Tu és... Time de tradição... Raça, amor e paixão... Oh meu Mengo!!! Eu... Sempre te amarei... Onde estiver estarei... Oh meu Mengo!!!

sábado, 20 de maio de 2017

Flamengo chega a acordo com o Real Madrid e acerta venda de Vinicius Jr



Vinicius Junior entrou em campo neste sábado pelo Flamengo, mas já é jogador do Real Madrid. O clube carioca assinou uma obrigação de venda em julho de 2018, quando o atacante completará 18 anos – não é permitido na Espanha o registro de estrangeiros menores de idade. 

O anúncio oficial da contratação do jovem de 16 anos será feito após o Campeonato Espanhol. Neste domingo, na última rodada, o Real Madrid joga por um empate contra o Málaga para sagrar-se campeão. A expectativa é que os clubes oficializem a negociação até terça-feira. 

O Real Madrid pagará 45 milhões de euros (cerca de R$ 154 milhões). Descontados impostos e comissões, o Flamengo ficará com aproximadamente R$ 100 milhões. Desse montante, o Rubro-Negro receberá 2/3 (cerca de R$ 66 milhões) agora. O restante será parcelado até o atacante se apresentar na Espanha. 

 Quando isso vai acontecer é uma questão indefinida. Vinícius Júnior terá que se apresentar ao Real Madrid em julho de 2018, mas há a possibilidade de ele ser emprestado por mais seis meses ou um ano ao Flamengo. Nesse caso, a promessa iria para a Espanha somente em janeiro ou julho de 2019. A decisão caberá ao Real Madrid. No entanto, na primeira janela, em julho de 2018, o jogador terá o direito de escolher se vai ou se permanece por mais tempo no Rio de Janeiro. 

No início da semana, o Flamengo anunciou a renovação de Vinícius. Pelo acordo, a multa rescisória passou de 30 milhões de euros para 45 milhões de euros, exato valor que será pago pelo Real Madrid pela promessa rubro-negra. Neste sábado, o atacante entrou em campo no Serra Dourada nos minutos finais da vitória por 3 a 0 sobre o Atlético-PR. Foi o segundo jogo do atacante como profissional



Atlético-GO 0 x 3 Flamengo


Ficha técnica


Local: Estádio Serra Dourada, em Goiânia (GO)

Data e hora: 20/05, às 19h (horário de Brasília)

Árbitro: Igor Benevenuto (MG)

Cartões Amarelos: Walter e Igor (ACG); Gabriel (FLA)

Gols:
Everton, 40'/1ºT (0-1); Leandro Damião, 05'/2ºT (0-2); Rodinei, 19'/2ºT (0-3)


Renda:  R$ 378.995,00
Público:  8.957 pagantes


ATLÉTICO-GO: Felipe; Eduardo, Roger Carvalho, Ricardo Silva e Bruno Pacheco; Marcão, Igor, André (Andrigo, Intervalo) e Jorginho; Everaldo (únior Viçosa, 33'/2ºT) e Walter (Walterson, 26'/2ºT). 
TEC: Marcelo Cabo.

FLAMENGO: Alex Muralha; Pará, Réver, Rafael Vaz e Trauco; Márcio Araújo, Willian Arão e Ederson (Vinicius Júnior, 35'/2ºT); Gabriel (Matheus Savio. 12'/2ºT), Everton (Rodinei, Intervalo) e Leandro Damião.
TEC: Zé Ricardo.

Vale a pena o alto investimento em Vinicius Junior? Imprensa de Madri responde



Flamengo deve anunciar nos próximos dias a venda de Vinicius Junior para o Real Madrid por 45 milhões de euros (o equivamente a R$ 164 milhões, na cotação desta sexta-feira). Ainda há alguns pormenores sendo discutidos para a assinatura do contrato, mas é possível afirmar que a transferência já está acertada. Enquanto a oficialização não acontece, o Globo Esporte. com foi atrás de jornalistas espanhóis que cobrem o clube merengue no dia a dia para saber o que eles acham. Vale a pena o alto inventimento em um jovem de 16 anos que acabou de estrear nos profissionais?

Dos profissionais procurados pela reportagem, nenhum deles disse que não vale a pena apostar em Vinicius, apesar dos altos valores envolvidos. Dois se mostraram favoráveis, e outros dois ficaram em cima do muro. 


