do Flamengo sempre exigiu uma coisa. Sabemos o que é. É disposição, determinação, a raça, como o torcedor gosta de ver. A gente não pode abrir mão disso. É o que vai construir novos ídolos. Esses meninos que têm essa chance têm o entendimento disso. Temos de ter organização tática, capacidade técnica. Sem outros atributos, não vamos conquistar o torcedor como queremos.

O Flamengo é o 15º na tabela do nacional, com nove pontos.

Header transmissão PremiereFC 1 (Foto: Infoesporte)






Flamengo fará todos os jogos do primeiro turno do Brasileiro em Brasília


Veja abaixo as partidas que o Flamengo fará no Mané Garrincha



 Flamengo x Atlético-MG - Dia 04/08
 Flamengo x Portuguesa - Dia 07/08
 Flamengo x São Paulo - Dia 18/08
 Flamengo x Grêmio - Dia 25/08
 Flamengo x Vitória - Dia 04/09
 Flamengo x vasco - Dia 06/10 (jogo de volta)










sexta-feira, 26 de julho de 2013

Mano quer atenção com Seedorf: ‘Você sabe que ele vai fazer algo bom, mesmo sendo velho e brocha’



Mano Menezes Técnico Flamengo (Foto: Richard Souza) Atenção, sim. Mas sem exclusividade. Mano Menezes mostrou que está atento a Clarence Seedorf, principal jogador do Botafogo, mas vê o conjunto e o padrão tático bem definido como os maiores trunfos do adversário. O técnico do Flamengo descarta fazer marcação especial sobre o holandês, mas reconhece que o camisa 10 é uma ameaça constante. As equipes se enfrentam neste domingo, às 18h30m (de Brasília), em partida que marca o retorno de ambas ao Maracanã depois de três anos.

- A forma de anular (o Seedorf) é o Flamengo ser melhor que o Botafogo. Não é possível enxergar o futebol individualmente. Esse tipo de jogador tem capacidade de entendimento e execução do jogo tão boas que você não anula durante os 90 minutos. Você sabe que ele vai fazer algo bom no jogo. Tenho que minimizar isso. A gente trabalha com marcação por zona, com a equipe organizada, porque queremos jogar. Se tira um jogador do sistema para fazer marcação, ele (Seedorf) é tão inteligente que vai pegar seu jogador e colocar num lugar do campo que não queremos. O Flamengo precisa ser melhor que o Botafogo, sabemos como é difícil pela fase do Botafogo, a posição que vem tendo no Brasileiro, mas também temos condição de, se continuarmos evoluindo, fazer um jogo ainda melhor.

O Botafogo é o vice-líder do Brasileiro, com 16 pontos. Com nove, o Flamengo é o 15º. Assim como fez na partida contra o Vasco, Mano só vai divulgar a escalação 45 minutos antes, como estabelece a regra. Na regra do treinador rubro-negro, em clássico o adversário só pode saber a formação da equipe dele pouco antes de ir para o campo.

O volante Victor Cáceres se recupera de um problema na coxa direita e não joga. Diego Silva continua como titular. Recuperado de lesão na coxa direita, Gabriel está à disposição. No entanto, ainda há dúvida se ele começa o confronto.

- Gabriel vai estar relacionado, mas vamos decidir amanhã (sábado) se começa ou fica para o segundo tempo. Cáceres não vai ser relacionado, precisamos de um período maior para que não tenha nenhum tipo de recaída, ficou uma parte dolorida por conta do movimento da perna. Estamos cuidando para que esse retorno seja definitivo e sem problemas. Joga Diego Silva.

Caso Gabriel não jogue, Bruninho é um dos cotados para substituí-lo. A provável formação rubro-negra no clássico: Felipe, Léo Moura, Wallace, González e João Paulo; Diego Silva, Elias, Gabriel (Bruninho), Carlos Eduardo e Paulinho; Marcelo Moreno.

Apesar de estar sete pontos atrás do rival, Mano não vê o favoritismo pender para o lado alvinegro.

- Falamos sobre o inverso quando enfrentamos o Vasco. Não tem favoritismo. Não posso ser incoerente. Jogamos num conjunto de quatro jogos contra dois líderes. A dificuldade maior de enfrentar esses adversários que estão nas primeiras posições é que atesta o rendimento do momento. O Botafogo é bem treinado, entrosado, vai nos impor dificuldades. Favoritismo é teórico. Na hora que apita, você tenta desmanchar as virtudes que o adversário tem.

Header transmissão PremiereFC 1 (Foto: Infoesporte)





Distante da melhor forma, André Santos não tem previsão de estreia


André Santos fez nesta sexta-feira o primeiro treino com bola no Flamengo. Mas o principal reforço da era Mano Menezes até então não tem previsão de estreia. Depois de uma atividade técnica em que figurou entre os reservas, o lateral-esquerdo realizou um trabalho físico com o preparador Dudu. Visivelmente fora de forma, mostrou-se esforçado, procurou se movimentar, mas demonstrou cansaço. O último jogo de André Santos foi pelo Grêmio, dia 16 de maio, pelas oitavas de final da Libertadores, contra o Santa Fé, da Colômbia. O técnico rubro-negro não quer queimar etapas. 

André Santos treino Flamengo (Foto: Richard Souza) 
André Santos durante o treino do Flamengo no Ninho do Urubu (Foto: Richard Souza)

- Ainda é cedo. Ainda está bastante distante, fez os primeiros trabalhos, temos de ver como vai reagir. O último jogo foi em maio, o nível de exigência é tão grande que você deixa o jogador duas semanas fora, como foi com o Gabriel, e na volta ele sente. A gente conhece bem a história desse jogadores que estão treinando quando estão parados. Trabalha, mas não é igual. Precisamos recuperar isso – disse Mano.

Enquanto o novo dono da posição não fica pronto, João Paulo está mantido entre os titulares. Além de não participar do clássico com o Botafogo, neste domingo, às 18h30m, no Maracanã, André não deve jogar contra o Bahia, quarta-feira, em Salvador.

