Tu és... Time de tradição... Raça, amor e paixão... Oh meu Mengo!!! Eu... Sempre te amarei... Onde estiver estarei... Oh meu Mengo!!!

sábado, 25 de julho de 2015

Com mudanças, Flamengo estreia no Touchdown apostando no coletivo e em trio gringo


uniforme Flamengo FAO wide receiver Rodrigo “Vinny” Pons, destaque da seleção brasileira, anunciou sua aposentadoria. O quarterback Ramon “Mamão” e os cornerbacks Bruno “Sapo” e Filipe Sodré, que também defenderam o Brasil no Mundial de futebol americano, também saíram do time. Apesar desses e outros desfalques, o Flamengo FAestá confiante para a temporada, apostando no coletivo e em um trio americano no ataque para estrear bem no Torneio Touchdown contra o Rio Branco FA neste domingo, às 11h, na Portuguesa da Ilha.

- Realmente perder atletas desse nível não é bom para nenhuma equipe. Em outra mão, a saída deles abriu espaço para outros atletas que estão muito motivados em mostrar que podem suprir as ausências. O futebol americano talvez seja o esporte mais coletivo que existe, onde se você não tem 11 atletas em campo sabendo o que tem de fazer, não adianta ter uma ou duas estrelas que saibam muito. Dessa forma, estamos trabalhando principalmente o coletivo para compensar. O time vem treinando o dobro do que ano passado e se preparando de forma completamente diferente também – afirmou o técnico Otavio Roichman





Além do coletivo, três americanos são uma aposta do Flamengo para o ataque nesta temporada. O quarterback KC Frost volta a defender o time e agora ganha a companhia do running back Yolandus Pratt e do coordenador ofensivo Justin Bubbar.

- Talvez este trio seja responsável por grande parte da transformação que será vista em campo a partir desta partida de estreia. O entrosamento entre dois atletas de primeira divisão do college football nos EUA, com a experiência de um treinador acostumado com grandes jogadores na Flórida, trouxe uma nova dinâmica ao nosso ataque, abrindo espaço também para que os brasileiros brilhem – explicou Otavio.



O Flamengo pode ter perdido alguns jogadores de seleção, mas também teve representantes no Mundial. Dentro de campo, estiveram em Ohio o tight end Felipe Leiria "Cebola", os offensive linemen Marcos Martiny e Anselmo Brauer, e o defensive lineman Denis Barros. Na lateral, estavam o preparador físico Leonardo Britto e os irmãos Ivan e Otávio Roichman.

- O Mundial foi, além de tudo, uma grande escola. Estivemos próximos dos melhores jogadores de futebol americano de vários países, sem contar o fato de estar nos EUA, que possui os melhores atletas e ligas. Durante as duas semanas do Mundial, pudemos crescer e desenvolver as características necessárias para produzir melhores resultados dentro de campo – explicou Anselmo Brauer, um dos capitães da seleção.

Agora, Anselmo tenta deixar as lembranças do Mundial um pouco de lado para se concentrar 100% no Flamengo.

- Futebol americano é um esporte de foco. Eu, apesar de toda a experiência e aprendizado com o Mundial, preciso deixar de lado o playbook e o momento do mundial e concentrar 100% para o Flamengo. Somente assim meu time e meus companheiros poderão contar comigo.

Samir não desembarca em Goiânia, e César Martins vai fazer estreia pelo Flamengo

César Martins, Flamengo (Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)
O zagueiro César Martins, apresentado na última terça-feira como reforço rubro-negro, fará sua estreia pelo Flamengo neste domingo, às 16h (de Brasília), contra o Goiás, no Serra Dourada. Wallace, com uma lombalgia, e Samir, ainda longe de suas condições ideais sob a ótica da comissão técnica, ficaram no Rio de Janeiro.

Após o treino de sexta-feira, Cristóvão Borges, em papo com os jornalistas, deu a entender que Samir não jogaria, porém, condicionou sua inclusão ou não na delegação rubro-negra a uma avaliação realizada neste sábado.

César Martins, de 22 anos, começou a carreira no Atlético Sorocaba, mas ganhou evidência durante o vice-campeonato da Ponte Preta da Copa Sul-Americana de 2013, diante do Lanús, da Argentina. O bom papel na Macaca lhe rendeu uma transferência para o Benfica, de Portugal, em junho de 2014. Pouco aproveitado pelos encarnados - integrava o time B do clube lisboeta -, acabou emprestado ao Rubro-Negro.

Em sua apresentação, o grandalhão de 1,90m garantiu que tinha condições de estrear assim que fosse solicitado.

- Faz três semanas que estávamos treinando, fiquei apenas um fim de semana sem treinar. Espero em breve poder jogar, vai ser opção do treinador. Estou aqui para somar, não cheguei para tumultuar. Muita gente fala que chegou para ser titular, nada disso, chego para somar - disse César Martins, cujo contrato de empréstimo com o Flamengo tem duração até junho de 2016.

Goiás x Flamengo: parcial divulgada indica 4,6 mil ingressos já vendidos

De acordo com a diretoria do Goiás, cerca de 4,6 mil ingressos já foram vendidos para o jogo contra o Flamengo, marcado para domingo, às 16h, no Serra Dourada.

Tal número inclui os bilhetes comercializados até o fim da tarde deste sábado no Empório Esmeraldino, na Serrinha, único ponto de venda em Goiânia, e até sexta-feira à noite nos cinco postos disponibilizados em Brasília, onde há grande concentração de flamenguistas.

Apesar do número relativamente baixo de vendas antecipadas, o Goiás projeta 20 mil pagantes para o duelo. Os ingressos custam R$ 100 (arquibancada) e R$ 200 (cadeira).

Carioca Sub-20: Flamengo vence o vasco sanitário, e Botafogo empata com Madureira


Campeão da Taça Guanabara, o Flamengo ficou próximo de disputar também a decisão da Taça Rio do Campeonato Carioca Sub-20. Na tarde deste sábado,no galinheiro de   São Januário, o Mengão derrotou o vasco por 2 a 1 e joga pelo empate no confronto de volta, na Gávea. O Cruz-Maltino precisa triunfar por dois gols para avançar. Se vencer por um de diferença, leva a decisão para os pênaltis.

No outro jogo da semifinal, Madureira e Botafogo empataram por 2 a 2 em Conselheiro Galvão. Nova igualdade beneficia o Alvinegro, que fez melhor campanha. O Madureira precisa vencer por qualquer placar para avançar.

Os dois jogos serão disputados no dia 2 de agosto, domingo, às 15h. Flamengo x vasco acontecerá na Gávea, enquanto Botafogo x Madureira será disputado no Engenhão. Se o Rubro-Negro vencer também a Taça Rio será campeão estadual sem a necessidade dos dois jogos finais.

Próximo da "última partida", goleiro César se diz amadurecido e confiante


Goleiro César em entrevista no Ninho do Urubu (Foto: Felippe Costa)
Perder a vaga de titular é uma fator desagradável na carreira de qualquer jogador, mas para o goleiro César, do Flamengo, o assunto não chega a desanimar. Amigo de Paulo Victor, que deve voltar ao time contra o Santos, no próximo 02, ele se mostra satisfeito com o rendimento em campo e, principalmente, com o amadurecimento que ganhou desde o confronto diante do Atlético-MG, no último dia 20 de junho.

- Bom que ele está se recuperando. Tenho feito o melhor e essa sequência foi boa. A cada jogo fui crescendo e ganhando experiência. Foi importante para evoluir, rever os lances no vídeo. Paulo Victor é um excelente goleiro , tem o respeito de todos e o carinho. Claro que fica o gostinho de quero mais. Porém, vou continuar trabalhando forte.

César, de 23 anos, reconhece que chegou a falhar em alguns lances, mas que isso não o abalou. Além do apoio dos companheiros, a sequência de jogos foi proveitosa para que ele conseguisse de firmar cada vez mais.

- Falhei em determinadas situações, mas precisava trabalhar e analisar os vídeos. O principal era fazer o melhor dentro de campo. Claro que todo jogador precisa de uma sequencia de jogos. Isso vai me dando mais tranquilidade. Sem dúvida é uma responsabilidade, mas é um prazer estar aqui e não fujo disso. Desde o primeiro jogo foi uma crescente. Ainda tem mais um jogo e quero fazer o meu melhor.
 
Quanto ao time, César considera que as últimas vitórias estão fazendo com que a confiança retorne ao grupo e que os resultados começarão a aparecer gradualmente. Segundo ele, a chegada dos reforços também contará bastante.

- Todos os jogos são equilibrados. O futebol está muito nivelado. Estávamos no caminho certo. Mas a ansiedade acabava atrapalhando. Agora com as vitórias e gols, a confiança volta. O Ederson Vai nos ajudar muito nesse sentido.

O Flamengo volta a campo no próximo domingo, ás 16h ( de Brasília), para enfrentar o Goiás, no Serra Dourada, em Goiânia. Para o jogo, Cristóvão Borges não terá Wallace, Emerson Sheik e Armero.

