Tu és... Time de tradição... Raça, amor e paixão... Oh meu Mengo!!! Eu... Sempre te amarei... Onde estiver estarei... Oh meu Mengo!!!

sábado, 6 de junho de 2015

Cristóvão elogia time e torcida do Flamengo e diz que 1ª vitória trará tranquilidade


Cristóvão Borges, Flamengo x Chapecoense (Foto: André Durão/GloboEsporte.com)
Cristóvão Borges conseguiu o que queria diante da Chapecoense, neste sábado, no Maracanã. Ele passou a semana mirando o óbvio: "É preciso vencer, porque só teremos tranquilidade com uma vitória, Tudo vai mudar a partir do resultado positivo..." E o Rubro-Negro venceu. Foi só por 1 a 0, mas o suficiente para tirar um peso enorme das costas.

– Estávamos precisando, não tínhamos vitória no campeonato, e isso não é campanha para o Flamengo. (A vitória) vai dar mais tranquilidade para nós. E tudo isso aconteceu porque precisávamos dar uma resposta. A equipe vinha se empenhando, a torcida veio, deu força. Devemos parabenizar não só os jogadores, mas a torcida também pelo apoio que foi dado – reconheceu.

A tal tranquilidade que Cristóvão tanto esperava, segundo o próprio, agora influenciará até mesmo no fechamento das negociações. O Flamengo trata com vários jogadores, mas Emerson Sheik, ainda vinculado ao Corinthians, e o palmeirense Ayrton (lateral-direito) podem ser anunciados no decorrer da próxima semana. Perguntado se Sheik o agrada, confirmou e mostrou confiança em acertos com outros nomes.

– Sim, sim. A vitória veio, e a bola que era difícil para entrar, entrou. Aí a negociação assim começa a dar certo. É assim na fase boa e na fase difícil, para o bem e para o mal. Chegamos com sequência de jogos e com pouco tempo para fazer alguma coisa, sem tempo para fazer trabalho táticos. Essa vai ser a primeira semana livre, mas o mais importante foi a vitória. Era difícil trabalhar sob pressão, cria-se uma ansiedade muito grande. O comportamento foi muito bom em relação a isso. Talvez não deem o mesmo peso à vitória pelo adversário, mas o Brasileiro não tem distinção, porque todos os jogos são assim. Até os lideres têm dificuldades. Uma vitória como essa significa muito, porque queríamos mudar a situação, isso estava incomodando demais. A diretoria está trabalhando bastante, com possibilidade de chegada de jogadores para esta semana, o que melhora o ambiente também, os jogadores ficam mais tranquilos. Era o tempo que precisávamos para respirar – disse, aliviado.

Confira outros tópicos abordados por Cristóvão durante a coletiva.

Por que o time se preocupou mais em não perder após fazer 1 a 0?
Tudo isso é compreensível. Vimos de uma sequência de resultados negativos, e o desejo de parar (a sequência ruim) era muito grande. Saímos na frente, o que é muito importante. Passamos a procurar a controlar o jogo. Desde sempre sabíamos que o importante era a vitória. A entrega foi muito grande nos últimos jogos, mas também para selar tudo isso é preciso ganhar para poder dar tranquilidade.

Eduardo da Silva
Dependendo da nossa necessidade, na nossa estratégia uma das funções dele era jogar enfiado para prender zagueiros. Prendeu a bola, que não ficava indo e voltando. Cumpriu bem a função, ajudou bastante a equipe. Uma pena ele não fazer o gol.

Torcida
Fundamental e decisiva sempre. Nós sabemos disso, e os adversários também. Temos que fazer isso valer. Flamengo é briga, luta, vitórias e títulos. Precisávamos de uma vitória. Pedimos, convocamos, e eles vieram. Jogaram juntos e ficamos todos felizes.

Time versátil
Nosso elenco ainda não é numeroso, e a importância de ter jogadores que façam mais de uma função é muito grande. Temos vários jogadores assim. Converso com todos eles e com o Jayme para saber quem joga em mais de uma posição. Primeiramente, eles querem é jogar. Se puderem contribuir, vão lá e jogam. O Luiz contribuiu bem na lateral, o Pará ajudou pela esquerda também. Eles dois deram solidez à equipe.

Casos de corrupção na Fifa e na CBF
Eu não sei quanto interfere (na cabeça dos jogadores), mas isso cria expectativa para todos nós que trabalhamos no futebol. Quando acontece esse tipo de coisa, dá esperança de que algo vai obrigatoriamente mudar. Assim como ocorre na nossa política.

Brasil na Copa América
Dunga começou muito bem, com resultados positivos. Teve alguns problemas de lesão em relação à primeira convocação, mas acho que tem tudo para fazer uma bela Copa América.

Autor do gol da vitória, Gabriel fala em alívio e projeta arrancada no Brasileiro


Não foi a exibição dos sonhos, mas o gol de Gabriel aos 19 minutos do segundo tempo garantiu ao Flamengo uma semana menos conturbada para trabalhar. A torcida aplaudiu, e o responsável por colocar a bola na rede não escondeu o alívio por ter encerrado uma sequência sem resultados positivos da equipe no Campeonato Brasileiro. Ao fim da partida, Gabriel destacou o desempenho da equipe nos dois últimos jogos sob comando de Cristóvão Borges e justificou o pedido para deixar o gramado.

- Alívio (o gol). Já tínhamos feito uma grande atuação contra o Cruzeiro, mas não saiu a vitória. Hoje saiu e coroou a atuação do time. Agora é dar continuidade e crescer no campeonato. Não tive muita sorte no primeiro tempo, agora tive sorte. Saí porque estava cansado, fiquei sem jogar, duas semanas sem ser titular. Deu para descansar, mas se perde ritmo também. Professor disse: "Vai até onde dar, qualquer coisa sai". Melhor botar alguém ali com tanque cheio para segurar a vitória do Flamengo.
 
 
Gabriel foi oportunista no lance do gol do Flamengo. O meia-atacante aproveitou a saída errada do goleiro Danilo e bateu de primeira. Após a partida, já na zona mista, o jogador ainda brincou com a finalização. 

- Ou manda na lua ou para dentro do gol, mas um lance como aquele tem de pegar de primeira mesmo.

Para Samir, novamente titular ao lado de Wallace na defesa, a determinação durantes os 90 minutos de jogo foi determinante para a vitória. Após longo período de recuperação, o zagueiro fez questão de agradecer o apoio do torcedor e já sonha com uma temporada vitoriosa. 

- Sabíamos que íamos ter dificuldade, graças a Deus veio a primeira vitória. Espero embalar. Foi dedicação do início ao fim. Esforço físico mesmo, vim de muito tempo parado. Hoje tivemos trabalho na frente. Não que contra o Cruzeiro não tivesse tido, mas a entrega de hoje foi maior e melhor. E o resultado veio. Fico feliz pelo reconhecimento da torcida, apoiou do início ao fim, acreditando na gente. Início de grande ano para a gente.

Muito aplaudido pelos torcedores, Luiz Antônio admitiu a ansiedade pelo primeiro resultado positivo no campeonato e ainda afirmou que a vontade é ser definitivamente um lateral-direito.

- A vontade de querer ganhar deixa a gente muito nervoso. Graças a Deus conseguimos sair vitoriosos hoje, isso é muito importante. A partir de agora sou lateral.

Gabriel comemora gol Flamengo x Chapecoense (Foto: André Durão/GloboEsporte.com) 
Gabriel comemora o gol que deu a vitória ao Flamengo diante da Chapecoense (Foto: André Durão/GloboEsporte.com)

Flamengo 1 x 0 Chapecoense

Ficha técnica.

Gol: Gabriel

Público pagantes:16.960 
Públicopresentes: 20.156 
Renda: R$ 619.907,50


Cartão amarelo: Marcelo Cirino
Cartão vermelho:  Vilson

Flamengo: Paulo Victor, Luiz Antonio, Wallace, Samir(Bressan) e Pará; Jonas(Frauches) , Márcio Araújo, Canteros e Gabriel(Paulinho); Eduardo da silva e Marcelo Cirino.
Técnico: Cristóvão Borges

Chapecoense:   
Danilo; Apodi, Rafael Lima, Vilson e Dener; Elicarlos, Gil, Bruno Silva(Abuda) e Wagner(Maranhão); Ananias(Neto) e Edmilson.
Técnico: Vinícius Eutrópio

Data: 06/06/2015
Hora: 18h30
Local: Maracanã, estádio do Flamengo

Transmissão: Premiere e SporTV


Árbitro: Anderson Daronco (RS)
Auxiliares: Fabricio Vilarinho da Silva (GO) e Fabiano da Silva Ramires (ES)

Guerrero faz exame e tranquiliza torcida após usar muletas: "Estou bem"

O atacante Paolo Guerrero tranquilizou a torcida do Peru - e do Flamengo, consequentemente - neste sábado: após realizar um exame de ressonância magnética, o camisa 9 deu a entender que a lesão no tornozelo direito não é grave.