Mais de 32 mil ingressos já vendidos para o clássico Flamengo x Botafogo

Com a proximidade do clássico entre Flamengo e Botafogo, na volta das duas torcidas ao Maracanã, cresce a expectativa por um grande público na partida, que acontece domingo, às 18h30m. Já foram vendidos mais 32 mil ingressos, segundo o Rubro-Negro, mandante do jogo. As entradas para a arquibancada superior destinadas aos rubro-negros estão esgotadas desde a manhã de quarta-feira.

O Flamengo avisa que, por problemas técnicos, não será possível usar o cartão ingresso do projeto “Nação Rubro-Negra”. Os membros do programa devem pegar seus bilhetes nos postos de troca.

Os sócios Sou Botafogo terão direito a 50% de desconto no ingresso. Caso sejam estudantes, pagarão metade do valor da meia-entrada (25%).

Os proprietários de cadeiras cativas podem retirar seus ingressos na Sala das Camisas, no Maracanãzinho. Neste sábado, o funcionamento é de 10h às 17h.

As gratuidades para o clássico (crianças menores de 12 anos, idosos acima de 65 anos e deficientes físicos) poderão ser retiradas apenas no Maracanãzinho, das 12h às 17h. Os ingressos são para as arquibancadas superiores.

Confira os postos de troca:

Maracanã (de quarta a domingo, 10h às 17h)
Caio Martins (de quarta a domingo, 10h às 17h)
General Severiano (de quarta a domingo, 10h às 17h)
Gávea (de quarta a domingo, 10h às 17h)
Engenhão (de quarta a domingo, 10h às 17h)
Lojas Espaço-Rubro-Negro

Confira os pontos de venda:

Maracanã
Caio Martins
General Severiano
Engenhão
Lojas Espaço Rubro-Negro (Rua da Quitanda, Downtown e Plaza Shopping)

Confira os preços:

Cadeiras Superior (Torcida do Flamengo) para venda: 14.603 - esgotados
Inteiras: R$  100,00
½ entrada: R$ 50,00

Cadeiras Superior (Torcida do Botafogo) para venda: 14.479
Inteiras: R$  100,00
½ entrada: R$ 50,00

Cadeiras Inferior (Torcida do Flamengo) para venda: 5.747
Inteiras: R$  120,00
½ entrada: R$ 60,00

Cadeiras Inferior (Torcida do Botafogo) para venda: 5.919
Inteiras: R$  120,00
½ entrada: R$ 60,00

Cadeiras Central Bellini (Setor Misto) para venda: 8.978
Inteiras: R$  160,00
½ entrada: R$ 80,00

Cadeiras Central Uerj (Setor Misto) para venda: 2.927
Inteiras: R$  160,00
½ entrada: R$ 80,00

Cadeiras Vip Bellini (Setor Misto) para venda: 3.783
Inteiras: R$  220,00
½ entrada: R$ 110,00

Cadeiras Vip Uerj (Setor Misto) para venda: 3.882
Inteiras: R$  220,00
½ entrada: R$ 110,00

Cadeiras Vip Premium Uerj (Setor Misto) para venda: 2.886
Inteiras: R$  350,00 (sendo R$150 de serviço de alimentação e bebida)

Cadeiras Vip Premium Bellini (Setor Misto) para venda: 3.076
Inteiras: R$  350,00 (sendo R$150 de serviço de alimentação e bebida)

Camarote fechado - de R$ 5.600 a R$ 15.600 (camarotes com capacidades que variam de 14 a 39 pessoas)


Flamengo Futebol Americano enfrenta o Botafogo para manter invencibilidade


Time quer a terceira vitória seguida O Flamengo Futebol Americano enfrentará o Botafogo FA no próximo sábado (27.07), às 14h, na Associação Atlética Portuguesa, no Rio de Janeiro, em jogo válido pela terceira rodada da fase regular do Torneio Touchdown. O objetivo do time é alcançar a terceira vitória na competição e, assim, manter o 100% de aproveitamento.

"O confronto contra o Botafogo será mais difícil do que os dois primeiros que tivemos neste campeonato. Por isso mesmo nós estamos nos preparando muito bem para esse jogo. Buscaremos apenas a vitória no sábado", disse Otavio Roichman, técnico do time rubro-negro.

As duas vitórias do Flamengo FA no Torneio Touchdown foram impressionates. O Campo Grande Gravediggers caiu por 59 a 7 e o Uberlândia Lobos perdeu por 34 a 0, sendo que ambos os triunfos foram conquistados fora de casa. Os resultados colocam o time de Otavio Roichman na segunda colocação do grupo George Halas, com um jogo a menos que o líder.

"A gente fez uma preparação muito boa para o início do campeonato. Conseguimos começar a disputa com o time preparado e os placares das duas primeiras rodadas foram reflexo desse nosso trabalho. Começamos a treinar em março, sendo que o Torneio Touchdown só começava em junho para nós", falou o técnico do Flamengo Futebol Americano.


Flamengo vai enfrentar o Vitória no Mané Garrincha, em Brasília

É bom que o torcedor do Flamengo aproveite o retorno do time ao Maracanã no domingo que vem. Isso porque até o fim do primeiro turno o Rubro-Negro só jogará no estádio mais uma vez. Depois do clássico com o Botafogo, a equipe de Mano Menezes estará no palco novamente em 11 de agosto, pela 13ª rodada, contra o Fluminense. O mando de campo será tricolor. A partir daí, os rubro-negros terão de esperar cerca de um mês para ver a equipe no Rio outra vez em jogos do Brasileirão. Os outros cinco jogos da equipe como mandante ocorrerão em Brasília, no Mané Garrincha: contra Atlético-MG, Portuguesa, São Paulo, Grêmio e Vitória, este último definido na quarta-feira.