Depois de fazer primeiro treino no Flamengo, Ederson embarca para Itália


Ederson do Flamengo embarca para Itália (Foto: GloboEsporte.com)
O meio-campo Ederson mal chegou e já voltou para a Itália. Mas o torcedor do Flamengo não precisa se preocupar. O novo reforço rubro-negro volta ao país de seu ex-clube, o Lazio, para resolver problemas particulares e de sua mudança para o Brasil. Na próxima quinta-feira, 30 de julho, ele desembarca no Rio de Janeiro em definitivo, junto com a esposa e o filho de quatro anos.

As poucos mais de 24 horas em que esteve no Brasil foram intensas para o jogador. Ele chegou no Rio por volta das 10h da manhã e foi apresentado na Gávea cerca de duas horas depois. Descansou no restante do dia e na manhã deste sábado, Ederson já fez seu primeiro treino com os novos companheiros. No Ninho do Urubu, ele fez um trabalho físico e depois participou do rachão com o restante do elenco.

Ederson assinou contrato com o Flamengo até o fim de 2017. O Rubro-Negro não precisou pagar nada pela transferência na saída do meio-campo do Lazio. A expectativa agora é pela estreia do jogador. Como o Fla ainda não divulgou sua programação para a próxima, não é possível saber se ele treinará na quinta-feira, dia que volta ao Brasil. Se ficar de fora, ele terá apenas dois treinos antes do jogo contra o Santos, no próximo domingo, dia 2 de agosto, no Maracanã.

Esboço prevê todos contra todos, final única e produção na Copa Sul-Minas

Ainda que esteja em discussão se vai ocorrer ou não, a Copa Sul-Minas tem um esboço de como vai ser disputada. A intenção dos clubes, até o momento é de fazer com que todos os participantes, independente da presença ou não do Flamengo e do Fluminense, se enfrentem. Mais do que isso, a intenção é fazer do torneio uma "festa" para o torcedor, com organização e atrativos.

Os representantes dos clubes voltam a se encontrar no dia 7 de agosto, em Porto Alegre. A previsão é de chegar a uma fórmula de disputa e podem até confirmar a realização do torneio. O plano inicial é de que os times sejam divididos em dois grupos. No primeiro turno eles se enfrentam entre eles e na segunda parte os confrontos são das equipes de grupos distintos. Os quatro melhores de cada agrupamento, no somatório das duas fases, fariam mata-mata nas quartas e nas semifinais. A decisão tende a ser uma novidade. A pauta atual prevê que uma cidade seja escolhida previamente para receber a final, em jogo único.

Reunião Copa Sul-Minas  (Foto: João Lucas Cardoso) 
Nova reunião sobre a Copa Sul-Minas acontece no dia 7 de agosto, em Porto Alegre (Foto: João Lucas Cardoso)
 
- Inicialmente 12 clubes, se vierem Flamengo e Fluminense, 14 clubes. Seriam 18 datas e a final em jogo único. É uma final estilo Champions, em uma cidade pré-anunciada, será feito uma produção, um evento paralelo para promover o evento - aponta o vice-presidente do Coritiba, André Luiz Macias, mentor da copa Sul Minas.

Ainda que não tenha confirmação da realização do torneio, tampouco ainda hajam outras discussões a serem feitas, o cartola está otimista e descarta que a competição venha a ocorrer somente na temporada seguinte, em 2017. Além de disputa, a missão curta é fazer da competição também viável.

- Dá tempo, estamos em julho, a final em abril, campeonato em fevereiro. É só organizar e fazer, custa muito, tem gente interessada, mas o lucro pode ser considerável, estamos otimistas. Fica cada vez mais claro que os clubes gastam até 30 vezes mais do que arrecadam nos primeiros quatro meses. Então na próxima reunião vamos avaliar e o nome pode ser vendido, pode ser naming rights. O nome que pagar, leva.

Enquanto as discussão não são retomadas, clubes e entusiastas trabalham nos bastidores. Até a próxima reunião, a tendência é de que esteja formada a associação que seria responsável pela gestão da competição. Macias refuta a ideia de fazer como a Copa Verde ou a Nordeste, que são administradas por uma liga.

- Não há a necessidade de uma liga. Nossos advogados foram felizes em apresentar os caminhos jurídicos. É algo que a gente só faria com a chancela da CBF, uma associação para constituir uma representação jurídica.

Ederson treina pela primeira vez, e Wallace desfalca o Flamengo contra o Goiás


O sábado foi de novidade e má notícia no treino do Flamengo, que aconteceu no Ninho do Urubu, Zona Oeste do Rio de Janeiro. O zagueiro Wallace, que sentia dores por conta de uma lombalgia, ficou de fora da relação  de jogadores que estarão na viagem para o jogo contra o Goiás, neste domingo, às 16h (de Brasília), no Serra Dourada, pelo Campeonato Brasileiro. O meia Ederson, apresentado na última sexta-feira, fez seu primeiro trabalho junto com os companheiros.

Ederson Treino Flamengo (Foto: Gilvan de Souza / Flamengo) 
Ederson fez um intenso trabalho físico em seu primeiro treino com o time do Flamengo (Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)
 
Contratado até o fim de 2017, Ederson chegou ao Rio na manhã desta sexta-feira, às 10h10, e foi direto para a Gávea para sua apresentação. O jogador volta para a Itália ainda nesse sábado para resolver problemas particulares e retorna em definitivo na próxima quinta. No treino, ele aprimorou a parte física ao lado do atacante Emerson Sheik.

Quanto ao zagueiro Wallace, que se recupera de lombalgia, não foi ao em campo, assim como na véspera, e ficou fora da relação de jogadores que vai a Goiânia. Os desfalques ficam por conta de Sheik (suspenso) e Armero (estiramento na coxa direita). Assim, Cristóvão Borges deve levar a campo o seguinte time: César, Ayrton, César Martins (Samir), Marcelo e Jorge; Cáceres, Márcio Araújo e Canteros; Everton, Cirino e Guerrero.

Candidato à presidência do Flamengo, Wallim deixa cargo de vice em agosto

Está definida a saída de Wallim Vasconcellos da vice-presidência de patrimônio do Flamengo. Responsável pela pasta desde o segundo semestre de 2014, ele entregará o cargo no próximo dia 3 de agosto, uma segunda-feira. Candidato à presidência do clube nas eleições marcadas para o fim do ano – após um racha na Chapa Azul, grupo vencedor do pleito em 2012 –, ele diz que só não deixará posto antes porque viajará para o exterior no domingo.

– Pedi para o Eduardo (Bandeira de Mello) marcar uma reunião para o dia 3 de agosto. Gostaria de entregar meu cargo na frente da diretoria com quem fiquei por dois anos e meio. Quero me despedir dos companheiros, não pedir para sair como uma carta fria. É fazer uma coisa educada, continuar uma relação amistoso com o presidente. Não tem nada de briga. Há uma diferença de estilo de gestões – explicou.

Bandeira de Mello e Wallim Vasconcelos, Treino Flamengo (Foto: Alexandre Vidal / Fla Imagem) 
Wallim (à dir.) ressalta relação amistosa com presidente Eduardo Bandeira de Mello(Foto: Alexandre Vidal / Fla Imagem)

Segundo Wallim, seus pares entendem que a essência da Chapa Azul está na condição de a coletividade prevalecer. Segundo o dirigente, o grupo acha que a corrente favorável a Bandeira acredita apenas num nome, tratando o modelo dos outros companheiros como "personalista".

– A questão é de estilo de gestão. Nós achamos que o grupo é mais forte do que a pessoa, e eles acham que a pessoa (Eduardo Bandeira de Mello) é mais forte do que o grupo. Nossa proposta em 2012 foi que o Flamengo seria gerido por grupo um de pessoas dentro e fora do clube. Aí pessoas começaram a ficar um pouco isoladas, sabendo depois do que estava acontecendo. Para nós, assim ficou mais fraco, mas não tem nada de desvio de ética. Não tem nenhuma dúvida em relação a correção e honestidade (do grupo de Bandeira). Pretendemos manter o que venceu em 2012, ou seja, a ideia de um grupo.

Para sustentar sua argumentação, Wallim garante que não concorrerá à reeleição em 2018 caso seja eleito para comandar o clube no próximo triênio..

– Não vou tentar de jeito nenhum. O único pedido ao meu grupo foi esse (não tentar reeleição). O segundo mandato geralmente é muito pior do que o primeiro, em todas as instâncias políticas. Tudo bem, é possível fazer um segundo mandato fantástico, mas combinamos que, se alguém do nosso grupo quisesse ser (candidato), ele (Eduardo Bandeira de Mello) abriria mão. Espero que, se ganharmos, outro venha e fique por mais três anos. Essa é a beleza do nosso grupo, não é só uma pessoa. Alternância de poder é para mostrar que ele não é personalista. O grupo é o mais importante. O Flamengo nunca foi bem-sucedido com um salvador da pátria, e quem conduziu essa recuperação do Flamengo foi o grupo.