- Estou bem. Mensagem para a torcida? Nada. Estou bem - disse o atacante.

Ao deixar a clínica, Guerrero usava chinelo apenas no pé direito e mancava um pouco. Mais cedo, o atleta deu um susto nos torcedores ao deixar o jogo-treino da seleção peruana, logo aos cinco minutos, com dores no tornozelo e teve que sair do gramado de muletas.

Após a ressonância magnética, o médico do Peru, Julio Segura, demonstrou confiança na presença do atleta na estreia da Copa América, contra o Brasil, no dia 14, em Temuco (veja a tabela completa do torneio no Chile).

- Paolo apresenta uma entorse no tornozelo direito de grau um a dois. Há certa preocupação do departamento médico, mas a experiência nos diz que clinicamente pode ter uma evolução favorável. Nos parece que vai chegar ao primeiro jogo - disse o médico.

Herói do título mundial do Corinthians em 2012 - foi o autor do gol da vitória por 1 a 0 sobre o Chelsea, no Japão -, Guerrero deixou o Timão e assinou contrato de três anos com o Flamengo no final de maio. A apresentação do peruano pelo clube carioca será realizada só depois da Copa América.


Guerrero - clinica - Peru (Foto: Reprodução) 
Guerrero deixa clínica no Peru após realizar exame de ressonância magnética (Foto: Reprodução)

Guerrero sente lesão em jogo-treino do Peru e deixa o gramado de muletas


Paolo Guerrero - Peru - muletas (Foto: Reprodução)
Paolo Guerrero virou motivo de preocupação para duas torcidas. Reunido com a seleção peruana para a disputa da Copa América, o novo atacante do Flamengo sentiu dores no tornozelo direito neste sábado e teve que deixar o gramado de muletas, mancando.

Durante o jogo-treino preparatório para a Copa América, contra a seleção peruana sub-22, o jogador precisou ser substituído por Claudio Pizarro, virando desde já uma preocupação para o técnico Ricardo Gareca (ex-Palmeiras) para a disputa da Copa América. O novo camisa 9 rubro-negro atuou apenas cinco minutos e fará uma ressonância magnética para saber a gravidade da lesão, mas ainda não há maiores informações sobre a condição física do atleta.

- Guerrero é uma peça chave para nós e esperamos que possa se recuperar logo. Nos disseram que é uma inflamação no tornozelo. Esperamos que melhore, é nosso principal jogador - disse o goleiro Gallese, após o jogo-treino.

Na noite da última quarta, o atacante atuou normalmente no amistoso contra o México. Inclusive, apesar da atuação apagada, participou como protagonista do único gol peruano no empate em 1 a 1 com a seleção azteca.

Ainda sem saber se poderá contar com Guerrero, o Peru estreia na Copa América contra o Brasil, dia 14 de junho, em Temuco. Gareca tem outros dois problemas por lesão no momento: Luis Advíncula e Yoshimar Yotun. Caso Guerrero seja cortado, o ex-técnico do Palmeiras poderá substitui-lo por Daniel Chávez ou Irven Ávila. 


Jeep negocia com a Juventus amistoso com o Flamengo em novembro

montagem Tevez Juventos Cirino Flamengo (Foto: ArteLANCE!)
.
 

O Flamengo completa 120 anos no próximo mês de novembro. Para comemorar, a Jeep, patrocinadora da barra da camisa rubro-negra, negocia com a Juventus (ITA), finalista da Liga dos Campeões da Europa (enfrenta neste sábado o Barcelona, às 15h45, com transmissão em tempo real pelo LANCE!), um amistoso entre as equipes no mês de aniversário do Flamengo. A montadora, vale destacar, também patrocina o clube italiano.

A ideia surgiu em conversas entre o departamento de marketing do Flamengo e da Jeep. O aniversário do Rubro-Negro é no dia 15 de novembro, mas não está descartada a possibilidade do amistoso ocorrer em outro dia do mesmo mês. A intenção da diretoria da Gávea é a do jogo acontecer no Maracanã, com a delegação italiana se deslocando para o Brasil.

Nos corredores da Gávea, a informação animou dirigentes, que veem neste amistoso contra a Juventus a possibilidade do Flamengo aumentar significamente o número de sócios-torcedores. Outras ações, além desta, estão sendo dialogadas pelo departamento de marketing. A Adidas, fornecedora de material esportivo de ambas as partes, promete entrar nas negociações para viabilizar e confirmar o encontro o quanto antes.


Vaza suposta camisa da Juventus 2015-2016 feita pela Adidas
 
 

















Palmeiras libera, e Flamengo pode fechar contratação de Alan Patrick


Alan Patrick Palmeiras (Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação)
O Flamengo está perto de fechar a contratação do meia Alan Patrick, do Palmeiras. O jogador de 24 anos está emprestado pelo Shakhtar Donetsk ao Verdão até dezembro, mas, como não vem sendo titular, foi liberado pelo clube paulista para negociar com o Fla. O vínculo iria também até o fim do ano.

Cícero de Souza, gerente de futebol do Palmeiras, confirma a informação e diz que, por conta da negociação com o Flamengo, Alan Patrick nem será relacionado para o jogo de domingo, contra o Figueirense, em Florianópolis. Já a diretoria do clube carioca ainda não se manifestou.

A expectativa fica por conta da liberação do Shakhtar Donetsk. Entre Palmeiras e Flamengo está tudo certo. Se os ucranianos não aceitarem a liberação, o meia seguirá no Verdão.

Com Cleiton Xavier, Robinho, Zé Roberto e a recente contratação de Fellype Gabriel, além de Valdivia, que negocia sua renovação de contrato, o Palmeiras ficou com um excesso de armadores no elenco, e Alan Patrick perdeu espaço. O meia fez apenas 13 jogos com a equipe até o momento.

Alan Patrick foi revelado pelo Santos, na mesma geração de Ganso e Neymar, e participou ativamente da conquista da Libertadores de 2011. Na sequência, foi vendido para o Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, por 4 milhões de euros. O jogador, porém, não conseguiu se firmar na Europa e foi emprestado para o Inter em 2014 e depois para o Palmeiras no último mês de janeiro.

Além de Alan Patrick, outro jogador que pode trocar o Palmeiras pelo Flamengo é o lateral-direito Ayrton. O clube carioca demonstrou interesse no atleta, mas a diretoria do Verdão avisou que pretende utilizá-lo no jogo contra o Figueirense, domingo, antes de liberá-lo.

O atacante Alecsandro, por sua vez, fará o caminho inverso. Ele se apresenta ao Palmeiras na segunda ou terça-feira.

Quebra o jejum! Artistas fazem palestra motivacional para jogadores do Flamengo





Artistas foram na noite desta sexta-feira até a concentração do Flamengo fazer uma palestra motivacional aos jogadores rubro-negros, que não vencem desde o dia 22 de abril uma partida oficial e neste sábado enfrentam a Chapecoense. Nomes com Ivo Meirelles e Sandra de Sá participaram da palestra, que contou com a presença do vice-presidente de futebol, Alexandre Wrobel. Nas redes sociais, Ivo publicou uma mensagem sobre o encontro em sua conta no Instagram (Foto: Reprodução)

Flamengo busca contratação do lateral-direito Ayrton, do Palmeiras


Ayrton Palmeiras (Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação)Enquanto o Palmeiras aguarda para anunciar o atacante Alecsandro, que estava no Flamengo, um jogador está perto de fazer o caminho inverso: o clube carioca busca a contratação do lateral-direito Ayrton, reserva no Verdão atualmente.

As conversas estão adiantadas, mas ainda faltam alguns detalhes para a definição. O contrato será por empréstimo até o fim da temporada. 

O Palmeiras deve aguardar a partida de domingo, contra o Figueirense, para liberar o jogador, já que a tendência é que ele seja titular - Lucas está suspenso e João Pedro com a seleção brasileira no Mundial Sub-20.

Ayrton tem contrato com o Palmeiras até o fim do ano. Caso não renove com o Alviverde, ele ficaria livre para assinar definitivamente ao término do empréstimo.