Um novo jogo no Maracanã pode ocorrer no fim de agosto, pela Copa do Brasil. Ainda sem adversário definido nas oitavas de final, o Flamengo deve disputar seus jogos nos dias 21 e 28.

No Brasileiro, serão mais quatro jogos como visitante até o fim do primeiro turno: contra Bahia, Goiás, Corinthians e Cruzeiro. O returno começa para a equipe no dia 11 de setembro, contra o Santos, com mando dos cariocas.

Vale lembrar que a partida da 26ª rodada contra o vasco, dia 6 de outubro, com mando do Flamengo, será em Brasília, assim como ocorreu com o clássico no primeiro turno. O Rubro-Negro venceu por 1 a 0, dia 14 de julho.

No último dia 12, o Flamengo fechou um acordo com o Complexo Maracanã Entretenimento S.A, que administrará o Maracanã. Depois do Fluminense, foi a vez de os rubro-negros anunciarem o desfecho positivo na negociação. O contrato é válido apenas até o fim deste ano - o Tricolor acertou por 35 anos. Trata-se de um contrato-teste, para avaliar o funcionamento antes da assinatura de um compromisso longo. Flamengo e o consórcio dividem lucros e custos.

Jogos do Fla como mandante até o fim do 1º turno

Flamengo x Atlético-MG – 4 de agosto – 11ª rodada
Flamengo x Portuguesa – 7 de agosto – 12ª rodada
Flamengo x São Paulo –18 de agosto – 15ª rodada
Flamengo x Grêmio – 25 de agosto – 16ª rodada
Flamengo x Vitória – 4 de setembro – 18ª rodada

Jogos do Fla como visitante até o fim do 1º turno

Bahia x Flamengo – 31 de julho – 10ª rodada
Goiás x Flamengo – 14 de agosto – 14ª rodada
Corinthians x Flamengo – 1 de setembro – 17ª rodada
Cruzeiro x Flamengo – 8 de setembro – 19ª rodada

Clássicos até o fim o fim do 1º turno (torcida dividida)

Flamengo x Botafogo – 28 de julho – 9ª rodada
Fluminense x Flamengo – 11 de agosto – 13ª rodada




O Papa Francisco que está no Brasil para a 18ª Jornada Mundial da Juventude foi o que mais ganhou camisas do Flamengo







O clube da Gávea não perde tempo. O Papa Francisco agora tem duas camisas rubro-negras.

Além da entregue a ele por Márcio Braga, o Pontífice ganhou outra, agora das mãos de Zico em um encontro com os atletas na manhã desta quinta-feira, no Rio de Janeiro.

Em seu site oficial, Zico escreveu: "Encontrei há pouco com o Papa. Momento emocionante. E dei a ele uma camisa do Fla enviada pela presidência"












Livre de todo o mal, Cadu mira o céu no Flamengo: 'Não desaprendi a jogar'

Carlos Eduardo entrevista Flamengo especial (Foto: André Durão / Globoesporte.com) Os anjos e estrelas que contornam os braços servem como proteção. Já as frases ao longo do corpo apontam o caminho por onde Carlos Eduardo já passou e aonde ainda quer chegar. Fascinado por tatuagens, o atacante do Flamengo leva na pele experiências vividas ao longo da vida. Na perna direita, a grave lesão que o afastou por quase dois anos dos gramados deu lugar aos dizeres: "Livrai-me de todo o mal. Amém". Mas é o que está escrito no braço direito que inspira o camisa 20 na tortuosa trajetória até o sucesso no Rubro-Negro: "O céu é o limite", garante em inglês.

Tatuagem de Carlos Eduardo: 'O céu é o limite', em inglês (Foto: André Durão / Globoesporte.com)

O céu vermelho e preto ainda está distante. Mas, ao menos, sete meses após a chegada, Cadu parece ter conseguido se livrar de quase todo o mal que emperrou seu sucesso na Gávea. A tão falada dificuldade para readaptação ficou no passado, assim como as dores que sentiu em silêncio no joelho operado. O posicionamento em campo também foi corrigido com a chegada de Mano Menezes, e o meia-atacante garante: está preparado para justificar o investimento em sua contratação. As boas exibições contra Vasco e Inter serviram para animar, e o reencontro do Flamengo com o Maracanã é visto como o momento perfeito para conquistar o torcedor.

- Sei que há uma expectativa muito grande em cima de mim. Estrear no Maracanã com um gol com certeza ia fazer a confiança aumentar, a torcida acreditar mais. Sei do meu potencial, isso é o mais importante. Estou preparado para começar a jogar bem. Até porque, nos dois últimos jogos eu acho que já fui melhor.

A frase "sei do meu potencial" foi repetida seguidamente por Cadu em entrevista exclusiva ao GLOBOESPORTE.COM, em sua casa, na Barra da Tijuca. Consciente de que ainda está devendo, o camisa 20 mantém a tranquilidade e está com o astral elevado desde a chegada de Mano Menezes. Resultado de um sentimento que não fazia parte de sua rotina até pouco tempo: confiança.

- Às vezes, tinha lance que eu pensava, mas não ia. Até por não ter a confiança para isso. E na vida a pessoa confiante faz tudo totalmente diferente. Agora, estou arriscando mais. Antes, eu jogava a bola para o lado, o marcador vinha e eu tocava.

Mosaico Carlos Eduardo (Foto: André Durão / Globoesporte.com) 
Carlos Eduardo em sua casa, e a vida através das tatuagens (Foto: André Durão / Globoesporte.com)

No bate-papo, Carlos Eduardo não fugiu de assuntos como a vida noturna, o alto salário e a especulação sobre uma devolução ao Rubin Kazan antes do fim do empréstimo, no meio do ano que vem. Reafirmou também o desejo de disputar a Copa de 2014, e avisou aos críticos:

- Não cheguei à Seleção por acaso. Não desaprendi a jogar.