Rodrigo Tostes Flamengo (Foto: Cahê Mota)Wallim mostra confiança para as eleições presidenciais pautando-se no apoio de empresários e, segundo ele, por ter a adesão da maioria dos fundadores da Chapa Azul.

– A Chapa Azul está maciçamente conosco. O Godinho (Flávio) e o Pracownik (Cláudio, vice de administração), que resolveu apoiar o Eduardo, é que não estão. Em uma coletiva na primeira semana de agosto, anunciaremos mais empresários para mostrar que nossa chapa está mais robusta. Muita gente se juntou depois de ver que era viável recuperar o Flamengo.

Atual vice de finanças, Rodrigo Tostes é tratado como pilar da reconstrução financeira rubro-negra, e sua atuação nas eleições é colocada em dúvida. Correligionários de Bandeira de Mello garantem que Tostes está neutro, incerto se seguirá ou não no clube em 2016. Wallim discorda e assegura que se trata de um aliado da agora oposição.

– O Tostes falou com todos na reunião (da última quarta-feira, quando houve a ruptura). Provavelmente estará conosco na coletiva que devemos conceder na primeira semana de agosto. Ele, Landim (Rodolfo, vice de planejamento) e o Bap (Luiz Eduardo Baptista, ex-vice de marketing).

É discutido nos corredores da Gávea a possibilidade de um terceiro "braço azul" ser formado com Gony Arruda, deputado estadual no Ceará. Wallim não descarta e a considera saudável.

– Temos boas relações com o Gony, que é tão rubro-negro como qualquer um de nós. Se vier a ser candidato, pelo menos é garantia de mais uma pessoa honesta e capaz para concorrer. Se tiver um grupo forte, é sadio que tenhamos mais opções para os sócios. É importante não haver polarização. Não sei se terá o Lysias (Itapicurú), mas o Gony é um cara alto nível.

Wallim ainda afirmou não descartar uma eventual composição quando o pleito estiver na iminência de ser realizado, mas o grupo de Bandeira não seria a única opção. Ele acredita que o mesmo poderia ser feito pelos aliados do atual mandatário.

Único sob a ótica de Cristóvão Borges, Guerrero vira liderança positiva no Flamengo


Guerrero, Flamengo (Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)
A "Guerrero-dependência" é sustentada pelos números. Em três jogos, só vitórias e média de um gol por compromisso. O centroavante, evidentemente, evita o status e nega ser insubstituível. Técnico e capitão do Flamengo, respectivamente, Cristóvão Borges e Wallace repelem a palavra dependência, mas não se furtam de reiterar a singularidade do peruano dentro do elenco. Ambos convergem na certeza de que não há peça semelhante no Ninho do Urubu. O comandante rubro-negro deixou isso claro quando foi convidado a comentar a ausência de Emerson Sheik no jogo deste domingo, contra o Goiás, às 16h (de Brasília), no Serra Dourada.

- Ele (Emerson) vem jogando muito bem, e a gente sabe que tem contribuído. Dá muito trabalho com movimentação e velocidade. A diferença é com a ausência do Guerrero. Sem o Guerrero, a gente tem que mudar a nossa maneira de jogar. Se quisermos manter essa característica de jogar (com um atacante de velocidade), temos outras opções. A falta do Guerrero muda muito por não termos jogadores semelhantes. Muda o sistema. Não tem outro jogador igual ao Emerson, mas tem jogadores com características parecidas - diferenciou.

Wallace já é mais específico e trata da principal mudança que o Rubro-Negro teve com a chegada de Guerrero, além dos gols, é claro. Acredita que, com o 9 peruano, a bola fica mais no setor ofensivo.

- Não sei se é dependência, mas que a gente precisa muito dele é fato, vem muito da característica de jogo. Ele tem esse timing de segurar a bola, esperar os caras que vêm de trás. Trago um número que foi do jogo do Vasco, trocamos 465 passes, e o vasco, 112 (na verdade, foram 427 certos do Fla contra 132 do vasco, com 33 e 29 errados, respectivamente). Foi um número elevado, mas não tinha o cara para segurar a bola - disse.

Guerrero e Cristóvão (Foto: Gilvan de Souza / Flamengo) 
Cristóvão é só elogios ao atacante peruano e ao entrosamento com Emerson Sheik (Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)
 
O futebol de Guerrero não é o único artigo de luxo trazido pelo jogador, segundo Cristóvão Borges. Apesar do jeito caladão, as atitudes têm feito o jogador de 31 anos tornar-se rapidamente um líder junto ao grupo flamenguista.

- Não o conhecia, só (tinha contato) de jogar contra. É uma pessoa tímida, mas me chama bastante atenção como é concentrado em tudo que faz e como se cobra. Isso é bastante interessante. O ídolo é referência o tempo inteiro, e uma referência positiva assim é importante num lugar onde há muitos jovens, como é o Flamengo. Acrescenta e nos ajuda muito com esse seu comportamento positivo. É importante, um jogador decisivo, goleador. Chegou, sua adaptação foi fácil num ambiente muito bom, saudável. Está integrado, feliz e fazendo gol. Fez gols em todas as partidas, e gols que foram decisivos. É uma contribuição que já sabíamos que ia acontecer e esperamos que isso continue - torceu o zagueiro.

Também agrada a Cristóvão o grande entendimento entre Guerrero e Emerson Sheik, bônus oriundo do tempo em que foram companheiros no Corinthians.

- É importante porque você ganha tempo. São grandes jogadores, experientes, decisivos e respeitados. E ainda chegam com entrosamento, o que é um passo à frente. Estamos nos beneficiando disso. O resultado prático está aí e traz um benefício para todos os jogadores.



sexta-feira, 24 de julho de 2015

Em jogo equilibrado, Flamengo que busca tricampeonato, estreia na LDB 2015 com derrota para Limeira

Maior vencedor da Liga de Desenvolvimento de Basquete (LDB), com dois títulos, o Flamengo estreou com derrota na edição deste ano do torneio voltado para atletas de até 23 anos de idade. Numa partida equilibrada, disputada na sede do Praia Clube, em Uberlândia (MG), o Rubro-Negro acabou levando a pior para o Limeira, nesta sexta-feira, por 66 a 63. O time volta à quadra neste sábado para enfrentar o Rio Claro pela segunda rodada.

Limeira x Flamengo LDB (Foto: Raphael Oliveira/LNB) 
Danielzinho, do Flamengo, e Buboltz, do Limeira, disputam bola em jogo de estreia pela LDB (Foto: Raphael Oliveira/LNB)


De acordo com o regulamento, todas as 24 equipes se enfrentam em turno único na fase de classificação, dividida em cinco etapas diferentes. Cada time fará um mínimo de 23 partidas e, ao final da fase classificatória, os oito melhores colocados avançam à fase final. Nela, os oito times serão divididos em dois grupos e os dois melhores de cada lado passarão ao mata-mata. Nas semifinais e na decisão, a disputa acontece em jogo único.

Resultados da 1ª rodada

União 43 x 61 Sport
Paulistano 74 x 67 Campo Mourão
Rio Claro 75 x 60 Botafogo
Concórdia 65 x 96 Minas
Franca 64 x 76 Macaé
Pinheiros 78 x 51 Seleção Sub-17
Palmeiras 73 x 58 Praia Clube
Joinville 56 x 83 Pequeninos
Limeira 66 x 63 Flamengo
Bauru 58 x 67 São José
Inter 60 x 70 Brasília
Basquete Curitiba 64 x 56 Basquete Cearense

Jogos da 2ª rodada

Sábado, dia 25
14h - Campo Mourão x Pinheiros
14h - Sport x Concórdia
14h - Botafogo x Franca
16h - Flamengo x Rio Claro
16h - Pequeninos x União
16h - Seleção Sub-17 x Palmeiras
18h - São José x Limeira
18h - Basquete Cearense x Joinville
18h - Praia Clube x Inter
20h - Brasília x Paulistano
20h - Macaé x Bauru
20h - Minas x Basquete Curitiba

Flamengo negocia para mandar jogo na Arena das Dunas em setembro

O Flamengo está negociando mandar uma partida pela Série A do Brasileirão na Arena das Dunas, em Natal. O jogo seria contra o Avaí, no dia 2 de setembro, pela 22ª rodada da competição. Como vai enfrentar o Sport no Recife, no domingo anterior, na Arena Pernambuco, a logística para a capital potiguar ficaria facilitada.

arena das dunas américa-rn flamengo copa do brasil (Foto: Alexandre Lago/GloboEsporte.com) 
Arena das Dunas pode receber jogo do Flamengo em setembro (Foto: Alexandre Lago/GloboEsporte.com)

O GloboEsporte.com conversou com alguns executivos do departamento de marketing rubro-negro, que confirmam a negociação. O departamento de futebol do time carioca também confirmou a existência de uma consulta ao estádio potiguar.