Os direitos econômicos do lateral-direito pertencem 50% ao Verdão e 50% ao Londrina. Sem destaque no Palmeiras, ele já havia sido emprestado ao Vitória no ano passado.

sexta-feira, 5 de junho de 2015

Com Alecsandro fora, Baggio é relacionado contra a Chapecoense


Douglas Baggio comemora gol pelo Flamengo (Foto: Divulgação/Flamengo)Com a confirmação da saída de Alecsandro do Flamengo, o clube optou por não utilizá-lo no jogo contra a Chapecoense, neste sábado, às 18h30 (de Brasília), no Maracanã. Com isso, quem o substitui na relação é o jovem Douglas Baggio.

Baggio tem duas partidas como profissional. Estreou em 2014, no empate por 2 a 2 com o Bangu, jogo no qual o Rubro-Negro entrou com uma equipe formada majoritariamente reservas e juniores. Na atual temporada, atuou na vitória por 2 a 0 sobre o Nacional-URU, partida amistosa que marcou a despedida de Léo Moura.

Confira a lista de relacionados atualizada:

Goleiros: Cesar, Paulo Victor
Zagueiros: Bressan, Frauches, Marcelo, Samir, Wallace
Laterais: Anderson Pico, Pará, Thallyson
Volantes: Jonas, Canteros, Luiz Antonio, Márcio Araújo
Meias: Arthur Maia, Matheus Sávio
Atacantes: Douglas Baggio, Eduardo, Gabriel, Marcelo Cirino, Paulinho

Alecsandro rescinde com Flamengo e não é mais jogador do Rubro-Negro

Alecsandro treino Flamengo (Foto: Cezar Loureiro / Ag. O Globo)
A esperada saída de Alecsandro do Flamengo foi confirmada oficialmente na noite desta sexta-feira. Em nota oficial, clube e assessoria de imprensa do jogador afirmaram que o contrato foi rescindido de forma amigável com na tarde desta sexta-feira. Com isso, o atleta não está mais relacionado para o jogo deste sábado, contra a Chapecoense, no Maracanã. Mais cedo, após o treino, Cristóvão Borges havia confirmado a presença do jogador.

Alecsandro está de saída para o Palmeiras, embora o lado do clube paulista ainda não tenha sido confirmado. Durante a semana, o atacante mostrou incômodo com a condução de sua saída do clube, mas em sua mensagem de despedida, o atleta preferiu manter o tom amistoso em relação à direção. Já nas palavras oferecidas à torcida, muito carinho.

- Hoje, encerro meu ciclo em um dos maiores clubes do Brasil e do mundo, onde fui muito feliz e consegui conquistar o carinho do torcedor. Vestir o manto sagrado sempre foi um sonho, e o realizei em quase um ano e meio de Flamengo. Deixo meu nome na história do clube com títulos e gols. E aproveito para agradecer à toda diretoria, aos funcionários, aos atletas e companheiros que puderam compartilhar comigo momentos tão felizes - disse.

O presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, agradeceu a Alecsandro pelos serviços prestados com a camisa do clube.

- Alecsandro está deixando o Flamengo agora porque não conseguimos garantir a extensão de seu vínculo com o clube. Agradeço tudo o que ele fez pelo Flamengo e desejo muito sucesso na continuação de sua carreira -afirmou .

Alecsandro chegou ao Flamengo no início de 2014. Desde então, foram 73 jogos e 32 gols. Sagrou-se campeão do Carioca do ano passado, competição da qual terminou como vice-artilheiro.

O Palmeiras será o 11º clube de Alecsandro como profissional. Antes, havia defendido Vitória, Sport, Ponte Preta, Cruzeiro, Sporting-POR, Al-Wahda (EAU), Internacional, Vasco, Atlético-MG e Flamengo.

Sábado tem Mengão na TV


Brasileirão Série A                                          


Sábado, 06

18h30 Flamengo x Chapecoense



Transmissão: SporTV (menos RJ) e Premiere  com Eduardo Moreno, Raphael Rezende e Roger Flores)

Cristóvão confirma Alecgol no sábado, mas deixa futuro em aberto


A parceria de Cristóvão Borges e Alecsandro, reeditada no Flamengo, começou em 2011, quando ambos defendiam o Vasco. Desde então, o atacante ganhou a confiança do treinador e, mesmo envolvido em uma negociação com o Palmeiras, foi confirmado para o compromisso diante da Chapecoense neste sábado, às 18h30, no Maracanã.

A possibilidade de o artilheiro trocar o Rubro-negro pelo clube paulista, de acordo com Cristóvão, é assunto para a diretoria. Enquanto os dirigentes não confirmam a informação, o comandante destaca a entrega de Alecgol contra Fluminense e Cruzeiro.


- Está treinando, pronto, sem problema nenhum. Até o jogo de amanhã (sábado), sem problemas, vai participar normalmente. Qualquer coisa para frente a diretoria vai me passar. Conheço o Alecsandro, foi meu jogador, conheço bem o atleta, por isso conto com ele. Justamente por conhecer não vejo problema para o jogo. Se fosse assim não faria parte do time que participou quarta-feira. Entrega e empenho foi igual em todas as partidas, assim como será no jogo de amanhã.

Após o anúncio de Paolo Guerrero como reforço do clube após a Copa América, o atacante chegou a afirmar que não gostaria de deixar o Flamengo e criticou a postura da diretoria. Se dependesse de Cristóvão, o atacante continuaria fazendo parte do elenco.

- Quero que ele fique, claro, mas quando cheguei tinha proposta do Grêmio, foi a conversa que tive com ele. É um grande jogador, artilheiro, importante. Não falei sobre a proposta, mas para resolver isso e a utilização dele. Ele vai colaborar, como fez na quarta muito bem e como vinha fazendo. Depois desse jogo vamos continuar conversando.

Alecsandro treino Flamengo (Foto: Cezar Loureiro / Ag. O Globo) 
Perto de sair, Alecsandro conta com apoio de Cristóvão (Foto: Cezar Loureiro / Ag. O Globo)
 
Na derrota para o Fluminense, Alecsandro encerrou jejum de sete jogos sem marcar. O gol marcado após assistência de Armero foi o único em quatro partidas no Campeonato Brasileiro.



Entre diversos nomes em pauta, Sheik esquenta e ganha força no Flamengo



O Flamengo abriu o leque para buscar contratações. Fechou com Paolo Guerrero – que chega depois da Copa América –, sonhou com Robinho, ainda não tem Elias como descartado e mantém a chama da esperança acesa. Tem Montillo no radar, fez sondagem por Ganso e viu diversos outros nomes entrarem em pauta. Mas um deles esquentou: Emerson Sheik, segundo o GloboEsporte.com apurou, já recebeu contato de pessoas ligadas ao clube e tem chance de voltar à Gávea. A tendência é que o martelo seja batido nos próximos dias.

Perguntado sobre Sheik, o diretor de futebol do Rubro-Negro, Rodrigo Caetano, disse “que falará sobre o assunto na semana que vem”. Há um tempo, o atacante já sabe que não terá contrato renovado pelo Corinthians após o fim de julho, quando de fato expira o vínculo. Tite já não conta mais com o jogador, que não foi relacionado para as últimas partidas. Um dos facilitadores é que a negociação com o Flamengo envolve uma ponta a menos. As conversas não mais precisam passar pelo Timão, tratando direto com Emerson e seu empresário

Procurado, Reinaldo Pitta, empresário do jogador, não foi encontrado para comentar sobre a negociação. Mas, desde o dia 20 de maio, Pitta foi autorizado pelo Timão a encontrar uma nova equipe. Desde então, a decisão está basicamente nas mãos dele. Se conseguir um novo clube, já estava combinado que Sheik daria adeus mais cedo ao clube paulista. No Corinthians, o salário do atacante girava na casa dos R$ 500 mil. No Flamengo, ele entraria numa outra realidade financeira e faixa salarial mais abaixo.

Fato é que o que pesa a favor do atacante é o currículo vencedor, um ingrediente que anda em falta no elenco atual. Após não ser relacionado para os jogos contra Grêmio e Joinville, Emerson foi liberado pelo Corinthians e está de folga no Rio de Janeiro.

Aos 36 anos, Emerson teve sua passagem no Flamengo iniciada em 2009, e interrompida no mesmo ano, em agosto, depois de ter recebido proposta milionária do Al Ain dos Emirados Árabes. Desde então, um possível retorno já entrou em pauta por vezes.

Cristóvão minimiza ida da torcida ao CT e mira o óbvio: "Temos que vencer"


Cristóvão Borges diz que ainda tem algumas indefinições em relação ao time (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)
Cristóvão Borges não se assustou com mais um dia de cobrança no Flamengo. Torcedores foram ao CT nesta sexta-feira para conversar com Rodrigo Caetano, e o técnico tratou a situação com naturalidade. Procurou puxar a torcida para seu lado, e bateu no óbvio: é preciso vencer a Chapecoense, neste sábado, às 18h30, no Maracanã. É evidente, outro resultado não interessa ao penúltimo colocado no Brasileirão 2015, mas o treinador trata um triunfo como primordial para uma mudança nos lados psicológico e organizacional dentro de campo.