Rodrigo Faez, Bein Sports - SIM
- Acho que vale a pena. Pelo que vimos dele no futebol brasileiro, é um jogador com muito futuro, mas também tem o presente, pois já está demonstrando. Se tiver a cabeça no lugar, poderá crescer muito. O jogo aqui na Espanha pode cair bem para ele a médio prazo. E insisto que, se tiver a cabeça tranquila, a calma suficiente, e se souber se adaptar ao futebol europeu, creio que ele será um jogador de nível mundial. 

Antón Meana, rádio Cadena SER - SIM
- Creio que isso faz parte de uma política do Real Madrid de contratar jovens talentos o quanto antes. Claro que não é a mesma coisa contratar o Marco Asensio por 3 milhões de euros e o Vinicius por mais de 60 milhões. Mas entendo que é uma maneira de captar os jovens e que eles sejam seus antes que o preço deles no mercado seja mais elevado. 

- Acho que há gente muito preparada nos clubes. E se pagam esse valor, é porque o jogador vale. Estamos em um momento em que os torcedores precisam entender que o futebol mudou. Agora o preço de várias contratações é de 100, 120 milhões de euros. Com Pogba foi assim. Quem quiser contratar o Dybala terá de pagar 130 milhões. Por Mbappé, começam a falar com você a partir de 100 milhões. Este não é mais o futebol de cinco, seis, sete anos atrás. Portanto, o Real Madrid considera que esse jogador é importante, vai atrás dele, e o valor é muito elevado. Mas creio que, nesses clubes com tanto dinheiro, o risco não é tão grande. 


Setoristas do Real Madrid falam de Vinicius Junior (Foto: Ivan Raupp)



José Luis Sánchez, canal La Sexta - TALVEZ
- É uma aposta arriscada, mas sinto que o mundo do futebol hoje está apostando nos jovens talentos. Já não fazem mais grandes loucuras por jogadores de 27, 28, 29 anos. Apostam mais nas figuras jovens. Barato ou caro, isso quem dirá é o campo. Se o rendimento for muito alto, terá sido um jogador barato. Se ele for mal, terá sido uma aposta que saiu cara. Mas agora mesmo, vendo as informações que existem, e profissionais técnicos do Flamengo dizendo que não veem um jogador assim em 30 anos, acho que é uma aposta que pode ser boa para o Real Madrid. Falta um ano, no máximo dois para ele chegar ao Real. Então, ele tem dois anos para se adaptar ao primeiro nível, na primeira divisão do Brasil. A partir daí, o Vinicius demonstrará se estará à altura do que pagarão por ele. 

Álvaro Montero, canal Deportes Cuatro - TALVEZ
- É um risco econômico, mas a verdade é que o Real Madrid não tem muitos problemas econômicos. E acho que o que eles estão tentando fazer é apostar em um jogador no qual confiam que será o melhor do mundo, um dos melhores do mundo em três, quatro, cinco anos. Agora podem ser 120 milhões de euros, dentro de quatro ou cinco anos podem ser 160 milhões de euros. Evidentemente é uma aposta, é muitíssimo dinheiro. Se a operação for boa, será fabuloso. Se for ruim, é um gasto de dinheiro que agora mesmo é excessivo. Veremos o que ocorre nos próximos anos. Se esse jogador explode e se transforma no novo Cristiano Ronaldo, no novo Leo Messi, os milhões pagos pelo Real Madrid no ano de 2017 terão sido uma maravilha, pois cinco ou seis anos depois o jogador terá triplicado seu valor.

Tamanho (do bolso) não é documento: Bota supera Flamengo na Liberta com 1/3 da folha


 (Foto: Infoesporte)Dinheiro é importante no futebol? Na maioria dos casos, fundamental. No Rio de Janeiro, no entanto, o investimento ficou em segundo plano quando o assunto é Libertadores. Com menos força no mercado e folha salarial quase três vezes menor do que o Flamengo (R$ 9 milhões X R$ 3,5 milhões), o Botafogo avançou com uma rodada de antecedência às oitavas de final. Enquanto o "primo rico" Rubro-Negro caiu na fase de grupos. 

Para ilustrar o tamanho do feito do Botafogo – e do fracasso do Flamengo –, o GloboEsporte.com levantou dados e comparou o poder financeiro de cada clube. Números como folha salarial, faturamento e investimento sugerem um abismo entre os rivais cariocas. A superioridade rubro-negra, no entanto, tem sido vista apenas fora dos gramados.