Confira toda a entrevista:
Todas as atenções na semana estão voltadas para o Maracanã. Como você tem lidado com essa expectativa de estrear no estádio? Já dá para imaginar como vai ser, ficar sonhando com a partida?
Nós imaginamos, né? Principalmente eu, que nunca tive a oportunidade de jogar no Maracanã. Quando íamos jogar pelo Grêmio, estávamos na Libertadores (de 2007) e o time reserva que foi escalado. É um sonho. Ainda mais agora com a renovação do estádio. Está lindo, maravilhoso. A expectativa é muito grande.

Vai ser um recomeço da história do Flamengo no Maracanã. Você acha que também pode começar a escrever uma nova história a partir deste jogo?
Com certeza. É um jogo muito importante. O estádio vai estar lotado. Sei que há uma expectativa muito grande em cima de mim. Estrear no Maracanã com um gol com certeza ia fazer a confiança aumentar, a torcida acreditar mais. Sei do meu potencial, isso é o mais importante. Estou preparado para começar a jogar bem. Até porque, nos dois últimos jogos eu acho que já fui bem. Então, com certeza vou dar o máximo para que o Flamengo consiga essa vitória.

Quando se fala de Maracanã, o que vem a sua cabeça? Algum gol ou jogo? Algo que te marcou?
Penso logo em Maracanã lotado, né? Torcida do Flamengo gritando. Sempre acompanhei e sei que essa Nação é muito grande, louca de paixão. O que me vem a mente é isso.

Você está há cerca de sete meses no Flamengo e muito foi falado sobre o seu desempenho. Gostaria que você mesmo fizesse uma avaliação de tudo que já viveu no clube.
Foram sete meses bastante difíceis. Ouvi coisas que falaram e nunca aconteceram. Mas é o que eu sempre disse: sou um cara muito tranquilo e continuei trabalhando. O professor Mano chegou, me deu total confiança e estou crescendo, cada dia mais. Acho que daqui para frente as coisas vão melhorar, se Deus quiser. Sei do meu potencial, estou trabalhando para isso... Então, para muitas críticas eu não dei bola. Isso faz parte do futebol. Quem entra nesse meio sabe que a pressão é muito grande e eu já passei por pressão desde criança. Saí muito cedo de casa, com 13 anos, e estou acostumado. Mas também entendo a cobrança, a crítica. Até porque, vim como uma contratação muito grande do Flamengo. Sigo trabalhando para que as coisas melhorem cada dia mais.

Falando do campo e bola mesmo, o que estava acontecendo? Você pensava e não conseguia executar. Isso dava uma aflição?
Eu vim de uma lesão muito grave, né? Fiquei quase dois anos parado, foi bem complicado, e para voltar a confiança é muito difícil. Às vezes, tinha lance que eu pensava, mas não ia. Até por não ter a confiança para isso. E na vida a pessoa confiante faz tudo totalmente diferente. Você dá na orelha da bola e vai certo. Naquele começo, estava sem confiança, com um pouco de medo também, não estava bem fisicamente, e as coisas não estavam andando.

Hoje, em vez de um passe para o lado, você já tenta um drible?
Estou arriscando mais. Antes, eu jogava a bola para o lado, o marcador vinha e eu tocava. Agora, estou arriscando muito. O professor me deu total confiança, conversou comigo, me conhece muito bem, falou que ia recuperar meu futebol e sabe o que posso dar para o Flamengo. Isso está ajudando bastante.

Nós usamos sempre como referência o melhor exemplo, e você teve sua melhor fase no Grêmio. Você acha que já está mais próximo de ser aquele jogador que decidia os jogos?
Como eu falei, estou trabalhando que seguir crescendo cada dia mais. Sei do meu potencial, da capacidade que tenho. Até porque, não cheguei à Seleção por acaso. Não desaprendi a jogar. Então, acho que falta muito pouco para render o que rendi no Grêmio e no Hoffenhein. Até mesmo no Rubin Kazan, em que fui muito bem nos primeiros jogos. Falta muito pouco.

Aquela história de readaptação já passou?
Agora, sim. Já estou muito bem adaptado. Passou essa fase. Agora, o negócio é trabalhar, ouvir as pessoas que gostam de mim e me passam confiança. Não é momento de conversar. O momento é de trabalhar para as coisas evoluírem.

Queria que você explicasse um pouco a questão do seu posicionamento. Quando o Mano chegou, vocês disseram que jogaria como atacante, mas em determinados momentos você está atrás até mesmo do Elias em campo...
Depende do jogo, né? Meu posicionamento no Grêmio era como segundo atacante aberto. Já na Alemanha, joguei pelo lado, cortando para dentro até para chutar. No Rubin também, mas em muitos jogos atuei até como volante no Hoffenhein e fui bem, tenho um bom passe. Eu prefiro jogar solto, como agora, com liberdade. Claro que com compromisso. Solto, mas com compromisso de encostar no volante, ajudar a marcar.

Muito foi falado das suas lesões. Nesses sete meses, ainda ficou alguma trauma, alguma dor?
Logo que eu cheguei, senti um pouco de dor. Fiquei uns dois meses sentindo e até comentei com amigos mais próximos: “Poxa, será que vai voltar? Será que essa dorzinha não vai sair e meu joelho não curou?”. Fiquei até atucanado, preocupado com isso. Nem com meus pais eu comentei. Isso é normal. Agora, a dor passou. Era certo vir uma lesãozinha, um desconforto no músculo... Foi muito tempo parado. É normal uma dorzinha aqui ou ali. Até o Sobis conversou com o Jorge Machado, meu empresário, que isso iria acontecer. Mas estou bem, graças a Deus.

Você chegou como camisa 10 e agora este número é do Gabriel. Foi algo que mexeu com você?
Isso não mexe comigo. Para mim, o importante é jogar, estar em campo. Não importa a camisa. O que vale é entrar em campo, mostrar seu futebol. Claro que a 10 todo mundo quer vestir, mas não dou bola para isso. No Hoffenhein, vesti a 33 por quase dois anos e só depois a 10. Na Rússia, vesti 87, que é meu ano de nascimento. E estou gostando da 20, está sendo legal.