A Arena das Dunas informou, por meio da assessoria de imprensa, que a negociação com o Flamengo está em curso, assim como outros clubes de Série A. A confirmação deve ser anunciada nos próximos dias.

Caso o jogo seja confirmado, será a segunda vez em que Flamengo atuará na Arena das Dunas. A primeira foi contra o América-RN, no dia 1º de outubro, pelas quartas de final da Copa do Brasil. A partida registrou o maior número de torcedores no estádio, com 30.575 espectadores, para uma renda de R$ 1.415.825,00. Na ocasião, o Rubro-Negro venceu o Mecão por 1 a 0, gol de Gabriel. 

Cristóvão enfileira elogios a Ederson e o define: "É 10, mas não clássico"


Cristóvão Borges Flamengo coletiva (Foto: Fred Gomes)
O assunto do dia no Flamengo é Ederson, e o técnico Cristóvão Borges mostrou-se muito satisfeito com seu novo camisa 10. Informou-se a respeito do atleta com Ricardo Gomes, atual treinador do Botafogo e que o enfrentou diversas vezes quando comandava Bordeaux e Monaco, na França. E as revelações do amigo, segundo Cristóvão, o animaram.

- Já conhecia, já o vi jogar bastante. É uma posição muito difícil de se jogar e é difícil encontrar um jogador para fazer essa função. Faz a função de ligação e precisa de certas características para se jogar bem. Tem mobilidade, técnica de alto nível e boa movimentação. Como tem técnica boa, joga em qualquer posição do meio. Consegue jogar armando e chega para concluir - explicou.

Como Ederson ainda é pouco conhecido aos olhos dos brasileiros, Cristóvão tratou de defini-lo. Não se trata de um camisa 10 clássico.

- O 10 clássico na verdade é um Ganso. Ele não é igual ao Ganso, é diferente. Mas é 10, fala-se muito do 10. O Montillo é 10 e não é clássico. Ele tem essa polivalência. Vou procurar colocá-lo da maneira que possa jogar o melhor dele. Mas, quando tivermos necessidades, não só ele, mas como outros jogadores poderão fazer outras funções. Criaram essa coisa de camisa 10. Acho que é uma posição importante, mas você precisa é de bons jogadores no meio-campo. Ele é jogador de alto nível, e esperamos que possa jogar aquilo tudo que já vimos na Europa. Importante é talento, e talento ele tem.

Cristóvão ainda afirmou que o Flamengo segue pressionado, mesmo após duas vitórias consecutivas. Agora a cobrança é por uma subida considerável na tabela. Previu dificuldades contra o Goiás, no domingo.

Confira outros tópicos da coletiva de Cristóvão:

PRESSÃO
Ganhar nós estávamos precisando. Vínhamos de condição muito irregular e isso é ruim. Além da necessidade, havia a posição incômoda, e aí se entra para jogar sempre pressionado. A pressão continua, porque precisamos chegar mais longe no campeonato, ter uma posição melhor. Mas duas vitórias dão uma confiança maior. Precisamos de regularidade de vitórias e tivemos uma semana longa para trabalhar. Estamos muito mais confiantes de que é possível continuar fazendo coisas boas.

DESFALQUES
Normal de acontecer no Campeonato Brasileiro, que é duro e bastante competitivo. Às vezes, clubes têm a infelicidade de acontecer (lesões) com muitos. Com a gente até que está acontecendo muito pouco. Mas isso de qualquer forma é muito ruim. Pena ter acontecido com Jonas (luxação no cotovelo direito), Armero (estiramento na coxa direita), e Wallace sentiu aí (lombalgia). vamos ver como se apresenta amanhã para ver como fica.

GOIÁS
Falamos hoje, assistimos vídeos sobre o Goiás. Nas duas últimas partidas, com troca de treinador, ficaram completamente diferentes. Não mereciam perder contra o inter, estavam com o time muito melhor, bem organizados. Será difícil, porque o Goiás deu uma evoluída muito grande nos últimos dois jogos. Mas trabalhamos bem e acho que vamos fazer um grande jogo.

FLA JÁ TEM ELENCO DO NÍVEL DOS LÍDERES?
Esse campeonato testa a capacidade de o elenco dar as respostas nos momentos que faltam alguns jogadores. Queremos chegar lá em cima da tabela. Acho que ainda vamos ter (um dos melhores elencos), mas isso mais para a frente. Esses principais elencos citados por vocês têm jogado junto há muito tempo.

TRÊS VOLANTES OU DOIS MEIAS?
Minha preocupação é que a equipe seja equilibrada e eficiente. Vejo vocês com preocupação muito grande com os três volantes. Minha preocupação é que o time seja consistente, equilibrado e eficiente. Pode ser das duas maneiras, vencemos das duas maneira jogando bem.

Sul-Minas avança, mas dupla Fla-Flu não confirma presença no torneio


Os dirigentes dos clubes interessados no possível retorno da Copa Sul-Minas voltaram a se encontrar nesta sexta-feira, na sede da Federação Catarinense de Futebol (FCF), em Balneário Camboriú. Representantes de Atlético-PR, Coritiba, Grêmio, Inter, Cruzeiro, Atlético-MG e dos quatro times de Santa Catarina na Série A, além do Flamengo, estiveram presentes. Peter Siemsen, presidente do Fluminense, está de férias e seria representado pelo vice-jurídico do clube, que cancelou a ida instantes antes do embarque ao Sul do país porque soube de um problema de saúde de um familiar próximo.

As equipes buscam agora uma forma de montar juridicamente a competição e pensam na criação de associação. Os dois clubes cariocas ainda não confirmaram a participação no torneio, caso ele seja realmente realizado. Se confirmada a presença da dupla Fla-Flu, o torneio deve assumir outro nome. A intenção é vender a competição para algum patrocinador. Mentor do projeto, o vice-presidente do Coritiba, André Luiz Macias, foi nomeado o coordenador do grupo e responsável para buscar os parceiros.

Reunião Copa Sul-Minas  (Foto: João Lucas Cardoso) 
Reunião sobre a Copa Sul-Minas foi realizada na Federação Catarinense de Futebol (Foto: João Lucas Cardoso)
 
A competição teria 14 clubes, com três representantes de Paraná, Minas, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, além da dupla Fla-Flu. Uma hipótese de classificação seria a de dois clubes pelo ranking da CBF e uma pelo estadual, com dois grupos de sete clubes. Seriam 18 datas ao todo, com a final em um jogo, em uma cidade pré-definida. Uma nova reunião está marcada para o dia 7 de agosto, na Arena do Grêmio, e há a expectativa de que no encontro possa ser apresentado o estatuto, o regulamento, calendário e retornos financeiros aos clubes. 

De acordo com o diretor-geral do Flamengo, Fred Luz, a participação da equipe carioca não está garantida. Há ainda um entendimento de que é prematuro tomar qualquer atitude, mas que a competição é vista com bons olhos.

Reunião sul-minas Delfim Pádua Peixoto (Foto: João Lucas Cardoso)- O Flamengo ainda não confirma que vai participar, mas vê com bons olhos a montagem da competição, só que ainda está cedo para decidir se vai participar. Faltam muitos passos ainda, a definição de estrutura, regulamento, calendário. Ainda há uma agenda, mas sem definição. Vão haver mais conversas, com certeza - falou Fred.

Para a realização da competição, existem três patrocinadores mapeados e que serviriam de suporte. Caso Flamengo e Fluminense participem, o torneio ganharia status de importância superior às Copas Verde e do Nordeste. Os cariocas são considerados a cereja do bolo.

- É a volta da Sul-Minas, que foi um torneio que aconteceu anos atrás. Agora querem reviver e começar tudo do zero, então estamos montando, mas há dois clubes que não pertencem à Sul-Minas, o Flamengo e Fluminense. Os demais clubes aceitaram a participação e eles vão resolver os eventuais problemas com a Federação Carioca. Esse seria um torneio com 60% dos clubes da Série A e formaria a copa mais forte do Brasil - falou Delfim Pádua Peixoto Filho, presidente da FCF.


Zico aprova Ederson com a 10 do Flamengo: "Com a bola que joga, vai se dar bem"


Ederson Flamengo apresentação (Foto: Fred Gomes/ Globoesporte.com)
Ao ser apresentado oficialmente pelo Flamengo e receber das mãos do presidente Eduardo Bandeira de Mello a camisa 10, Ederson disse que já está habituado a usar o número por onde passou, mas que desta vez precisaria pedir a autorização de Zico, a quem chamou de "maior de todos". Questionado sobre o que achou da contratação, o Galinho não só aprovou o meia como seu sucessor, como deu dicas para que ele faça sucesso com a torcida rubro-negra.