Orçamento

A disparidade começa nos orçamentos. Enquanto o Flamengo projeta uma receita de aproximadamente R$ 435 milhões em 2017 (a maior do Brasil), o Botafogo tem previsão na ordem de R$ 191 milhões. Desse montante, em dezembro, a previsão era utilizar apenas R$ 99 milhões no futebol. Vale ressaltar, no entanto, que as premiações da Libertadores não estavam incluídas no caso do Alvinegro, o que aumentou a margem de arrecadação.

Investimento

Gastar muito não significa gastar bem. O Flamengo que o diga. Desde janeiro do ano passado, o Rubro-Negro investiu, só em aquisição de direitos econômicos, cerca de R$ 40 milhões. Somente com os “gringos” Donatti, Mancuello, Cuellar e Berrío o clube gastou R$ 36 milhões. O retorno técnico deixou a desesejar. Os três primeiros, por exemplo, pouco jogam. O clube também investiu em Rodinei e Alex Muralha. 

 O Botafogo, por outro lado, não costuma abrir os cofres para adquirir direitos federativos. Desde o final de 2014, quando começou a gestão de Carlos Eduardo Pereira, o único jogador comprado de outro clube foi João Paulo. Em dezembro, o Alvinegro acertou a contratação do volante por R$ 3 milhões junto ao Santa Cruz. O valor foi parcelado em duas vezes.

Salários

A enorme diferença na folha salarial reflete na remuneração dos principais jogadores dos dois clubes. Entre luvas e salários, Paolo Guerrero recebe cerca de R$ 950 mil mensais no Flamengo. Mais do que o dobro de Montillo, dono do maior ordenado do Botafogo (cerca de R$ 400 mil). No Rubro-Negro, Diego também recebe bem acima desse valor.

Outro exemplo da diferença entre os salários dos dois clubes é o fato de jogadores importantes do Botafogo, como Airton, Emerson Santos e Sassá, receberem bem abaixo de R$ 100 mil. Algo impensável entre os titulares do Flamengo, com exceção de Rafael Vaz. Curiosamente, o Alvinegro encontra muita dificuldade para renovar com os atletas citados. O trio tem contrato até dezembro.

Libertadores

Na Libertadores, a situação se inverte. Até por ter disputado quatro jogos antes da fase de grupos e ter assegurado uma vaga nas oitavas de final, o Botafogo já garantiu pelo menos R$ 10,4 milhões em premiações da Conmebol, isso sem contar os lucros de bilheteria. Eliminado na fase de grupos, o Flamengo faturou apenas a metade, cerca de R$ 5,5 milhões.

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Diretor não nega busca de Flamengo por Rhodolfo: "Difícil manter sigilo sobre sondagens"



Flamengo busca a contratação do zagueiro Rhodolfo, ex-São Paulo e Grêmio, e o diretor executivo Rodrigo Caetano não negou a intenção em entrevista coletiva concedida nesta sexta-feira. O GloboEsporte.com apurou que os valores da negociação têm cifras na casa dos 1,2 milhão de euros (cerca de 4,5 milhões de reais).

- Vou pedir a compreensão. Aqui é muito difícil manter certo sigilo sobre sondagem ou negociação. É muito difícil atuar no mercado quando nomes acabam vazando. Modifica preço, aumenta a concorrência. Quando se especula por setores, também há o prejuízo interno. Na verdade tenho que falar dos que aqui estão. Então peço a compreensão de que vamos comunicar após qualquer conclusão de negociação. 

Ao abordar a possibilidade de reforçar a zaga, Caetano afirma que o Flamengo já buscava a contratação de "um ou dois nomes", mas desvinculou tal situação à eliminação na Copa Libertadores. 

- Devido ao fato de a jornada ser dura, não é o fato de essa eliminação ser dolorosa para todos nós que fará mudar nossas convicções. Podemos é agregar, essa já era uma intenção antes disso, um ou dois nomes para essa caminhada, com obrigação maior ainda agora, de voltar à Libertadores de 2018. Como não estamos em estágio avançado ou de concretizar, ficaria ruim ficar falando em nomes. 

Otimismo por Réver

Contrato de Réver deve ser renovado em breve  (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

Rodrigo Caetano falou sobre outro importante jogador do setor: Réver. Com contrato vencendo em 30 de junho, o defensor ainda renovou. Mas, de acordo com o diretor, isso é questão de tempo. Ele sustenta que todas as partes da negociação, leia-se Flamengo, Internacional e jogador, têm o mesmo interesse. 