- O momento é delicado, por isso estamos todos pressionados pela colocação, falta de resultados e vitórias. Isso tudo faz o ambiente ficar assim. Nós respeitamos, porque ainda não conseguimos. No momento, temos a torcida como maior patrimônio do Flamengo, não só reconhecido por nós, mas pelos adversários também. Essa força tem que estar ao nosso favor. Vieram questionar algumas coisas, tiveram respostas e vieram prestar solidariedade também. Nesse momento se faz importante esse apoio, e estamos bastante esperançosos pelo empenho e entrega dos jogadores. Aos jogadores, temos que passar confiança. De uma partida para a outra o comportamento foi melhor. Eu sei que o momento é difícil, mas a entrega e o empenho dos jogadores têm de ser ressaltado. Não estamos satisfeitos, a situação é desconfortável e isso só vai mudar quando a vitória acontecer. Todos sabemos que vivemos na dependência de uma vitória. Temos de ganhar para estabilizar, principalmente psicologicamente. A partir daí o cenário é outro. Muda em relação a tudo. A prioridade, a urgência, é a vitória - insistiu.

Cristóvão não deu pistas de que time levará a campo. De certo, o retorno de Canteros ao meio-campo rubro-negro, setor que perde Everton, suspenso pelo terceiro cartão amarelo.

- Tenho que pensar um pouco, vou olhar mais um pouco da Chapecoense. Tivemos que fazer algumas mudanças obrigatórias, mas é um jogo diferente. O comportamento e o posicionamento mudam. Tenho algumas pequenas indefinições.

O Flamengo, penúltimo colocado com um ponto, encara a Chapecoense neste sábado, às 18h30, no Maracanã. O GloboEsporte.com transmite a partida em Tempo Real.

Veja outros tópicos abordados na coletiva:

Sem comentar o trabalho de Luxemburgo

Muito difícil (falar do que encontrou de errado na equipe) e não ficaria bem de eu falar de um trabalho que não participei. E também seria antiético

"Paciência sem morosidade"

É paciência sem morosidade. Às vezes, pelo excesso de vontade, a ansiedade aumenta, mas acho que o comportamento foi mais equilibrado na quarta-feira (em relação ao Fla-Flu). Fomos mais organizados. Amanhã (sábado), é um jogo diferente de quarta. A obrigação é total nossa, contra um adversário bem colocado, numa boa campanha, que naturalmente viria jogar esperando, no contra-ataque. Vão jogar assim, ainda mais num momento como é o nosso. Vão esperar o nosso erro, mas nosso comportamento será outro.

Mais apelo à torcida

Juntos, nós da comissão técnica, jogadores, diretoria e todos que participam do Flamengo estamos trabalhando com muita esperança devido a tudo que acompanhamos. E aí temos nossa torcida, que é a nossa grande força e é sempre decisiva.

Equilibrar é preciso

Os números dizem bem do desequilíbrio. Essa tem sido a nossa marca e buscamos equilibrar a equipe. O problema é que até para mudar está muito apertado. É tudo para ontem, rápido. Mas já tive boas respostas na quarta-feira.

Veja a lista de jogadores relacionados para o jogo contra a Chapecoense:

Goleiros
Cesar, Paulo Victor

Zagueiros
Bressan, Frauches, Marcelo, Samir, Wallace

Laterais
Anderson Pico, Pará, Thallyson

Volantes
Jonas, Canteros, Luiz Antonio, Márcio Araújo

Meias
Arthur Maia, Matheus Sávio

Atacantes
Alecsandro, Eduardo, Gabriel, Marcelo Cirino, Paulinho

Torcedores vão ao CT em busca de conversa com Caetano e time do Flamengo

Torcida Flamengo Ninho do Urubu (Foto: Felippe Costa)
A cobrança feita no aeroporto após derrotas para Avaí e Cruzeiro se estendeu ao Ninho do Urubu. Na manhã desta sexta-feira, véspera do confronto com a Chapecoense, marcado para o Maracanã, 14 integrantes de organizadas se dirigiram ao portão principal do CT com o intuito de conversar com o diretor executivo de futebol rubro-negro, Rodrigo Caetano, e com o time. Um carro de polícia chegou a verificar a movimentação, mas, como não houve maiores problemas, logo deixou o local.

- Queremos saber o que está acontecendo. Tínhamos time ano passado, mas agora o rendimento é diferente - afirmou um dos torcedores.

Um deles, aliás, garantia estar falando ao telefone com Caetano. Segundo o torcedor, o diretor havia acordado ir ao encontro do grupo. Após a espera no lado de fora, quatro torcedores foram chamados para uma conversa que durou cerca de 50 minutos.

- Foi uma conversa tranquila, apenas para mostrar que estamos aqui para apoiar e cobrar. Perguntamos para ele (Rodrigo Caetano) o que está acontecendo com o time, ele disse que é psicológico o problema. Sempre mantemos contato, ele nos atende bem - contou um deles.

Torcedores entram no Ninho do Urubu  (Foto: Igor Rodrigues) 
Torcedores são autorizados a entrar no Ninho do Urubu para conversa (Foto: Igor Rodrigues)
 
O Flamengo, penúltimo colocado com apenas um ponto, enfrenta a Chapecoense neste sábado, às 18h30, no Maracanã.

Torcida Flamengo Ninho do Urubu (Foto: Fred Gomes) 
Torcedores se posicionam no lado de fora do Ninho do Urubu enquanto time treina (Foto: Fred Gomes)
 
 

Após tentar Ganso e Elias, Flamengo mira Everton Ribeiro


O Flamengo vem fazendo o papel de protagonista no mercado de transferências. Após fechar com Guerrero e sondar Elias e Paulo Henrique Ganso, o Mengão projeta agora uma ofensiva para contratar Everton Ribeiro, bicampeão pelo Cruzeiro e que está com a Seleção Brasileira para a disputa da Copa América. A transação é considerada difícil pela diretoria do Mengão, mas a vontade do jogador pode pesar para um acerto.

Após conquistar inúmeros títulos pelo Cruzeiro, Everton Ribeiro foi cobiçado por muitos clubes do Brasil e do exterior, e acabou parando no Al-Ahli, dos Emirados Árabes. Seis meses se passaram, o jogador encontra-se insatisfeito no seu atual clube e vê com bons olhos um retorno ao futebol brasileiro.

Everton não estaria se adaptando no país, o que fez pode perder uma vaga na Seleção Brasileira, mesmo após ter sido convocado por Dunga. O jogador tentará uma rescisão amigável com o Al-Ahli para se transferir ao Flamengo, porém, o clube não deve liberá-lo tão facilmente.

O Mengão tenta à qualquer custo a contratação de um jogador de renome para fazer dupla com Guerrero. O jogador deixara o Corinthians para acertar com o Flamengo.

Marcezico, único tetracampeão do NBB


Marcelinho Machado nunca foi de meias palavras. Capitão do Flamengo desde 2007 e por quase uma década na seleção brasileira, o camisa 4 da Gávea sempre se posicionou. Errado ou certo, ele não fica em cima do muro. Seja para fazer uma crítica, cobrar salários atrasados ou simplesmente omitir uma opinião. Em benefício próprio ou em nome de um companheiro. Dentro de quadra, na frente das câmeras ou no vestiário. Tanto faz, Marcelinho é sempre o mesmo. Um fominha convicto, viciado em vencer. Marcelinho acertou mais do que errou. Ganhou muito mais do que perdeu. Idolatrado pelos rubro-negros, odiado pelos rivais. Ódio esse que no esporte tem muito mais a ver com respeito e admiração do que com a raiva propriamente dita. Afinal, Marcelinho, chamado por alguns de Marcezico, já perdeu a conta de quantas vezes calou o ginásio de um adversário com sua mortal bola de três e, depois, se viu obrigado a perder horas tirando fotos e distribuindo autógrafos para a torcida rival. Esse é Marcelinho Machado, o segundo dos três filhos de Renê e Cristina, o pai de Gustavo e Tiago, o marido de Renata.