- Eu espero que seja muito importante e proveitosa porque é um jogador com experiência internacional muito grande, passagem pela França, jogava em uma grande equipe que é o Lazio. Acho que é uma posição que o Flamengo está carente. Tomara que ele seja muito feliz. O negócio é abençoar ele para que faça muitos gols e dê muitas alegrias para a torcida do Mengão. (Conselho para vestir a 10) É não se preocupar com número. A camisa do Flamengo, o torcedor quer ver o jogador dentro de campo se entregar de corpo e alma. Muita raça, muita gana, estar bem preparado. Disso que o torcedor do Flamengo gosta. Se ele se preocupar com isso, com a bola que ele joga, vai se dar bem - elogiou.

Ederson vinha fazendo pré-temporada com o Lazio, da Itália, e acredita que poderá estrear pelo Flamengo dentro de duas a três semanas. Até lá, vai conhecer seus novos companheiros de clube e adquirir entrosamento nos trabalhos táticos. O que Zico acredita ser rápido.

- Entrosamento entre bons jogadores não tem problema. Dentro do campo, eles se acham da melhor maneira possível. O treinador vai saber armar um sistema para que facilite para todo mundo.

Ederson foi o centro das atenções do Flamengo nesta sexta-feira, mas Zico fez questão de levar os holofotes também para Paolo Guerrero. O galinho exaltou o faro de gol do atacante peruano, que balançou a rede três vezes em três partidas pelo clube.

- Ele está provando aquilo por que ele foi contratado: ser artilheiro. Botou na área, ele guarda.

Guerrero, Zico e José Aldo (Foto: Cadu Machado/Master Sports & Mkt) 
Zico se encontrou com Guerrero no Maracanã durante jogo com o Corinthians (Foto: Cadu Machado/Master Sports & Mkt)
 

Com lombalgia(barrado), Wallace não treina e é dúvida para jogo com Goiás domingo


Capitão do Flamengo e o jogador com mais minutos em campo no Brasileirão 2015, Wallace não treinou nesta sexta-feira no Ninho do Urubu e passou a ser dúvida para o jogo deste domingo, às 16h (de Brasília), contra o Goiás, no Serra Dourada. Uma lombalgia o tirou da atividade.

César Martins, apresentado na última terça-feira, e Samir, totalmente recuperado do problema na coxa direita, são as opções para o caso de o camisa 14 não jogar.

O Flamengo já sofreu uma baixa na última quarta-feira, quando Armero sofreu estiramento leve na coxa direita. Jonas, recuperando-se de luxação no cotovelo direito, e Emerson Sheik, suspenso, também não jogam.

Flamengo estreia no Torneio Touchdown com uniforme inspirado no futebol

O Flamengo FA vai estrear no Torneio Touchdown de 2015 de manto novo. Neste domingo, às 11h (de Brasília), no duelo com o Rio Branco FA no estádio Luso Brasileiro, a equipe de futebol americano do Rubro-Negro vai a campo com o uniforme principal que homenageia a década de 1980 do futebol do clube, período no qual o Flamengo foi quatro vezes campeão brasileiro, faturou a Taça Libertadores e se tornou campeão mundial.

uniforme Flamengo FA (Foto: Felipe Fiorito) 
Reforço para a temporada, Yolandus Pratt posa com o novo uniforme e o número 87 estampado (Foto: Felipe Fiorito)
 
- Buscamos inspiração na época em que o Flamengo conquistou diversos títulos para nos motivar ainda mais para a disputa do Torneio Touchdown. Foi um período inesquecível que entrou para a história do clube e é exatamente isso que queremos fazer nesta temporada. Queremos gravar nossos nomes para a eternidade com a conquista do primeiro título nacional do Flamengo FA - explicou o presidente da equipe, Rogério Pimentel.

O novo uniforme número 2 segue indefinido. Ele será apresentado em agosto, em data a ser definida.

O Flamengo participa pela terceira vez do Torneio Touchdown. A equipe foi vice-campeã em 2013 e no ano passado terminou na quinta colocação. Para esta temporada, o time se reforçou com o running back Yolandus Pratt, que substitui o aposentado Rodrigo Pons, o Vinny. O americano, inclusive, posou com o novo uniforme com o número 87, ano do quarto título brasileiro do futebol rubro-negro, até hoje alvo de polêmica com o Sport.

uniforme Flamengo FA (Foto: Felipe Fiorito) 
Yolandus Pratt (Foto: Felipe Fiorito)
 
- Teremos uma linha ofensiva muito forte com a chegada do Pratt. Ele vem se entendendo muito bem nos treinos com o KC Frost (quarterback da equipe) e os dois estão sendo bem coordenados pelo Justin Bubbar, que assim como eles vai para sua primeira temporada integral com o time. A sintonia está muito boa com os demais jogadores e esperamos estrear com vitória neste domingo - contou o head coach Otávio Roichman.

Na equipe rubro-negra estão quatro atletas que fizeram história com a seleção brasileira em julho - o país disputou pela primeira vez a Copa do Mundo de futebol americano, em Ohio, nos Estados Unidos, e ficou em sétimo lugar. São eles o tight end Felipe Leiria, o "Cebola", os offensive line Marcos Martiny e Anselmo Brauer, e o defensive line Denis Barros. Além dos jogadores, o preparador físico Leonardo Britto e os irmãos Ivan e Otávio Roichman também integraram a delegação brasileira.

Flamengo supera o Atlético-PR nos pênaltis e está na semifinal da Taça BH

O Flamengo se classificou para a semifinal da Taça BH, sub-17. Na tarde desta sexta-feira, na Arena do Jacaré, o Rubro-Negro carioca buscou o empate por 1 a 1 com o Atlético-PR nos minutos finais e levou a melhor nos pênaltis por 5 a 3. Os gols foram todos no segundo tempo: Thiago abriu o placar para os paranaenses, Antônio Carlos empatou, e o goleiro Gabriel foi o herói ao defender uma cobrança na marca da cal. Adversário na próxima fase será o Figueirense, na segunda-feira, ainda sem horário e local definidos.

Atlético-PR; Flamengo; Taça BH (Foto: Site oficial do Atlético-PR/Caio Derosso) 
Após 1 a 1 no tempo normal, Fla faz 5 a 3 nos pênaltis (Foto: Site oficial do Atlético-PR/Caio Derosso)

Ederson é apresentado com pompas na Gávea: "Estou no maior do mundo"



Ainda pouco conhecido da torcida brasileira, o novo camisa 10 do Flamengo foi apresentado com pompas em evento inédito na sede social do clube, na Gávea. Oficialmente, as primeiras palavras de Ederson vestindo vermelho e preto aconteceram no salão de troféus da Fla Experience, onde, além das taças, há um campinho de futebol.

O reforço, que já teve contato com a história rubro-negra, não escondeu a felicidade por chegar ao Flamengo – alegria que demonstrou já no desembarque no Aeroporto Internacional, na manhã desta sexta-feira. Ederson, que estourou internacionalmente com a camisa do Lyon, estava no Lazio e assinou contrato até dezembro de 2017.

– Eu tenho que dizer que estou muito feliz, honrado e orgulho. Era um sonho voltar ao meu país após 11 anos jogando em alto nível na Europa. E estou realizando esse sonho vindo para o maior do mundo, para jogar no clube de maior torcida do mundo. Não poderia ser melhor, e vou fazer de tudo para honrar essa camisa e dar alegrias a essa torcida.


Com duas lesões graves na carreira, uma em cada coxa, Ederson mostrou o desejo de encerrar qualquer polêmica –  segundo ele mesmo, para "colocar definitivamente uma pedra" no assunto. O meia garantiu estar livre de problemas e que se sente 100% fisicamente para desempenhar seu futebol. Bem articulado, teorizou ao afirmar que, com pensamento positivo, dificilmente voltará a ter problemas.

– Esse é um assunto que queria esclarecer e colocar definitivamente uma pedra em cima. Futebol é um esporte de muito contato físico, e estamos sempre buscando a superação e os limites. Infelizmente, lesões acontecem com todos. Segundo motivo: no meu caso, tenho a impressão de ver aquela brincadeira da escola. O primeiro fazia uma frase, passava para o segundo, terceiro, e, no fim, ela ficava enorme e distorcida. Terceiro motivo: vocês já devem ter ouvido falar na Lei da Atração, e penso muito nisso. Por isso só quero pensar em coisas positivas, de que estou no maior do Brasil e no clube de maior torcida do mundo. Vou me esforçar para estar disponível o mais rapidamente possível para ajudar meus companheiros.

Confira os outros assuntos abordados na coletiva.

Emerson Sheik, que voltou ao Brasil com 29 anos, também desconhecido

Sim, é um exemplo para mim. Ele é um grande jogador e vem demonstrando isso no Flamengo. O elenco está cheio de grandes jogadores. Espero poder pegar exemplo de cada um e dar exemplo também.

"Autorização" de Zico para vestir a camisa 10

Na Seleção sub-17, com a qual fui campeão mundial, e nos clubes por onde passei vesti a 10, mas com certeza aqui no Flamengo tem de pedir autorização ao maior de todos para usá-la. Com certeza é uma pressão, sei que existe cobrança, mas existe felicidade e orgulho de vestir essa camisa. Meu objetivo é ser feliz.