No futebol turco, Rhodolfo sofreu uma lesão no joelho em fevereiro do ano passado, tendo que passar por cirurgia. Voltou no segundo semestre, mas acabou não tendo o mesmo espaço dentro do plantel do Besiktas. 

- Estamos muito otimistas. Temos conversa adiantada com o Internacional, detentor dos seus direitos. É identificado com a torcida. É o último Brasileiro a levantar a Libertadores. Virou obsessão (ganhar a Libertadores), que espero que tenha sido adiada, mas temos um caminho longo pela frente, e o Réver vai fazer parte disso sim. Só que vamos sacramentar isso nos próximos dias, mas a intenção de todas as partes é que ele fique, principalmente a dele, e isso pesa muito.

Conselho votará mudanças nos escudos do Flamengo

 O Conselho Deliberativo vota no próximo dia 29 algumas mudanças nos escudos do Flamengo. A proposta das alterações foi feita por Antonio Tabet, vice-presidente de comunicação, à diretoria, que deu seu aval. De acordo com a convocação da reunião do conselho, as mudanças não afetam o estatuto do clube. 

- A proposta visa, principalmente, resolver problemas de aplicação do símbolo, padronizar a "marca" para que não haja variações e modernizar levemente algumas linhas sem nunca abrir mão da tradição. Como já dito, as mudanças são pequenas. Para alguns, imperceptível. Já foi mostrada para todo conselho Diretor, alguns chefes de poder do clube e grandes beneméritos. Todos aprovaram - disse Tabet.

Escudo do Flamengo pode sofrer alteração (Foto: Divulgação)


A proposta é definida como uma modernização dos escudos do clube, principalmente no que se refere ao entrelaçamento das letras CRF. Segundo aqueles que acompanharam a apresentação de Tabet, as alterações são quase imperceptíveis, mas tornam as iniciais mais visíveis e simétricas. 

- São mínimos ajustes que não modificam de fato os escudos, apenas os tornam mais simétricos e equilibrados, pelo uso de tecnologia digital em sua feitura. Continuam as letras CRF entrelaçadas e as oito listras em vermelho e preto, bem como o escudo do remo com os remos cruzados, a âncora e metade em vermelho, metade em preto - explicou o presidente do Conselho Deliberativo, Rodrigo Dunshee de Abranches. 

Para entrar em vigor, a mudança precisa ser aprovada pela maioria simples dos conselheiros. Neste caso, as alterações entram em vigor nos uniformes de 2018.



Confira os relaciuonados para o jogo contra Atlético-GO



Lista de relacionados:

Goleiros: Alex Muralha e Thiago

Laterais: Pará, Trauco, Renê e Rodinei.

Zagueiros: Rafael Vaz, Réver e Juan.

Meio-campo: Márcio Araújo, Willian Arão, Rômulo, Cuéllar, Mancuello, Lucas Paquetá, Gabriel, Ederson e Matheus Sávio.

Atacantes: Guerrero, Everton, Vinicius Junior e Leandro Damião.






Caetano defende gringos, diz que hora é de "lamber feridas" e quer Flamengo se impondo fora


Rodrigo Caetano defendeu o investimento nos estrangeiros (Foto: Reprodução SporTV)Em silêncio desde a eliminação na Libertadores, o diretor executivo do futebol do Flamengo , Rodrigo Caetano, resolveu falar. Após o treinamento desta sexta-feira no Ninho do Urubu, o dirigente concedeu entrevista coletiva. Nela, afirmou que a saída precoce do torneio após a derrota por 2 a 1 para o San Lorenzo machucou. 

Ele aproveitou para sair em defesa dos estrangeiros do time, criticados pelo mau desempenho, mas alertou que a equipe precisa se impor nos jogos fora de casa. O time perdeu as três como visitante na Libertadores.

- Tinha a esperança de se chegar longe. Cabe a nós lambermos nossas feridas. Tivemos reunião importante e proveitosa, porque o Flamengo passa a ser avaliado de acordo com a reação que terá.

Temos Brasileiro, Copa do Brasil, e a obrigação do Flamengo é voltar à Libertadores. No nosso entendimento é que a presença constante no torneio mais importante da América permitirá que a gente volte à conquista - disse Rodrigo. 