Marcelo Machado, Marcelinho, jogador de basquete do Flamengo, campeão do NBB (Foto: André Durão)De volta ao Flamengo em 2007, Marcelinho Machado mudou a história do basquete rubro-negro (Foto: André Durão)


Único tetracampeão da história do NBB e dono de seis títulos nacionais - cinco com o Flamengo e um com o extinto Telemar -, Marcelinho parece não ter fim. Aposentou-se da seleção em 2012, voltou atrás dois anos depois e ainda sonha com as Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016. Motivado como um garoto, faminto com sempre, ele não cansa de ganhar. Aposentadoria? Nem pensar, pelo menos por agora. Apesar dos 40 anos completados dia 12 de abril desse ano, o ala garante que jogará mais uma temporada pelo menos. Depois disso, só sua motivação e, principalmente, seu corpo poderão decidir por ele.

Por ironia do destino, o basquete apareceu por acaso. Ele não se lembra do primeiro arremesso, mas não esquece do dia onde tudo começou no ginásio Togo Renan Soares, na Gávea. Convidado pelo "tio Peixotinho" para bater uma bola, o ala não parou até hoje. De cesta em cesta, o capitão do Flamengo não para de colecionar títulos, não se cansa de levantar troféus e já não tem mais pescoço para pendurar tantas medalhas. Há oito anos no Flamengo, são 20 finais com a camisa rubro-negra e nada menos do que 17 conquistas: nove estaduais consecutivos, cinco nacionais - quatro do NBB -, uma Liga Sul-Americana, uma Liga das Américas e a Copa Intercontinental, equivalente ao Mundial Interclubes. Uma coleção que ele jamais imaginou ter.

O Fluminense foi seu primeiro time, mas foi no Flamengo que o ala se tornou o cara. O cara que mudou o rumo da história da modalidade no clube do coração e por isso é chamado carinhosamente pelos rubro-negros de Marcezico, honraria que ele não sabe se merece e tampouco sabe como agradecer. O cara que na adolescência adorava matemática e chegou a prestar vestibular para engenharia. O cara que escolheu o basquete, e, no lugar de prédios, preferiu construir uma carreira.

E que carreira. Vitoriosa, com passagens por Tijuca, Corinthians-RS, Botafogo, Ginástico, Uberlândia, Telemar, Zalgiris Kaunas, da Lituânia, Rimini Crabs, da Itália, e Cantabria Lobos, da Espanha. Marcelinho é o cara que por 16 anos jamais recusou uma convocação para a seleção e que ajudou a levar o Brasil novamente às Olimpíadas após quatro edições ausentes. O cara que prefere ser manager do que técnico. O cara que cursa a faculdade de marketing e está devendo algumas matérias. O cara que não cansa, insaciável e que quer sempre mais.

Confira a entrevista na íntegra: 

GloboEsporte.com: Em oito anos de Flamengo, você disputou 20 finais e conquistou 17 títulos. São números impressionantes. Vocês esperava ganhar tanta coisa quando voltou ao clube em 2007?
Marcelinho:
Sinceramente, não esperava ganhar tanto. Mas as coisas foram acontecendo e eu projetando ganhar mais títulos. Até pelo investimento do clube no basquete isso foi se tornando cada vez mais possível. Já estou há oito anos no Flamengo e tenho certeza de que ajudei a escrever a história do basquete rubro-negro. Isso é um privilégio que tive na minha carreira. Na verdade, dois. O outro foi ter jogado tanto tempo na seleção brasileira. Quando era moleque, ainda nas categorias de base, lembro que eu, meu irmão (Ricardo) e o Peixoto (André Peixoto, filho do ex-jogador e técnico Peixotinho) ficávamos sonhando em um dia nos tornar jogadores profissionais e viver apenas do basquete. E hoje me vejo nessa condição. 

Marcelo Machado, Marcelinho, jogador de basquete do Flamengo, campeão do NBB (Foto: André Durão) 
Marcelinho posa com os troféus do NBB, da Liga das Américas e da Copa Intercontinental  (Foto: André Durão)
 
Quando você realmente decidiu se tornar um jogador de basquete?
Estudei até o terceiro ano de forma integral, estudava de manhã e depois ia direto para o Fluminense treinar. Ali eu tomei a decisão. E é engraçado porque na época eu tinha 17, 18 anos, e hoje em dia essa decisão tem que ser tomada antes. As coisas estão muito mais profissionais e, aos 15 anos, os meninos já têm que se doar totalmente ao esporte. Fica aqui até uma crítica pelo modelo que nós temos, pois deveria ser um processo simultâneo de estudar e jogar porque sabemos o quanto é difícil viver do esporte. Terminei o terceiro ano e cheguei a fazer vestibular na UERJ para engenharia, mas fiz a prova sabendo que não iria cursar. Ali eu já sabia que queria ser jogador de basquete e tinha que me doar ao esporte.

Quer dizer que você chegou a pensar em ser engenheiro?
Eu sou muito bom em matemática, sempre gostei da área de exatas e cursei muito mais por uma obrigação em ter que escolher alguma coisa para fazer. Inclinei-me para isso mas não era uma coisa clara para mim e, hoje, percebo que não teria nada a ver comigo. Felizmente escolhi o basquete e acho que foi muito melhor para mim (risos).

Mas hoje você faz faculdade. Como anda a vida de estudante?
Faço, de marketing. Tenho que correr atrás por que estou devendo lá. Esse último semestre foi muito ruim para mim. O primeiro foi muito bom, cursei oito matérias e passei nas oito. O segundo eu cursei oito e passei em seis, o terceiro cursei oito e passei em cinco e, no quarto, estou cursando oito também e está complicado o negócio. É difícil porque o basquete exige muito do meu tempo, e as matérias vão ficando mais complexas. Mas vai dar tudo certo, nem que demore um pouquinho mais do que estava previsto. 

Muita gente aponta você como o jogador mais importante da história do basquete do Flamengo. Você também se sente assim?
Sem modéstia, acho que sou um cara importante para a história do clube, mas o Flamengo tem muita história. Muitos jogadores que passaram por aqui também marcaram época e prefiro deixar para vocês decidirem se devo ser ou não. Outro motivo de orgulho é quando deixo o ginásio depois de um jogo e os torcedores me chamam de Marcezico! Isso não tem preço para quem é rubro-negro. Só de estar na mesma frase que o Zico já é motivo de orgulho máximo para qualquer atleta. Tive pouco contato com o Zico, acho que apenas três vezes na minha vida, mas ele é o único cara que quando estou junto fico nervoso. Já tive com vários jogadores importantes na história do clube, como Júnior, por exemplo, mas ele é um cara que me marca de um jeito, talvez até pelo fato de ter o encontrado pouco, que não sei explicar. A última vez foi até sem querer, na escolinha de futebol do meu filho, inclusive antes da final. E ele deu uma força enorme dizendo que estava na torcida e que nós ganharíamos. Depois ainda vi o vídeo que ele mandou para gente. Esses caras são os maiores ídolos do Flamengo e poder ter o carinho deles em relação ao basquete é uma coisa complicada até para ser digerida. Me lembro de estar na arquibancada do Maracanã torcendo por eles e, de repente, vejo esses caras torcendo por nós e mandando mensagens de apoio. Isso é o Flamengo, um torce muito pelo outro, independentemente da modalidade ou da geração. 

Você lembra da primeira vez que pegou numa bola de basquete?
Putz, não! O que eu lembro muito bem é de estar sentado na arquibancada do ginásio Togo Renan Soares vendo meu irmão treinar e, como havia faltado alguém para treinar nesse dia, o Peixotinho me chamou para bater bola. Coincidentemente, o Flamengo montou um time da minha categoria, que era o pré-mirim e não tinha no clube na época, justamente naquele ano. E aí eu comecei a jogar. De lá para cá, não foram só alegrias, mas meu amor pelo basquete só aumentou.

Você consegue ver no Gustavo (o filho mais velho) essa mesma identificação?
Igualzinho. Meu pai fala muito para mim que quando acaba os jogos e ele olha para o Gustavo batendo bola com o filho do Neto, o meu sobrinho, filho do Duda, lembra de mim e do Ricardo ainda crianças fazendo a mesma coisa. É muito semelhante, é a história se repetindo. Não sei se ele vai ser jogador, só quero que ele seja feliz. Eu sou muito feliz jogando basquete. Se ele quiser seguir meu exemplo vou apoiar. 

Mudando de assunto, essa temporada foi atípica e cheia de reviravoltas. Qual foi a lição que você tira de tudo que aconteceu e qual foi o momento mais difícil?
Cada ano o time tem que se adaptar e procurar ser o melhor possível para conquistar os objetivos. Nessa temporada foi colocada uma forma de a equipe jogar na qual tive que me adaptar. Já tinha passado por tudo isso na seleção, mas o problema que aconteceu durante a temporada realmente foi um pouco complicado. Mas acabou que deu tudo certo. Quando temos as melhores intenções e queremos as melhores coisas para o coletivo, acho que até a briga é bem-vinda. No bom sentido, é claro, uma discussão.