Algumas polêmicas envolveram seu nome neste período no Rio. Falam, por exemplo, que você se deslumbrou com a cidade, praia, noite. Isso existiu?
Durante sete meses, eu saí duas vezes aqui. Teve gente que falou que eu fui ao Barra Music. Nunca fui lá. Mas eu fico tranquilo. Sei que não sou assim, as pessoas que vivem do meu lado sabem disso. Como eu falei, só saí duas vezes no Rio. Talvez nessas vezes muita gente tenha visto e isso tenha gerado uma crítica gigante.

E a possibilidade de te devolver ao Rubin Kazan? Chegou algo a você? Você temeu por isso em algum momento?
Não. Até porque, contrato é contrato. Claro que se o Flamengo não estiver interessado, o legal é chegar em mim. Não quero que falem com tal, tal e tal. Chega em mim. Sou homem suficiente para conversar e fazer um acordo, já passei por momentos difíceis na vida e tenho contrato na Rússia. Não vou ficar desempregado.  Mas, nunca me abalei com isso. Até porque foi algo que nunca chegou até mim.

Muita gente associa o seu rendimento ao salário. Falam que é gasto um valor com você, e o rendimento em campo não é equivalente. Isso te chateia?
Falam que eu ganho tanto, mas nem sabem se é o valor mesmo que eu ganho. E nem é. Quero ganhar isso, então, que falam no jornal. Luvas e sei lá o quê. Nem pedi luvas para o Flamengo. A cobrança em mim vai ser grande, até por ter vindo com um salário alto, mas não é algo que me chateia. Sei do meu potencial, do que posso render, e cobrança vai existir sempre.

Carlos Eduardo entrevista Flamengo especial (Foto: André Durão / Globoesporte.com) 
Retorno à seleção brasileira é um dos objetivos de Carlos Eduardo (Foto: André Durão / Globoesporte.com)

Está faltando menos de um ano para Copa do Mundo, e quando você voltou para o Brasil este era um objetivo. É algo que segue na sua cabeça ou há outros passos mais importantes no momento?
Há etapas a percorrer. Há jogadores na minha frente que foram muito bem, mas há outras etapas. Preciso começar a render. Dá tempo ainda, claro, mas é muito difícil. O grupo está muito bem, vimos na Copa das Confederações, mas o jogador tem que ter objetivo na vida. Cada dia que passa tem que ser um prato de comida para alcançarmos os objetivos.

Você tem bastante tatuagem. Quais os significados?
Tenho bastante, alguns anjos... Fiz tatuagem na Alemanha, na Rússia, em todo lugar que fui (risos). Há um terço aqui no braço também, a frase “O céu é o limite” em inglês... Comecei na Alemanha e parece que depois que faz uma, cada vez quer fazer mais. E não vai parar por aí. Por mim, fechava os dois braços, mas a dor é muito grande. Na perna, está escrito “Livrai-me de todo o mal”.

Se você fez em todos os lugares que passou, tem que fazer uma tatuagem no Rio também. Já pensou em algo para marcar a passagem pelo Flamengo?
Estou pensando já, mas a dor é muito grande (risos).

Que recado você deixaria para o torcedor?
Penso, sonho e trabalho para vencer no Flamengo. Para ser um jogador que passou e deu muitas alegrias. Esse é meu pensamento.

E o gol, sai quando?
Já estou merecendo, né? Contra o vasco, quase saiu, mas tenho que ter tranquilidade. Vai acontecer na hora certa, a confiança vai aumentar e vou começar a estourar.


quinta-feira, 25 de julho de 2013

Após descer jovens, Mano Menezes convoca Fernandinho para coletivo

Quatro desceram, um subiu. Se Thomás, Mattheus, Rodolfo e Luan voltaram para os juniores por não fazerem parte dos planos de Mano Menezes em um primeiro momento, Fernandinho foi a novidade no coletivo desta quinta-feira, no Ninho do Urubu. O atacante, de 20 anos, já tinha tido uma passagem pelo time profissional com Dorival Júnior e chegou a entrar em campo diante do Palmeiras, na derrota por 1 a 0, no Brasileirão do ano passado.

Durante a atividade desta quinta-feira, Fernandinho formou dupla de ataque reserva com Hernane, deixando Nixon fora do coletivo. Com a lesão de Moreno, porém, o Brocador foi para o time titular e Nixon teve a oportunidade. O clube não informou se a presença do jovem no profissional é definitiva. Por mais de uma vez, Mano Menezes já disse que escala as equipes reservas em coletivos com base no próximo adversário. Domingo, o Flamengo pega o Botafogo, às 18h30m (de Brasília), na volta ao Maracanã, pela nona rodada do Brasileirão.

Fernandinho treino Flamengo (Foto: Cahê Mota) 
Fernandinho (esq) ao lado do lateral João Paulo no treino do Flamengo (Foto: Cahê Mota)
 
 

Flamengo acerta com menino de 12 anos que recusou proposta do Barcelona


Não ao Barcelona. Sim ao Flamengo. Essa foi a opção do jovem Cassiano para sua carreira. Descoberto pelo clube de Messi através de vídeos na internet e chamado até de "menino prodígio que surpreende o Brasil" pelo jornal espanhol "Marca", o baiano de 12 anos foi até a Catalunha para período de testes. Aprovado, recusou ficar em "La Masia" por uma proposta que não incluía os custos da família. Nesta quinta-feira, porém, o garoto definiu que seguirá o futuro no Rubro-Negro.

O caminho de Barcelona até o Ninho do Urubu contou com uma passagem ainda pelas Laranjeiras. A estrutura oferecida em Xerém, porém, o afastou do Fluminense, que também colocou em dúvida a estatura que Cassiano teria potencial para alcançar. No Rio de Janeiro já há mais de um mês, o menino começará a treinar na categoria mirim do Flamengo após realização de exames médicos. O "problema" da família ignorado pelo Barça foi resolvido, e o pequeno atacante já mora com pai, mãe e irmã em Vargem Grande, perto do CT.