Contato com Zico

Tive a felicidade de conhecê-lo pessoalmente no evento Golden Foot. Ele foi receber um prêmio. Excelente jogador, pessoa maravilhosa. Para mim, é uma honra vestir a camisa do Zico, que é o maior artilheiro do Flamengo e o maior ídolo. Não vou medir esforços para ter sucesso com ela.

Principal função em campo

Sou meia de ligação, meu papel é armar as jogadas, fazer a jogadas por trás. Quando não tenho a posse de bola, procuro fazer o trabalho defensivo. Muitas pessoas não sabem a posição exata em que jogo. É que na Europa sempre procurei ser muito polivalente. Já joguei como meia-esquerda, na ponta, mais recuado, mas minha função principal é ser meia de ligação.

Responsabilidade de municiar Emerson e Guerrero

A responsabilidade é grande, mas fica fácil com grandes jogadores. Emerson, Everton e Guerrero são grandes jogadores e muito rápidos. Creio que podemos ter bom entrosamento e fazer bons jogos, dividindo essa responsabilidade e ajudando o time a vencer. Creio que o coletivo, quando funciona, exalta as qualidades individuais de cada jogador. Não é a individualidade que exalta o coletivo. Vivendo bem juntos, podemos criar uma bom setor ofensivo para fazer gols e sair com as vitórias

Com mercado na Europa, opção pelo Fla

Falando-se em Flamengo, é um dos maiores clubes do mundo. É um sonho para qualquer jogador chegar aqui. No Lazio eu não vinha sendo utilizado pelo esquema do treinador. Por isso, optei vir para o Flamengo, que é um grande clube.



Readaptação ao futebol brasileiro

Espero me readaptar o mais rapidamente possível ao futebol brasileiro. Espero que, com a ajuda dos meus companheiros, me adaptar rapidamente. Acredito que é mais difícil para o brasileiro que vai para a Europa se adaptar ao futebol de lá. Brasileiro voltando da Europa tem uma adaptação mais fácil, o essencial é que possa me entrosar com meus companheiros. Tenho visto que o Flamengo tem ambiente muito bom de trabalho.

Previsão de estreia

Por enquanto temos que fazer uma avaliação. Estou treinando há duas semanas e meia, porque na Europa os clubes começaram a treinar agora. A ênfase era mais na parte física, e preciso de tempo para começar a treinar com bola.



Reforços e jogos a que assistiu contra gaúchos

Quanto ao fato que o Flamengo esteja se reforçando, normal. Flamengo é grande clube e tem que estar lutando sempre pelas primeiras posições. Pude assistir à vitória contra o Inter, em Porto Alegre, onde não é fácil (vencê-lo), e a vitória sobre o Grêmio. O time tem tudo para subir na tabela.

Volta à Itália

Vou treinar amanhã de manhã e volto para a Itália para resolver algumas coisas e minha mudança. Minha mulher é italiana, meu filho é italiano, e vou para a Itália resolver a transferência deles para o Brasil.

Liberação difícil do Lazio

Não foi fácil conseguir a liberação, porque senti uma admiração grande do presidente. Me propôs outros clubes da Europa para fazer empréstimo coma opção ao Flamengo, mas a partir do momento que soube que o Flamengo chegaria com esse projeto sério, disse a ele que meu sonho era voltar ao país e jogar no Flamengo. No fim, foi um alívio.



Malas vermelhas e pretas

As malas foram coincidências positivas. Quando soubemos que viria para o Flamengo, eu e minha esposa fomos comprar as malas, pretas por fora. Quando chegamos em casa, vimos que eram vermelhas por dentro. Pensei: "Até as malas?". Ótima coincidência. Tudo deu certo para minha chegada aqui, e estou feliz com isso.

Lesão no único jogo pela Seleção

Sempre pensei dessa forma: o importante não é o que acontece com você. A coisa mais importante é a forma como você reage ao que acontece. Naquela ocasião da Seleção, que era um sonho e passou a um pesadelo, procurei voltar o mais rápido. Voltei em cinco meses. Hoje me sinto 100%, não tenho nenhuma preocupação quanto a isso. Um dos meus objetivos é voltar à seleção brasileira. Mas tem de passar primeiro por bons resultados pelo Flamengo.

Carlos Eduardo, que sofreu com a 10 do Flamengo

Carlos Eduardo é um excelente jogador. Eu o conheci na Seleção. Não conversamos ultimamente, porque não temos um contato muito estreito, mas também desejo muita sorte a ele na continuidade da carreira, e espero fazer ótimas coisas no Flamengo, um clube maravilhoso.

Domingo tem Mengão na Globo

 

DOMINGO, 26


 
Série A do Campeonato Brasileiro

16h Goiás x Flamengo

 
Transmissão: TV Globo para RJ, SC, PR (Curitiba), ES, GO (menos Goiânia), TO, BA, SE, AL, PE (Petrolina), PB, RN, PI, MA, PA, AM, RO, AC, RR, AP e DF (com Luis Roberto, Junior e Paulo Cesar Oliveira) e Premiere (com Eduardo Moreno e Roger Flores)

"Muito feliz", Ederson desembarca no Rio para a apresentação oficial no Flamengo


 
Ederson Flamengo (Foto: Reprodução / Instagram)O novo camisa 10 do Flamengo está a caminho da Gávea. Literalmente. Ederson chegou ao Rio de Janeiro na manhã desta sexta-feira – o desembarque no Aeroporto Internacional ocorreu às 10h10 –, apareceu 35 minutos depois no saguão, onde poucos torcedores estavam presentes, e foi breve nas palavras. Com um sorriso no rosto e vestindo a camisa rubro-negra, resumiu o discurso da alegria.

– Estou muito feliz. Depois falo na coletiva – limitou-se a dizer.

Ederson seguiu direto para a Gávea, onde será apresentado oficialmente – a coletiva está marcada para as 12h. Contratado ao Lazio, o jogador acertou com o Flamengo até o fim de 2017. O contrato foi assinado assim que o meia chegou à sede do clube.




Tímido, Guerrero busca entrosamento e descarta rótulo de "Novo Imperador"


Guerrero; Capa El Bocón (Foto: Reprodução/Internet)

Contratado como estrela pela diretoria, Paolo Guerrero talvez não esperasse que seu inicio no Flamengo fosse tão promissor. Com média de um gol por jogo, ele conquistou os rubro-negros e tem tudo aumentar esse sentimento, que já ganhou até letra de funk. Mesmo com toda euforia, o atacante mostrou maturidade durante coletiva na tarde desta quinta-feira, no Rio, e acabou surpreendido quando perguntado se poderia ser chamado de novo Imperador, como chegou a publicar o jornal peruano El Bocón dois dias após sua estreia.

- Foi um grande jogador, vi pelo Inter (de Milão) da Itália... Uma pena que não esteja jogando agora, mas na verdade me estranha um jornal do Peru falar isso - limitou-se.

Depois de passar um bom tempo em São Paulo, quando atuava pelo Corinthians, Guerrero tenta se adaptar ao Rio de Janeiro e conta com a ajuda dos companheiros nos treinos e também na concentração. Tímido, segundo ele mesmo se intitula, reconhece que o entrosamento rápido não é seu forte.

- Fora do campo, acho que sou uma pessoa tímida, demoro muito a me entrosar, porque sou um pouco inseguro. Demoro um pouco a entrar no grupo, mas meus companheiros estão facilitando, estou podendo participar das conversas, e eles estão me ajudando. Tenho bom contato com todos, já sei o nome de todos. 



Para facilitar as coisas, a música acaba se tornando uma boa ferramenta na hora da comunicação. Fã de pagode e sertanejo, o peruano agora está se acostumando com o funk carioca, principalmente após receber de presente o hit "Acabou o caô! O Guerrero chegou! O Guerrero chegou!".

- É uma música (funk) nova para mim, gosto do ritmo. Mas também gosto de sertanejo, de pagode. Eu não sou um tipo fã, mas gosto quando meus companheiros estão ouvindo nas concentrações, no bus (ônibus).

LDB começa em Uberlândia com 23 clubes e a seleção brasileira sub-17



Com 24 participantes, incluindo a seleção brasileira sub-17, começa nesta sexta-feira a Liga de Desenvolvimento de Basquete (LDB). A primeira fase será disputada em Uberlândia, na sede do Praia Clube, até o dia 2 de agosto. Flamengo, Botafogo, Palmeiras e Sport são os grandes clubes de futebol presente na competição, que permite apenas a participação de jogadores até 23 anos e conta com o Basquete Cearense.

Dos clubes participantes do LDB, 13 também estão confirmados na próxima edição do Novo Basquete Brasil (NBB), incluindo o Flamengo que é o bicampeão, 2011/2013 da LDB. Além da seleção brasileira sub-17, a competição terá como novidades o Pequeninos, de Campina Grande, Campo Mourão-PR, Concórdia-SC e Internacional de Regatas, de Santos.