Neto Marcelinho Machado Flamengo campeão NBB (Foto: Fotojump/LNB) 
Marcelinho Machado e José Neto comemoram lado a lado o tetracampeonato do Flamengo no NBB (Foto: Fotojump/LNB)
 
Você acredita que essa "briga" tenha sido o momento mais difícil da sua carreira e que talvez tenha servido para o time dar uma virada?
Não colocaria como um momento muito difícil. É uma coisa que acontece em qualquer ambiente de grupo e até em família pela convivência. Às vezes nós discordamos de certas coisas, a maneira com elas são feitas, e não somos obrigados a concordar sempre com tudo. O importante é querer a mesma coisa, que é querer ganhar e ajudar o time. Acho que no fim das contas as coisas se resolvem quando existem esses sentimentos, e foi isso que aconteceu. Desde que cheguei ao Flamengo sempre procurei ajudar o time a vencer. Foi um pouco mais complicado nessa temporada, mas acho que consegui mais uma vez.

A temporada passada perfeita de alguma maneira colocou muita pressão sobre vocês e tornou o ano mais difícil?
Ano difícil é aquele que você não ganha nada, e esse começou com o título mundial. O problema é que quando o clube encerra uma temporada com o bicampeonato do NBB e começa o seguinte com um título mundial, a cobrança muda tanto de fora para dentro como internamente. É preciso ter muito cuidado nesse momento, mas podemos dizer que tivemos mais uma temporada vitoriosa. Perdemos apenas a Liga das Américas de uma maneira que não esperávamos dentro de casa.

Depois de todos os problemas, você acabou mesmo que indiretamente sendo personagem de dois momentos especiais: o primeiro quando o Marquinhos abriu mão de ser o capitão por sua causa e depois ao receber um braço do Neto antes de subir ao pódio para segurar o troféu pelo tricampeonato do NBB. Isso mostra o quanto você ainda é importante para o Flamengo e o quanto esse grupo é unido?
Foi criada uma situação muito maior do que ela realmente deveria ser. O que aconteceu foi uma discussão de vestiário, de cabeça quente, que poderia ter sido resolvida de uma maneira muito mais simples. Só que saiu do vestiário, ganhou uma proporção enorme e acabou vazando na imprensa. Esse foi o grande problema. Já presenciei situações muito piores, inclusive com jogadores brigando, não esse ano, e que acaba sendo contornado. São situações de momento em que as pessoas acabam brigando, mas não quer dizer que elas se odeiam ou que não podem conviver. Não é nada disso, é apenas uma coisa de momento, uma discordância sobre alguma situação que aconteceu e que, de cabeça quente, acaba sendo tomando a decisão errada. Não deveria ter sido criado um problema tão grande, mas acabou acontecendo. Acho que foi contornado de uma maneira positiva por todos os envolvidos, mas acabei sendo afastado por um período do time. Isso com certeza foi a parte mais dolorosa.

Qual foi a lição que você tirou de tudo isso?
Acho que perante o grupo eu não poderia ter tomado a atitude que tomei. Deveria ter agido de outra forma, mas acabou sendo daquele jeito. Não me arrependo de nada que eu faço por que o aprendizado fica e já vale a pena. São coisas que fazem parte de equipes vencedoras, de todos quererem ganhar e, infelizmente, não vamos ter isso sempre com todos abaixando a cabeça e concordando com tudo. Tem momentos que vão existir essas discordâncias de um lado ou de outro, mas quando todo mundo quer a mesma coisa isso facilita muito para que tudo seja resolvido.

Naquele momento muitas pessoas aproveitaram para te criticar e até mesmo pedir sua aposentadoria. Isso te machuca de alguma maneira ou já se acostumou com as críticas?
Acho que corneteiro fala de acordo com a situação. Quando eu faço 40 pontos as pessoas me pedem para não parar e jogar até os 60, mas se jogo mal essas mesmas pessoas dizem que está na hora de parar. Acho que isso faz parte e, depois que aprendi a lidar com essa situação, evolui muito na hora de analisar as críticas e, principalmente, meu jogo. Teve até um determinado momento da minha carreira que eu ainda me ligava muito às críticas. Mas hoje é tão fácil as pessoas criarem uma conta falsa no Facebook ou um blog e se tornarem jornalistas dando opinião como se fossem especialistas e sabem o que está falando. Então eu prefiro não ler, sinceramente. Ultimamente eu vejo apenas os veículos mais sérios que têm comprometimento com aquilo que estão falando, até porque. se falarem alguma coisa errada, eu vou poder questionar e rebater. Cada um tem direito a sua opinião e hoje, aos 40 anos, sei que tem pessoas que pensam que eu já deveria ter parado, e eu respeito, mas o que vale nessa hora é a minha opinião e a do clube. Se o Flamengo achar que devo continuar e nós chegarmos a um acordo, vamos continuar. Se não for aqui, que seja em outro lugar, mas espero encerrar minha carreira no Flamengo e tenho certeza de que é isso que vai acontecer.

Seu contrato vai até dezembro, quais seus planos depois disso? O exemplo da Fofão e do Marcelinho, no vôlei, servem de inspiração para você continuar por mais alguns anos?
Enquanto eu tiver o prazer de competir e querer jogar para ganhar, me dedicando aos treinos e abrindo mão de uma porção de coisas para poder chegar aqui, treinar e ter um bom rendimento nos jogos, isso é que vai determinar o momento de parar de jogar. Hoje eu me sinto muito bem, talvez até melhor que no ano passado, por ser a temporada que voltei da lesão no joelho. No início sofri demais com isso, mas hoje sinto minha perna ainda mais forte, muito mais confiante e pelo menos mais uma temporada eu vou jogar. Nessa idade também não dá para ficar projetando muito mais tempo, por isso minha ideia é jogar mais um ano e depois ver se essa minha ambição por títulos e essa minha vontade de jogar vão continuar, e aí eu penso na próxima temporada.

Com anos de seleção e tantos títulos conquistados, falta alguma coisa para o Marcelinho?
Sempre falta alguma coisa, mas não tenho nenhuma frustração. O lado ruim do competidor é que ele não para de competir nunca, e a competição tem o lado bom de você querer sempre melhor, mas tem uma hora que você precisa diminuir o ritmo. Mas isso só vai acontecer quando eu parar. Quem me conhece sabe que eu vou sempre querer conquistar muito mais.

Marcelo Machado, Marcelinho, jogador de basquete do Flamengo, campeão do NBB (Foto: André Durão)O nascimento dos seus filhos de alguma maneira foi um dos motivos para você esticar um pouco mais sua carreira?
É uma situação ambígua. Eu estou preparando o Gustavo para o momento que eu parar, até porque ele vive isso intensamente. Mas eu digo para ele que quando parar vou poder viver mais a vida dele, vou poder levá-lo à escola, viajar nos fins de semana e levar a vida comum das famílias dos amiguinhos que ele vê. Ele acha isso legal, mas ao mesmo tempo sei que ele vai sentir falta de tudo isso. Da mesma forma que toda minha família vai sentir falta dessa ligação com o basquete, nós vamos ganhar muito do outro lado.

O que você projeto para seu futuro. Se imagina como treinador?
Eu já pensei nisso, mas não me vejo treinador. É a mesma vida do jogador, e eu quero viver esse outro lado. Mas quem sabe mais para frente eu perceba que é a hora de tentar. Mas, sinceramente, me vejo muito mais fazendo um papel de gerência ou administrativo do que de treinador. Uma das possibilidades que eu projeto é ir para os Estados Unidos e fazer alguns cursos. Mas só o tempo vai dizer.

E como dirigente, acha que é um caminho que te faça contribuir para o basquete carioca?
Acho que posso contribuir sim e tenho um projeto social com o objetivo de retribuir tudo que o basquete me deu. Ainda não saiu do papel, mas quando eu parar vou ter mais tempo e tranquilidade para poder levar isso para frente. Mas não me vejo nesse cargo político, meu perfil é muito competitivo e me vejo numa função que hoje tem muito pouco no Brasil, que é do manager, o cara que monta o time e tem a visão técnica do negócio. O cara que tem a visão da quadra, mas ao mesmo tempo a visão do clube, uma pessoa que consiga fazer esse meio campo e que existe muito pouco no país. 