Jovem Cassiano foi aprovado nas categorias de base do Barça (Foto: Reprodução SporTV)
 Coordenador das divisões de base do Fla, Marcos Biassoto confirmou ao GLOBOESPORTE.COM que Cassiano passará a defender o clube. Entretanto, tratou logo de tirar qualquer peso dos ombros do garoto por conta do histórico com o Barcelona e deixou claro que não há qualquer tipo de acordo ou tratamento diferenciado.

- Cassiano vai fazer exames cardiológicos, todos os outros necessários, e, quando tivermos o resultado, começará a treinar como qualquer outro menino da idade dele. É assim que encaramos, e que ele será tratado. Terá uma ajuda de custo igual a todos, lanchinho, uniforme, convênio odontológico...

O pai do garoto, Francisco Jesus, celebrou o acordo com o Flamengo e se mostrou empolgado com as condições apresentadas em conversa com Biassoto.
- Como pai, estou muito confortável e contente com o Flamengo. A conversa foi muito boa e estou confiante no futuro do meu filho. Será tratado como todos os outros meninos, e é melhor que seja assim.

No início do ano, ainda em Salvador, Cassiano recebeu a TV Globo para falar de sua passagem pelo Barcelona e abusou da personalidade ao definir seu estilo de jogo:

- Sou bem ousado. Gosto de ir para cima dos zagueiros e fazer gol.

Além de Fluminense e Barcelona, Grêmio e Vitória também teriam procurado a família de Cassiano. O Flamengo venceu a disputa.

Cassiano durante os testes nas categorias de base do Barcelona (Foto: Reprodução SporTV)



Tímido e sucinto, González avalia clássico: 'Posição não conta'


Gonzalez treino Flamengo (Foto: Cahê Mota) A presença de Marcos González na sala de imprensa do Ninho do Urubu é rara. Em mais de um ano e meio de Flamengo, tinham sido apenas duas entrevistas até esta quinta-feira. Ainda sem falar em 2013, porém, o chileno driblou a dificuldade no idioma e a timidez para comentar o clássico com o Botafogo, domingo, pelo Brasileirão, em partida que marca o retorno do clube ao Maracanã. Com respostas bem curtas, o zagueiro demonstrou que ainda não está à vontade com o português e que desenvoltura não é o seu forte. Mas, a sua maneira, tentou se comunicar.

A surpresa pela aparição do camisa 4 rubro-negro gerou uma pergunta óbvia: já está familiarizado com o idioma? González respondeu com sinceridade:

- Não! Gostaria de dominar mais.

A frase mais longa aconteceu ao comentar a expectativa para o duelo com o Glorioso. Por mais que o Botafogo seja o vice-líder do Brasileirão (o Inter assumiu a ponta com a vitória sobre o São Paulo na noite de quarta-feira), e o Flamengo ocupe apenas a 15ª colocação, González não vê sua equipe em desvantagem. Em outro momento, o zagueiro elogiou ainda o trabalho de Mano Menezes.

- Clássico é um jogo diferente. Não conta muito a posição na tabela nesse momento. Esquecemos tudo e tentamos ganhar o jogo. O Mano acrescentou muito (ao Flamengo). É importante trabalhar com um técnico que já foi de seleção. Nos trouxe organização e disciplina tática.

Já sobre a equipe do Botafogo em si, a resposta foi curta:

- É um bom time.

Por fim, o camisa 4, que nasceu no Rio de Janeiro, mas se mudou ainda bebê para o Chile, comentou o retorno ao Maracanã. Apesar de já ter atuado no estádio com a camisa da Universidad de Chile, González tem as memórias do pai sobre o estádio como recordação mais marcante.

- Meu pai falava muito do estádio antes mesmo de eu jogar lá. Ele conta história de quando o Fla jogava, e que a torcida ia muito ao estádio. Fala também que na final da Copa de 50, contra o Uruguai, estava muito cheio.

Com González em campo, e mais comunicativo, o Flamengo encara o Botafogo domingo, às 18h30m (de Brasília), pela nona rodada do Brasileirão. A partida marca o retorno do clube ao estádio após quase três anos.


Reforço do Flamengo, pivô americano está faminto: 'Quero ganhar tudo'


Jerome Meyinsse basquete (Foto: Getty Images)
Jerome Meyinsse terá uma missão gigantesca no Flamengo. Substituir o MVP da decisão e campeão do Novo Basquete Brasil Caio Torres, que trocou o Rubro-negro pelo São José logo após o bicampeonato nacional. Mas o pivô americano, de 2,06m e 24 anos não se diz preocupado. Pelo contrário. Ainda nos Estados Unidos, o jogador não vê a hora de chegar no Brasil e se diz empolgado com a nova missão. Sem conhecer muito do país e antes mesmo de ser confirmado oficialmente pelo clube, ele já fala como contratado, e promete chegar para vencer todos os torneios que disputar.

- Estou muito animado em jogar pelo Flamengo na próxima temporada. Eu ainda não cheguei, nem fui apresentado, mas ouvi grandes coisas de todos com quem falei, incluindo ex-jogadores. Além disso, os fãs têm sido calorosos e eu sequer joguei uma partida pelo clube. Então, mal posso esperar para chegar e ver como o clube é grande - disse o pivô, campeão argentino da última temporada pelo Regatas Corrientes, justamente em cima do Lanús, ex-time do armador argentino Laprovittola, outro reforço do Flamengo para a temporada, e que garantiu que no Brasil só jogaria pelo Rubro-negro.

Na última temporada pelo Regatas, Jerome fez 43 partidas com média de 12,9 pontos por jogo e 25,6 minutos por partida. No Flamengo, ele irá disputar o Novo Basquete Brasil 2013/14 e a próxima temporada da Liga das Américas. São esses os títulos que ele mira.