A ideia da Confederação Brasileira de Basquete (CBB) ao pedir a inclusão da seleção brasileira sub-17 é dar experiências aos jovens jogadores. Eles vão disputar as duas primeiras etapas da LDB e depois seguem para a disputa do Sul-Americano, na Argentina, em setembro. A competição é classificatória para a Copa América Sub-18 no ano que vem.

- Todos mostraram muita capacidade de aprendizagem e técnica para absorver os conteúdos, além de colocar em prática e realizarmos uma boa preparação. Vamos aproveitar ao máximo essa fase da LDB quando teremos treinos pela manhã e jogos na parte da tarde. Serão partidas duras, mas importantes para avaliação dos jogadores já pensando no Sul-Americano. Usaremos essas duas semanas em Uberlândia para buscar uma evolução técnica e tática para alcançarmos o objetivo - analisou o técnico André Germano.

A seleção brasileira sub-17 vai enfrentar o Pinheiros na sua estreia, às 16h (de Brasília). O atual campeão Basquete Cearense fecha a primeira rodada no confronto com o Basquete Curitiba, às 20h (de Brasília). Os outros jogos são União x Sport (14h); Paulistano x Campo Mourão (14h); Rio Claro x Botafogo (14h); Concórdia x Minas (16h); Franca x Macaé (16h); Palmeiras x Praia Clube (18h); Joinville x Pequeninos (18h); Limeira x Flamengo (18h); Bauru x São José (20h); e Inter/Santos x Brasília (20h).

Bem no Lazio, Felipe Anderson exalta Ederson: "Quem mais me ajudou aqui"


Felipe Anderson e Ederson Lazio (Foto: Divulgação)
Novo reforço rubro-negro, o meia Ederson chega do Lazio, clube cujo maior destaque na temporada foi o meia Felipe Anderson, ex-Santos. O jogador, de 22 anos, valorizou-se a ponto de de a direção biancocelesti fixar seus direitos econômicos em 100 milhões de euros (cerca de R$ 360 mi).

- O Ederson foi o cara que mais me ajudou aqui e foi um exemplo para mim de como trabalha. É muito profissional. Uma amizade que com certeza vou levar pro resto da vida. Grande jogador e grande pessoa - elogiou.

Embora a posição de volante não seja prioridade de momento na Gávea, Felipe afirma que o ex-companheiro não se trata apenas de um bom armador, mas também o vê em condições de atuar mais recuado.

- Eu o vi jogando como 10 e também de segundo volante, onde foi bem também. Tem muita qualidade no passe e finalização - encerrou.

Ederson chega ao Rio nesta sexta-feira, às 10h (de Brasília). Duas horas depois será apresentado na Gávea.

Se os clubes quiserem, podem criar uma liga nacional no Brasil? GE Explica


Premier League. Bundesliga. La Liga. Lega Calcio. Ligue 1. Primeira Liga. Major League Soccer. Brasileirão. Todos são nomes dos principais campeonatos nacionais do planeta. O que difere os sete primeiros do disputado por aqui? Eles têm o termo “Liga” em seu nome oficial. E não em vão. Todos são, efetivamente, uma liga formada pelos clubes, que organizam o torneio em seus países. No Brasil, a CBF é a responsável por essa tarefa. Ao menos por enquanto. No início de junho, a entidade deu mais autonomia aos clubes, mas a liga brasileira não foi criada. Entretanto, clubes iniciaram o movimento para a criação de uma liga e um torneio Sul-Minas com a participação de Flamengo e Fluminense.    

Como essa liga seria criada? Ela precisa do aval da CBF? Quais seriam as vantagens e desvantagens de uma liga no futebol nacional? As respostas são variadas. No entanto, efetivamente, qualquer clube pode se unir a outro para formar uma liga, mesmo que sem a autorização da entidade de administração de seu esporte. O parágrafo 5º do artigo 20 da Lei Pelé diz que “é vedada qualquer intervenção das entidades de administração do desporto nas ligas que se mantiverem independentes”.


No caso do futebol, isso quer dizer que, se dois ou mais clubes fundarem uma liga que se proponha independente, a CBF não poderia ter influência em suas atividades. Como isso seria feito? A partir do simples direito de livre associação dado pelo Código Civil brasileiro. Basta haver união e consenso entre seus participantes, o registro e a elaboração de um estatuto, como explica o advogado e blogueiro do GloboEsporte.com José Eduardo Junqueira.   

- A constituição estabelece a liberdade de associação. É um direito constitucional. Se houvesse uma disputa judicial com a CBF ou qualquer entidade administrativa, não tenho dúvida que os clubes ganhariam. A liga é uma associação civil. É preciso um estatuto próprio, que é levado a registro no Registro Civil de Pessoas Jurídicas. Para ser legalmente constituída, a liga tem que ter estatuto social, levado a registro e tem que obter o CNPJ - diz Junqueira. 

Caso a MP do Futebol (Projeto de Lei 10/2015) seja sancionada pela presidência, haverá mais uma obrigação para quem queira criar uma liga. Como prevê em seu artigo 5º, os clubes que aderirem ao Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro (Profut) só poderão participar de campeonatos ou ligas organizadas por entidades que atendam às exigências da lei, como o mandato de quatro anos e prática do fair play financeiro. 

Uma liga independente sobreviveria?   

Só que não basta criar uma liga independente; é preciso mantê-la viva e funcionando. E é aí que está o problema. Especialistas ouvidos pelo GloboEsporte.com apontam inúmeros obstáculos para que um grupo de clubes tenha vida no Brasil sem o aval da CBF. Um raciocínio rápido explica tal conclusão. O campeão de uma liga que não seja reconhecida pela entidade máxima de seu país - logo por Conmebol e Fifa - se classificaria para qual competição? Nenhuma. Quem patrocinaria uma liga com pouca representatividade? Parceiros com pouco potencial.

- Todas as ligas fortes do mundo, inglesa, francesa, espanhola, alemã, italiana, portuguesa, todas elas foram criadas em linha com a federação local. Para ter reconhecimento da Fifa, tem que ser reconhecida pela entidade de administração do país. A ideia da liga independente, sem aval de sua associação reguladora, nasce morta. Campeão de quê? Tem que se ater à hierarquia do futebol mundial. A Lei Pelé diz que criação da liga é permitida. Não tem problema nenhum. Mas aí você vai disputar o campeonato do aterro? Vai ser campeão da Liga dos Cinco Clubes? – opina o advogado especialista em direito desportivo, Marcos Motta.  
Obrigações que uma liga independente teria:

- Ter registro civil e obter CNPJ;
- Criar estatuto e código de justiça;
- Ter o próprio tribunal;
- Ter o próprio sistema de registros


Para iniciar o movimento pela volta da Copa Sul-Minas, o Coritiba consultou a CBF e diz ter recebido o aval. Ou seja, não seria uma liga independente, cenário cogitado por Flamengo e Fluminense no início da temporada, após desentendimentos com a Ferj (Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro) durante o Campeonato Carioca - e algo improvável, como afirma o blogueiro do GloboEsporte.com Emerson Gonçalves, especialista em marketing esportivo.   

- Existe um complicador nessa história porque a Fifa toma muito cuidado para que nada fuja do controle dela. Essa liga, pela legislação brasileira, pode ser independente. Se não for reconhecida pela CBF, não será reconhecida pela Conmebol, nem Fifa. Se ela não oferecer risco para a CBF, a CBF reconhecerá. Ou reconhecerá se essa liga for muito forte (politicamente). Para ter uma liga, tem que ter união e a participação de todos – analisa.

Além do campo: as obrigações de uma liga

A CBF e as federações atualmente organizam calendários, regulamentos, registros, julgamentos e tantas outras obrigações burocráticas de seus campeonatos. Uma liga que se proponha a organizar um campeonato teria que assumir esse papel. O parágrafo 6º do artigo 20 da Lei Pelé diz que "as ligas formadas por entidades de prática desportiva envolvidas em competições de atletas profissionais equiparam-se, para fins do cumprimento do disposto nesta Lei, às entidades de administração do desporto". No entanto, existe outro caminho: a liga ser criada em consenso com CBF e federações e deixar para essas entidades as obrigações burocráticas.

- Ela (liga) criaria seu próprio regulamento e seu próprio tribunal. Mas, caso tenha o apoio da CBF, pode se aproveitar da estrutura judicial que a entidade tem. Isso tudo pode ser acordado. Se não houver um acordo, a liga terá que ter o seu código de justiça, o seu tribunal, o seu departamento de registros. É um emaranhado burocrático absurdo. Se não houver apoio da confederação, ela assume esse papel. E isso significa gastos a mais - afirmou José Eduardo Junqueira.   

A Copa do Nordeste é um exemplo recente de modelo de parceria entre a entidade máxima do futebol brasileiro e uma liga. O grupo que representa os clubes da região organiza a competição, negocia patrocínios e direitos de imagem, mas o registro de atletas e as punições esportivas ficam a cargo de CBF e STJD, respectivamente.