Você jogou em muitos bons times, inclusive na Europa, mas esse Flamengo é a melhor equipe que você jogou?
Sim, da para dizer que na minha carreira esse talvez tenha sido o grupo mais vencedor e mais forte que já joguei. Colocando os três últimos anos, porque sempre mudou um ou outro jogador, mas a base é a mesma. Nós nos damos muito bem, até em certos momentos que estamos em dificuldade e que não nos entendemos na quadra. Só que essa convivência, essa amizade e esse comprometimento que nós temos nos torna muito fortes. Cansei de falar para o grupo que nós podemos ter o problema que for que nós vamos conseguir nos livrar dele. Nós nos gostamos e não vai ter nenhum problema que vai tirar o nosso foco. Acho que temos demonstrado isso no passar dos anos, e a cada ano saímos cada vez mais fortes dos problemas. Esse campeonato é o maior exemplo. Chegamos aos playoffs com muita gente duvidando de nós, até internamente tivemos dúvidas se conseguiríamos do jeito que estávamos jogando. Até o jogo 5 do São José pairava esse sentimento, mas a partir dali tivemos certeza de que íamos brigar novamente. Acho que entramos na final de um jeito que Bauru não esperava, com a postura de favorito. Entramos para dominar e dominamos mesmo.

O que esperar do Flamengo daqui para a frente?O Flamengo vai ser sempre competitivo. É lógico que hoje nós temos uma base sólida e se perdemos um ou dois jogadores a diretoria terá que se planejar para repor essas peças. Mas o fato de ser o Flamengo já nos coloca numa posição de estar sempre se cobrando e brigando pelos títulos. Quando não ganhamos, chegamos perto. Isso se deve também ao tamanho do clube e a torcida que temos. O Flamengo vai sempre entrar nas competições para brigar por títulos.

Campeão do NBB mais uma vez, elenco do Flamengo mostra a taça no Maracanã (Foto: André Durão) 
Marcelinho considera esse grupo do Flamengo o melhor com quem ele já jogou ao longo da carreira (Foto: André Durão)


Quando você chegou aqui em 2007 imagina que o basquete do Flamengo conseguisse montar uma estrutura tão forte?
A estrutura está cada vez melhor, hoje nós temos uma academia que não deve nada a nenhuma do mundo, com a melhor aparelhagem possível, e isso já nos dá uma tranquilidade enorme. Fora toda a segurança que temos de ser uma modalidade autossustentável dentro do clube. Mesmo tendo conquistado títulos com os salários atrasados em algumas situações anteriores, é muito mais tranquilo trabalhar sabendo que no fim do mês o que foi combinado será cumprido. Essa é uma evolução que o Flamengo conquistou, mas que teve que passar por várias fases até chegar a um momento tão sólido como vive o basquete do clube hoje em dia. Mas continuo achando que ainda temos muitas coisas para evoluir. Nossa ida para a pré-temporada da NBA foi muito importante para o Flamengo e pouco a pouco estamos evoluindo.   


Apesar da má fase, torcida do Flamengo é a 2ª maior em média de público



Top 5 de média de público:

Palmeiras - 34.101
Flamengo - 27.041
Corinthians - 19.811
Internacional - 19.111
Fluminense - 17.058




Se você quiser
Vou lhe mostrar
Vinícius de Moraes
E o som de Jorge Ben
Se você quiser
Vou lhe mostrar
Torcida do Flamengo
Coisa igual não tem

Bandeira de Mello: "Torcida é preponderante para superar crises"


Bandeira convocou a torcidaNa noite desta quinta-feira (04.06), o presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, participou do programa Olha o Gol, da Rádio Globo. Em conversa com os jornalistas Edson Mauro e Claudio Perrout, o mandatário rubro-negro convocou a torcida para apoiar o time e falou sobre contratações.




Confira os principais pontos da conversa:

Presidente sereno
Acho que é minha obrigação agir com serenidade e não perder a calma em momento nenhum, afinal não estou agindo em causa própria e sim em benefício da Nação Rubro-Negra. É como se fosse um cargo público, não tem por que agir com a emoção com tanta coisa em jogo. É minha obrigação trabalhar com serenidade.

Situação financeira do clube
Isso não nos impedirá de reforçar o time. Neste ano de 2015 já estamos numa situação melhor que nos passados e o Flamengo está num processo de recuperação financeira que vai nos permitir ficar numa situação cada vez mais confortável. Ainda não estamos 100% confortáveis, mas já podemos fazer um investimento. Fizemos este último, emblemático, que foi a contratação do Guerrero e estamos em via de trazer mais jogadores para preencher algumas lacunas do time, já com o aval da nova comissão técnica.

Especulações e contratações
A gente acalma nossa torcida com notícias concretas, e não com especulações. É evidente que para concretizar uma negociação, você tem que sondar vários atletas para que se consiga fechar uma. De nada adianta ficar falando que o Flamengo está sondando fulano, porque isso gera falsas expectativas. É justo que o torcedor sonhe, mas não podemos alimentar sonhos que não sejam minimamente concretos. Robinho, Ganso, nenhuma dessas informações vazou do nosso lado. Houve um contato, mas se o contato a gente entende que não vai se concretizar, não vai fluir para virar uma notícia de verdade, não tem por que a gente enganar o  torcedor. É muito melhor para a torcida ter uma notícia concreta do que ficar sonhando. É nossa maneira de proceder. A contratação do Guerrero, por exemplo, veio a público no nosso site oficial. É essa a forma de respeitar nosso torcedor.

Reforçar o elenco
Estamos buscando mais de um jogador, estamos buscando qualidade, experiência, determinação. Buscamos isso para agregar a nosso elenco, que em termos de qualidade é um elenco extremamente qualificado. Ainda que algumas pessoas usem essa afirmação como forma pejorativa, deboche, o elenco do Flamengo é qualificado. Ainda depende de alguns ajustes, para que algumas lacunas sejam preenchidas, e aí com certeza vocês verão o processo de recuperação do Flamengo e a torcida vai vibrar.

Cristóvão Borges
A vinda do Cristóvão já foi parte de um projeto que vai nos permitir sair dessa situação ruim. Teremos uma semana cheia de treinamentos pela primeira vez desde a chegada do Cristóvão. Acho que o time já mostrou uma evolução desde que o Cristóvão assumiu o time, não só na disposição, na entrega, como também no posicionamento

Torcida do Flamengo
Ano passado chegamos a ficar no último lugar e foi a torcida que nos apoiou para sair de lá. Não tenho a menor dúvida de que sábado a torcida vai nos apoiar para sair dessa situação. É por isso que o Flamengo é grande, por causa da torcida. Não importa se é Chapecoense ou Barcelona, o Flamengo tem que entrar sempre querendo ganhar, é isso que o torcedor quer. Nos piores momentos, a torcida, que é nosso maior patrimônio, é preponderante para nos ajudar a superar nossas crises.

Como disse Eduardo Bandeira de Mello, a torcida do Flamengo é o maior patrimônio do clube e, mostrando seu apoio nas horas ruins, faz o Flamengo voltar às glórias. O Mais Querido enfrenta a Chapecoense neste sábado (06.06) e todo apoio vindo das arquibancadas faz a diferença. A mobilização já começou nas redes sociais com a hashtag #VemProMaracaNação. Não fique de fora: faça sua parte e compre seu ingresso para Flamengo x Chapecoense clicando aqui. Sócio-torcedor paga a partir de R$12,50. Ainda não faz parte do Nação Rubro-Negra? Entre para o time.
 

Com rubro-negros, Seleção sub-20 vence e vai às oitavas do Mundial



Jajá comemora com companheiros (FIFA/Getty Images)Na noite de quinta-feira (04.06), em New Plymouth, na Nova Zelândia - ou nesta madrugada, no Brasil -, a Seleção sub-20 conseguiu mais uma vitória no Mundial da categoria. Com o lateral rubro-negro Jorge de titular e Jajá entrando no decorrer na partida e tendo participação direta na vitória, o Brasil venceu a Hungria por 2 a 1.

Com o resultado, a Canarinho garantiu a classificação para as oitavas de final da competição, na liderança do Grupo E. Agora a Seleção Brasileira de juniores enfrenta a Coreia do Norte na terceira rodada para ratificar a primeira colocação da chave. O duelo será no domingo, às 2h (horário de Brasília).

O jogo
Foram os húngaros que abriram o placar. Em um chute sem ângulo, a bola escapou da mão do goleiro Jean e o árbitro assistente apontou que ela havia ultrapassado a linha. Mas antes dos 20 minutos de jogo, a Hungria ficou com um jogador a menos, quando Tamas levou o segundo cartão amarelo ao cometer falta em Gabriel Jesus. Ainda assim, apesar de perto do empate, o Brasil foi para o intervalo em desvantagem.