- Quero chegar e ajudar o time a continuar sua tradição vitoriosa. Eu sei que o time tem grandes expectativas para a próxima temporada e eu também. Quero ganhar tudo. O Brasileiro (NBB), mas também os torneios internacionais que vamos jogar. Agarrei a oportunidade de jogar pelo Flamengo e estou muito animado para dar o meu melhor - finalizou o pivô americano.

Jerome diz que chega ao Brasil no dia 2 de agosto. O jogador americano também passou pelo Trotamundos, da Venezuela, e participou do Draft de 2010 da NBA pela Universidade de Virginia, mas não foi escolhido. Jerome também jogou no Sionista, Estudiantes de Bahia Blanca e 9 de Julio, todos times argentinos.



Flamengo x Bota: reclamações dão o tom no primeiro dia de vendas no Maracanã


Torcedores Flamengo fila Maracanã (Foto: Thiago Benevenutte)
O frio no Rio de Janeiro não afastou os torcedores do Maracanã nesta quinta-feira. Aproveitando o feriado na cidade, botafoguenses e flamenguistas saíram de suas casas para garantir ingressos para o clássico de domingo. No entanto, no primeiro dia de vendas, foi enorme a insatisfação nas redondezas do estádio.

A fila, que ia da bilheteria 2, único local da retirada dos ingressos, até a bilheteria 1, não foi o único obstáculo enfrentado. O engenheiro Roberto Pimenta, de 50 anos, reclamou que ainda teve de esperar em frente à cabine.

- Cheguei às 10h20 e fiquei três horas na fila. Quando cheguei no guichê, foram mais 40 minutos. Eles alegam que depende da internet, que o sistema saiu do ar. É complicado - reclamou.

Outra queixa frequente foi o fato de não existirem filas separadas para quem comprou o ingresso antes, pela internet. O estudante César Pereira, de 16 anos, lamentou ter que sair de Campo Grande, onde mora, para passar horas esperando por seu bilhete. O jovem, que afirmou não ter conseguido executar a troca na loja Espaço Rubro-Negro perto de sua casa, mostrou insatisfação.

- Acho que é uma vergonha, comprei pela internet justamente para evitar essa fila. Chega aqui e eu tenho que fazer igual a todo mundo que ainda não comprou. Será minha primeira vez no Maracanã, e a primeira impressão já é ruim.

Por volta das 14h, todos os ingressos destinados exclusivamente à torcida do Flamengo se esgotaram. Apenas o setor misto (o Bellini, nos preços de R$160 a inteira e R$80 a meia entrada) ficou disponível para os rubro-negros. Alguns chegaram a desistir depois desta informação.

Torcedores Flamengo fila Maracanã (Foto: Thiago Benevenutte) 
Longas e demoradas filas no Maracanã nesta quinta-feira (Foto: Thiago Benevenutte)

Na fila da gratuidade (crianças menores de 12 anos, idosos acima de 65 anos e deficientes físicos), mais problemas. O consultor de telecomunicações Sandro Braz, de 35 anos, questionou o fato de ter que passar por duas filas diferentes para retirar o seu ingresso e de seu filho, de oito anos de idade.

- A gente tenta participar, quer melhorar, mas está difícil. Inclusive só posso vir buscar o do meu filho porque hoje é feriado. No horário estipulado, entre 12h e 17h, seria impossível para mim, por causa do trabalho.

Em determinado momento, uma chuva fina começou a cair. Alguns idosos chegaram a discutir com os funcionários que trabalhavam na organização das filas. Pessoas foram flagradas tentando furar, mas acabaram identificadas e impedidas. Uma delas discutiu de forma veemente com um funcionário, que, irritado, comunicou o incidente aos policiais presentes no local. Após o incidente, mais uma viatura chegou como reforço.

A partida entre Flamengo e Botafogo acontece neste domingo, às 18h30m (horário de Brasília). O clássico é válido pela nona rodada do Campeonato Brasileiro.





Gabriel treina entre os titulares, e Cáceres segue fora no Flamengo

  de volta (Cahê Mota) 

Sob chuva fina e tempo frio no Ninho do Urubu, o técnico Mano Menezes seguiu a preparação do time do Flamengo para o clássico contra o Botafogo, domingo, e comandou um treino coletivo marcado pela volta do meia Gabriel à equipe titular. O jogador, que ficou fora da partida contra o Internacional por causa de um problema na coxa direita, treinou normalmente no pesado gramado do campo 5 do CT. Por outro lado, Marcelo Moreno deixou a atividade no meio com uma leve torção no tornozelo esquerdo e foi substituído por Hernane. Segundo o departamento médico, o boliviano foi apenas poupado e não preocupa.

Quem segue fora do time é o paraguaio Cáceres. O volante, que se recupera de um problema na coxa direita, já foi liberado pelo departamento médico, mas não participou do treino no campo, seguindo na academia. O mesmo aconteceu com o novo reforço André Santos, que pelo quarto dia seguido não treinou no gramado. Já o meia Rafinha foi liberado porque vai se casar nesta quinta-feira.

Assim, Mano Menezes armou o time com Felipe, Léo Moura, González, Wallace e João Paulo; Diego Silva, Elias, Gabriel e Paulinho; Carlos Eduardo e Moreno (Hernane). A atividade terminou 0 a 0 e o treinador fez muitas interruções para jogadas em bola parada defensivas, que têm sido um problema rubro-negro nos últimos jogos.

O Flamengo enfrenta o Botafogo no domingo, ás 18h30m, na volta do time ao Maracanã depois de quase três anos, pela 9ª rodada do Campeonato Brasileiro

Retirada de gratuidades para Flamengo x Botafogo é caótica no Maracanã

A primeira manhã de retirada de ingressos para o clássico entre Flamengo e Botafogo, que será jogado no domingo, está caótica no Maracanã. E os problemas foram observados principalmente na retirada da gratuidade pelos idosos. Devido a um erro de informação, até mesmo a polícia foi chamada a intervir.