- Assim como há Liga do Nordeste, poderia haver uma liga nacional. A CBF não faz nenhuma intervenção, e a liga é organizada pelos clubes da região. A CBF reconheceu. Legalmente há precisão, desde que preencha os requisitos da entidade de administração do esporte, no caso a CBF. Senão seria uma liga pirata, e nenhum clube do sistema oficial poderia participar – declara o diretor jurídico da CBF, Carlos Eugênio Lopes.   

Eduardo Junqueira lembra que, no caso das cotas de TV, a liga pode optar para que cada integrante negocie sua parte ou entregue a uma empresa que gerencie essa parte.   

Ceará campeão copa do nordeste (Foto: LC MOREIRA/ESTADÃO)- A liga nada mais é do que uma associação. Posso deliberar que nós é que vamos gerenciar a competição ou poderia delegar para qualquer outra empresa fazer a negociação de cotas. Tenho alternativas.

Falta união para uma liga nacional   

No início de junho, a CBF tomou uma atitude estratégica. Deu mais autonomia para os clubes com a retirada de seu poder de veto nas decisões do Conselho Técnico e esfriou o desejo por uma liga. Previsto no estatuto da CBF, o Conselho é um grupo formado por representantes de clubes de todas as divisões para a discussão de assuntos relacionados à organização dos campeonatos. 

A mudança no estatuto dá mais poder à comissão, desde que dentro do calendário previsto pela entidade. Em 2006, por exemplo, o Clube dos 13 pretendia mudar a fórmula do Campeonato Brasileiro a partir de 2007, com o rebaixamento de duas equipes e o acesso de quatro da Série B para a A. A intenção era de que em 2008 o torneio passasse a ter 22 clubes, com rebaixamento e acesso de três times. No entanto, a CBF vetou a mudança no Conselho Técnico daquele ano.

O principal elemento para o nascimento de uma liga ainda está embrionário: a união. Mesmo que o assunto já tenha sido abordado em reuniões e conversas, a ideia está longe de virar realidade e unanimidade. Segundo o presidente do Cruzeiro, Gilvan de Pinho Tavares, há outras prioridades. 

- Não quero falar sobre esse assunto. Foi matéria de debate, mas estamos discutindo outro interesse momentâneo, que é a questão da aprovação da MP 671 (a MP do Futebol), que não é problema só do Cruzeiro, é de 90% dos clubes. Atrapalharíamos demandas que são mais urgentes. Já ficou acertado em reuniões das diretorias dos grandes clubes que não iríamos colocar essa matéria em debate. Vai ser colocado em pauta, mas daqui a uns tempos – declarou. 

Há quem defenda a pauta. Mas não é a maioria. Até mesmo entre os que estão dispostos a discutir a criação da liga, há ideias diferentes. O consenso é que há a necessidade de os clubes tomarem a frente. No entanto, a forma de tomar tal atitude ainda não está clara. Ainda há uma separação entre o grupo dos times mais expressivos do país, com maior poder político e financeiro, e os de média e pequena expressão. Estes costumam protestar contra a discrepância dos valores de cotas de TV.

Sandro Pallaoro, presidente da Chapecoense, vê o tema com ceticismo: 

Daniel Nepomuceno (Foto: Bruno Canitini)- Acho que não precisa criar uma liga. O meu medo é termos duas estruturas, a liga e a CBF. Para dizer que a liga é solução, tem que ter debate muito amplo. É simples dizer "vamos criar", mas o que ela vai fazer? Há assuntos mais urgentes. Temos que profissionalizar a arbitragem, fazer testes em vários setores. É um negócio mais amplo. Antes de criar, tem que sentar com a CBF. A CBF precisa dos clubes, temos que pressionar e perguntar: "Quanto vocês faturam?", "por que essa taxa é cobrada?".

O presidente do Atlético-MG, atual líder do Brasileirão, também acha improvável a criação de uma liga nacional, apesar de ser favorável à discussão. Daniel Nepomuceno, no entanto, não esconde a empolgação com a aproximação de um torneio regional, como o retorno da Copa Sul-Minas.

Reunião de presidentes de clubes na CBF (Foto: CBF)- A criação da liga nacional tem que ter parecer jurídico. Como vai ser administrada? A maioria dos clubes tem contrato com a TV Globo até 2018. Como isso vai ficar? A liga vai herdar esse contrato? Em alguns termos, tem que ter responsabilidade para trabalhar. O caminho é que se crie diretoria interna, independente, dentro da CBF. Mas sou totalmente a favor de campeonatos por regiões. Já no ano que vem. Sul-Minas, Minas-Oeste, que seja. A federação é diferente. Tem potencial de receita enorme.   

Renascimento do Clube dos 13?

A união para formar uma organização forte ainda está distante da realidade brasileira. Mas os clubes querem dar o primeiro passo. São Paulo e Santos veem na autonomia obtida diante da CBF uma oportunidade para criar, ao menos, uma associação que represente os 20 times da Série A. Mas nada perto do alcance de uma liga sozinha.

- Temos um foro para discutir as competições, que é o Conselho de Clubes. Por que vamos criar outra estrutura para discutir os assuntos dos clubes? Para que refazer o que já está feito? No momento, não vejo necessidade de se criar liga. Temos parceiros comerciais, temos contrato até 2018 com a televisão. Temos que montar uma entidade representatividade dos clubes. Uma mesa para que os clubes possam sentar e discutir. Até o próprio Clube dos 13, por que não? – defende o presidente santista, Modesto Roma Júnior.

A opção mais provável atualmente seria a criação de uma entidade que apenas representasse os clubes e fosse um espaço para discussões. Acordos de patrocínio do campeonato e serviços burocráticos, como o registro de jogadores, ainda permaneceriam com a CBF. O presidente do Grêmio, Romildo Bolzan, também espera que a intenção se cumpra.

- Sou favorável a uma criação de associação de clubes rapidamente, é necessário que a gente tenha pautas mínimas no futebol brasileira a partir de uma visão exclusivamente. Quando falo em associação, é o modelo do Clube dos 13. É um fórum para discutir a pauta dos calendários, financiamento da televisão, como vamos tratar questões dos salários, administração, tudo isso. Esse processo corporativo é anterior à criação de uma liga – opina o gremista.   

O cenário, no momento, favorece a discussão, mas não a criação de uma liga. Falta união. E, segundo Emerson Gonçalves, a volta do Clube dos 13 não é a melhor solução.   

- O Clube dos 13 era quase uma liga. O principal objetivo era negociar cotas de TV. No Clube dos 13 havia uma desunião fantástica.

Algumas opiniões

HEader - liga do futebol brasileiro opiniões (Foto: Editoria de Arte)

MARCOS MOTTA (ADVOGADO)
 - A liga é um veículo comercial dos clubes, mas não é uma entidade. Não vejo problema se for em linha com CBF e federações locais e respeitando todos os estatutos e contratos assinados.

EMERSON GONÇALVES (ESPECIALISTA EM MARKETING ESPORTIVO)

- É política, união dos clubes, negociação. Não é decisão técnica, jurídica. É decisão política. Ela vai existir se tiver expressão política.

JOSÉ EDUARDO JUNQUEIRA (ADVOGADO)
- Há a necessidade de gestão profissional. Se essa gestão vai ser da liga ou CBF, o modelo pouco contribui. Se tiver liga independente, mas com formato amador, não adianta nada.

WALTER FELDMAN (SECRETÁRIO-GERAL DA CBF)

- Essa ideia da liga é uma coisa mística e mágica, como se tudo fosse ficar lindo, salvador. Na cultura brasileira, não é esse o fato. A CBF hoje é uma estrutura aberta.

SÉRGIO RASSI (PRESIDENTE DO GOIÁS)
- Acho que quem almeja ser alguma coisa na vida tem que administrar a sua própria vida. Não precisamos da CBF para isso. Deveríamos ter uma liga para satisfazer os nossos desejos.

CARLOS MIGUEL AIDAR (PRESIDENTE DO SÃO PAULO)
- Não precisa ser necessariamente uma liga, mas uma reunião de clubes para debater os assuntos de interesse comum.

JOÃO HUMBERTO MARTORELLI (PRESIDENTE DO SPORT)
- O Sport não tem uma posição definida. Pretendemos ouvir um pouco mais a proposta porque ainda não é muito clara. É uma simples proposta de criação de liga.

ROMILDO BOLZAN (PRESIDENTE DO GRÊMIO)

- Não acho possível, porque os clubes não têm uma unidade de comportamento, não têm capacidade de união.

MÁRIO CELSO PETRAGLIA (PRESIDENTE DO ATLÉTICO-PR)
- Nossa posição é a que sempre manifestei, a de independência total e absoluta, que os clubes sejam responsáveis e tenham autoridade e responsabilidade pelas competições.

EURICO MIRANDA (PRESIDENTE DO vasco)
- O Conselho Técnico vai poder decidir. Não sei por que tem esse negócio de ser liga ou não. Os clubes que decidem e não interessa se é liga, pinga ou diga.