No retorno para a segunda etapa, o treinador Rogéro Micale pôs o time para a frente. Tirou o zagueiro Marlon para a entrada do volante rubro-negro Jajá e substituiu Marcos Guilherme por Andreas Pereira. O gol de empate logo saiu, com Danilo subindo livre em cobrança de escanteio. As substituições deram resultado. O atleta do Flamengo Jajá deu um lançamento primoroso para Gabriel Jesus, que fez fila dentro da área e foi derrubado com falta. Andreas bateu o pênalti e converteu: 2 a 1.

Flamengo x Chapecoense: ingressos à venda; mais baratos custam R$ 50


 O torcedor já pode comprar ingressos para o jogo entre Flamengo e Chapecoense, pela 6ª rodada do Brasileirão. A venda pelo site do Maracanã começou nesta terça-feira, às 10h. Sócios-torcedores estavam liberados desde a última sexta-feira. Nos pontos de venda, a comercialização se inicia na próxima quarta-feira, às 10h.

Quem for sócio do Flamengo terá desconto que variam de acordo com o plano. Os ingressos mais baratos custam R$ 50 (R$ 25 na meia entrada) para os níveis 1, 2 e 5 do Setor Norte. Os mais caros custam R$ 145 (R$ 95 na meia entrada) para o Setor Maracanã Mais.

A partida acontece no próximo sábado, às 18h30 (de Brasília).

Confira as informações divulgadas no site do Flamengo:

Preços:
Norte: R$ 50 (meia: R$ 25)
Norte ST: R$ 25 (meia ST: R$ 12,50)
Norte ST Tradição: R$ 40 (meia Tradição: R$ 20)
Sul: R$ 60 (meia: R$ 30)
Sul ST: R$ 30 (meia ST: R$ 15)
Sul ST Tradição: R$ 45 (meia Tradição: R$ 22,50)
Leste e Oeste: R$ 80 (meia: R$ 40)
Leste e Oeste ST: R$ 40 (meia ST: R$ 20)
Leste e Oeste ST Tradição: R$ 60 (meia Tradição: 30)
Maracanã Mais: R$ 145 (meia: R$ 95)
Maracanã Mais  ST: R$ 95 (meia ST: R$ 70)
Maracanã Mais ST Tradição: R$ 120 (meia Tradição: R$ 85)

Pontos físicos de venda para sócio-torcedor:
Gávea – Sede do Flamengo – Rua Borges de Medeiros
03/06/2015 a 06/06/2015 - 10h às 17h (No dia da partida até às 12h)
Barra da Tijuca – FlaBoutique – Av das Américas, 7607 Loja 151
03/06/2015 a 06/06/2015 - 10h às 17h (No dia da partida até às 12h)
NÃO FUNCIONA AOS DOMINGOS
Tijuca – FlaBoutique – R. Conde de Bonfim, 685 Loja D
03/06/2015 a 06/06/2015 - 10h às 17h (No dia da partida até às 12h)
NÃO FUNCIONA AOS DOMINGOS
Andaraí – FlaBoutique/Iguatemi – R. Barão de São Francisco, 236 Loja 15
03/06/2015 a 06/06/2015 - 10h às 17h (No dia da partida até às 12h)
NÃO FUNCIONA AOS DOMINGOS
Maracanã – Container Mata Machado
03/06/2015 a 06/06/2015 - 10h às 17h (No dia da partida até o final do 1º tempo)
Quando houver jogos no Maracanã de outros clubes, não haverá venda neste PDV.
Largo do Machado - Flaboutique -R.Largo do Machado 29 Loja 40 Galeria Condor
03/06/2015 a 06/06/2015 - 10h às 17h (No dia da partida até às 12hs)
NÃO FUNCIONA AOS DOMINGOS

Pontos de venda para torcedores:
Espaço Rubro Negro –  Méier
Rua Dias da Cruz, 255, Shopping Méier
No dia 04/06/2015 este PDV não abre
Espaço Rubro Negro - Nova AméricaAvenida Pastor Martin Luther King Jr, 126 - 1º piso
No dia 04/06/2015 este PDV abre às 13h
Espaço Rubro Negro Via BrasilRua Itapera, 500  - Irajá
No dia 04/06/2015 este PDV abre às 13h
Espaço Rubro Negro QuitandaRua da Quitanda, nº 87 – Centro
No dia 04/06/2015 este PDV não abre
Espaço Rubro Negro DowntownAvenida das Américas nº 500, loja 114 – Barra
No dia 04/06/2015 este PDV abre às 13h
Espaço Rubro Negro - Shopping MadureiraEstrada do Portela, 222
No dia 04/06/2015 este PDV não abre
Engenhão Bilheteria SulRua Arquias Cordeiro  s/nº
No dia 05/06/2015 NÃO HAVERÁ venda de ingressos neste PDV
Estádio Caio Martins
Rua Presidente Backer, s/n, Icaraí Niterói
Sede do Flamengo
Borges de Medeiros, 997
Maracanã (Bilheteria 4)
Av. Maracanã, s/nº
Ticket Point Bar e Lanchonete
Av. Atlântica, Quadra 12, Rio de Janeiro/RJ

Venda no dia da partida:

Sede do Flamengo
De 10h às 13h
Bilheterias do Maracanã:
BILHETERIA 1 - VENDA Geral torcida Flamengo - 14h30 às 19h15
BILHETERIA 2 - VENDA Geral torcida Flamengo - 14h30 às 19h15
BILHETERIA 3 - Retirada compra Internet - 14h30 às 19h15
BILHETERIA 4 - VENDA Geral torcida Flamengo - 10h00 às 19h15
BILHETERIA PORTÃO 1 - À DEFINIR - 14h30 às 19h15
BILHETERIA 3A CONTAINER MARACANÃ MAIS - Venda exclusiva Maracanã Mais - 14h30 às 19h15
BILHETERIA 4A CONTAINER MATA MACHADO - Atendimento sócio Torcedor Flamengo - 10h às 19h15

Venda on-line:
Site do Maracanã: www.maracana.com

quinta-feira, 4 de junho de 2015

Torcida cerca ônibus do Flamengo e cobra: "Cadê o dinheiro do sócio-torcedor?"

Com xingamentos e cobranças, cerca de 50 torcedores do Flamengo, a maioria integrantes de organizadas, foi até o ônibus do clube para pressionar a delegação na volta de Belo Horizonte - na noite dessa quarta-feira, o time perdeu para o Cruzeiro por 1 a 0. Sem incidentes de violência, os flamenguistas ficaram atrás de um cordão humano formado pela Polícia Militar, mas depois escaparam por outra saída do aeroporto Santos Dumont para cercar o ônibus que aguardava os rubro-negros.

Desembarque Flamengo (Foto: Raphael Zarko) 
Torcedores chegaram a cercar o ônibus dos jogadores e cobraram do time e da diretoria (Foto: Raphael Zarko)
 
O técnico Cristóvão Borges e alguns jogadores, como Alecsandro, Paulinho, Samir e Jonas, foram os mais cobrados pelos torcedores, que gritaram músicas pedindo disposição e questionaram a diretoria: "Cadê o dinheiro do sócio-torcedor?" Apesar de uma ou outra cobrança mais exaltada - quando Jonas parou para dar entrevista, um torcedor falou que ele tinha que jogar bola e parar de errar passes -, não houve tentativa de agressão.

A Polícia Militar, com cinco viaturas e 15 homens no saguão do Santos Dumont, organizou uma barreira para escoar a delegação rubro-negra. O Flamengo também levou ao aeroporto boa quantidade de seguranças particulares.

- Normal a cobrança do torcedor. Quando não se tem resultado é assim mesmo. A gente entende - disse Cristóvão.
 


 Policiamento faz um cerco no saguão, à espera dos jogadores no desembarque o Flamengo (Foto: Thiago Correa)

Com dois jogos e duas derrotas - para Fluminense e Cruzeiro -, o técnico foi questionado por um torcedor: "É só rachão?" Outros jogadores também foram interpelados, sem responderem em momento algum. O Flamengo volta a treinar nesta sexta-feira e enfrenta a Chapecoense no sábado, no Maracanã. Com um ponto em cinco jogos, o time ocupa a 19ª posição, na zona de rebaixamento.

Confira outras fotos do desembarque:

Desembarque Flamengo (Foto: Raphael Zarko) 
Desembarque Flamengo (Foto: Raphael Zarko)


Desembarque Flamengo (Foto: Raphael Zarko) 
Desembarque Flamengo (Foto: Raphael Zarko)
Desembarque Flamengo (Foto: Raphael Zarko) 
Desembarque Flamengo (Foto: Raphael Zarko)
Desembarque Flamengo (Foto: Raphael Zarko) 
Desembarque Flamengo (Foto: Raphael Zarko)