Idosos sob chuva e frio intenso esperando para retirar as gratuidades (FOTO: Walace Borges)

Durante toda a semana, o Consórcio Maracanã divulgou que a retirada da gratuidade começava às 10h e iria até às 17h, no mesmo horário da compra e troca dos ingressos normais. Porém, chegando ao estádio, eles receberam a notícia que só poderiam pegar os bilhetes a partir das 13h. Desta maneira, muitos deles terão de esperar por três, quatro ou até mesmo cinco horas, sob chuva e frio intenso, para conseguir assistir ao jogo.

- Acabei de operar a pélvica porque estou com câncer na virilha. Aí estou aqui de muletas esperando para pegar esse ingresso. Sempre fui Flamengo e meu médico me disse para viver cada dia como se fosse o último. Meu sonho é ver o novo Maracanã antes de morrer - afirmou Fernando Cesar, de 67 anos, morador de São Gonçalo e que chegou ao estádio por volta das 9h.

A situação ficou ainda pior quando a polícia foi chamada por um dos idosos que, desesperado, procurava ajudar os companheiros de fila. João Paulo Silveira, aposentado de 67 anos, foi enfático ao criticar a organização do estádio:

- Saiu em todas as mídias que começava às 10h, ontem vim aqui e tinha uma placa dizendo a mesma coisa. Cheguei aqui às 9h30 para pegar logo meus ingressos e me deparei com essa situação deplorável. É uma vergonha com o idoso. Nós somos prioridade, teríamos de ser tratados assim. Querem fazer Copa do Mundo assim? Chamei a polícia, mas eles também não resolveram nada. Mas pode ter certeza que vou o Boletim de Ocorrência.




Papa Francisco abençoa Oscar e recebe camisa do Flamengo de Zico


Oscar Schmidt viveu um dia especial. Na luta contra o câncer no cérebro, o maior jogador brasileiro de basquete se ajoelhou e pediu a bênção do Papa Francisco. E a mão santa do pontífice parou na cabeça do Mão Santa brasileiro. O momento emocionou todos que estavam em volta. Fabi, estrela do vôlei brasileiro, chorou. O encontro aconteceu durante um evento realizado sob chuva no jardim do Palácio da Cidade, em Botafogo, no Rio de Janeiro, quando o Papa Francisco conheceu personalidades esportistas brasileiras e abençoou a bandeira olímpica e a bandeira paralímpica.

No encontro com o Papa, Oscar se emocionou. Disse para quem estava ao lado que era o momento mais especial da sua vida: "se não me curar agora, não me curo mais", chegou a dizer. Minutos mais tarde, o Mão Santa participou por telefone do Encontro com a Fátima, programa da TV Globo:

- Ele pode abençoar, mas quem cura é sua fé. E agradeço muito a oportunidade que tive. Eu apertei a mão do Papa. Essa é uma coisa incrível, que aconteceu na minha vida. Eu posso falar para você que se não curar agora não vai curar nunca mais. Esse cara é demais. É o Papa Chico que o mundo inteiro ama - disse Oscar Schmidt, que em abril passou por uma operação no hospital Sírio-Libanês.


mãos
santas (J.P.Engelbrecht/Prefeitura do Rio) 

Das mãos de Zico, o Papa recebeu também uma camisa do Flamengo. O Galinho ficou cerca de 30 segundos ao lado do pontífice. Ele também ganhou do presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman, uma camisa do COB com o nome Papa Francisco. O encontro com o coordenador técnico da seleção brasileira, Carlos Alberto Parreira, foi mais longo e animado. O tetracampeão do mundo mostrou muito bom humor e brincou com a nacionalidade e o carinho do papa com o futebol.

Deus não é brasileiro? É questão de hierarquia. Ele vai precisar resolver esse problema. Papa é Papa e não tem nacionalidade. Mas vamos rezar para uma final entre Brasil e Argentina em 2014. Penso que o Brasil tem condições, e a Argentina tem um grande time. Uma final sul-americana cairia muito bem. Eles têm o melhor do mundo, que é o Messi - disse o tetracampeão, abrindo um largo sorriso.

 Depois, o pontífice foi referenciado por Zico. Entre os convidados também estavam Lars Gral, Bárbara Leôncio, a judoca Karla Cardoso, Marcelinho Machado, o ponta Riad, a líbero Fabi, a central Fabiana, que foram prontamente liberadas pelo técnico José Roberto Guimarães do treino da manhã seleção de vôlei, que se prepara no CT de Saquarema para a disputa do Grand Prix.

- O carisma do Papa me impressionou desde que ele foi escolhido. Ele está no nosso país e falando a nossa língua, quebrando protocolos. Viemos aqui pegar um pouco da bênção dele e levar para as nossas companheiras. Vai ser importante para a cidade e para o país já que vamos sediar a Copa e os Jogos Olímpicos - disse Fabi.

Papa comenta encontro pelo Twitter

Pelo Twitter, o Papa Francisco comentou o encontro com as personalidades do esporte brasileiro:

- Que o esporte seja sempre instrumento de intercâmbio e crescimento e nunca de violência nem de ódio. #Rio2013 #JMJ - escreveu.

Depois do evento, o Papa deu continuidade à sua agenda na Jornada Mundial da Juventude, e seguiu para uma visita à comunidade de Varginha, em Manguinhos.


Bandeira Olimpica e paralimpica Cerimônia papa (Foto: Danielle rocha) 
Papa Francisco abençoa a Bandeira Olímpica  (Foto: Danielle rocha)

zico, oscar, fabi, lars grael, elano papa rio de janeiro (Foto: Reprodução/Instagram) 
Zico, Oscar, Fabi, Lars Grael, Elano no evento do Papa Francisco no Rio (Foto: Reprodução/Instagram)

Cerimonia Papa (Foto: Danielle rocha) 
Fabi e a meia Fabiana no evento em que o Papa Francisco abençoou a bandeira olímpica (Foto: Danielle Rocha)