Na sequência, foi indagado sobre a má fase de alguns gringos. Berrío, Cuellar, Donatti e Mancuello , por exemplo, não agradaram ainda, e o Flamengo gastou alto valor pelo quarteto. 

- Flamengo não contrata de forma pessoal. Há todo um processo. Reproduzindo a eles, cada caso de um deles. Cuéllar é um volante que na chegada do Muricy foi identificado como bom valor, foi vice-mundial sub-20 pela Colômbia. Existe disputa interna. Mancuello era disputado por muitas equipes, capitão, jogou na Seleção. Donatti foi eleito melhor zagueiro da última Libertadores - disse Caetano, que prosseguiu. 

- Berrío participou da última Libertadores em que foi campeão. Falo de alguns predicados que trouxeram o interesse a eles. O grupo espera o retorno deles, como eles já deram, mas sei que darão. Podíamos citar outros que vieram sem custo, mas entendemos que nesse momento fale-se disso. 


Outros trechos da entrevistas:
 
A eliminação
- Foi um golpe duro demais, porque nosso planejamento vem desde o ano passado. A Libertadores começou no ano passado, quando fomos terceiro colocados (no Brasileiro). Nós nos planejamos, sabíamos que estávamos num grupo dificílimo, mas chegamos com chances e que dependíamos só de nós. 

Pressão no futebol
Difícil administrar isso. Dez dias atrás o elenco tinha bons valores, o trabalho estava no caminho, conquistamos um título invicto, que era um desejo do torcedor no Rio. No meio das decisões, tivemos jogos importantes. Essa grande derrota que tivemos no ano é pra fazermos julgamento internos. Pagamos preço enorme por não termos pontuado nos três jogos que fizemos fora do Brasil.
O Flamengo precisa entender que precisa não só jogar bem fora de casa, mas também se impor. Precisamos que essa cicatriz nos lembre sempre que todo jogo é decisivo. Temos obrigação gigantesca de botar o Flamengo na Libertadores. Para que nós e torcida sigamos com essa obsessão pela Libertadores. 

Trabalho psicológico
Nossa avaliação vai ser sempre interna. Respeitamos demais as críticas, mas fazemos internamente. Flamengo passa a ser observado de acordo com a reação que terá de aqui em diante. Golpe foi muito duro porque a expectativa era alta, e ela tem que ser alta. 

Caça às bruxas?
Cabe a nós não transformarmos em... Caça às bruxas foi usado. Temos que identificar o que precisa ser melhorado. Nós não vamos recomeçar sempre, talvez esse seja o maior erro num momento desses. Precisamos fazer reposição, ajustes porque perdemos três jogos no ano, três jogos que culminaram na nossa eliminação. Vamos encontrar a explicação, e ela será interna. 

Faltou vontade na Argentina?
Jamais vocês vão ver críticas sobre isso. Não posso de um elenco que trabalhamos o dia inteiro, que se compromete e são profissionais na acepção da palavra, imaginar que não vão tratar com seriedade um jogo desses. De todas as seis partidas na Libertadores, posso dizer que o Fla fez um segundo aquém das suas expectativas. Isso é fato. Mas isso (falta de vontade) jamais. 

Eram jogadores chorando, todos nós juntos tentando recuperar os cacos. Que fique clara essa dor. Isso é colocar em xeque o nível de profissionalismo que aqui se tem. O Flamengo na final do Carioca perdia até os 39 minutos do jogo. É natural fazer análise específica, mas nós aqui temos que ter serenidade. Desse grupo jamais vai faltar vergonha, responsabilidade ou entrega. A ideia é reagir e rápido 

Elenco tem carências?
Chegamos num jogo decisivo que não deveria ter sido nesse contexto. Se tivéssemos feito um ponto sequer fora de casa, talvez esse jogo não significasse o que significou. O Flamengo chegou com atletas desgastados. Diego sofreu pancada, Mancuello e Donatti estavam voltando, Mancuello num estágio mais avançado. 

Pra frente mostra que "por que não um elenco mais numeroso?". Quando se usa atleta da base perguntam porque não usaram os que já tínhamos aqui, mas também se pede o uso de jogadores da base. Se o Flamengo tiver oportunidade de agregar mais peças, mas o Flamengo o fará. 

Reforçar a zaga é prioridade?
Compreendo você. Vou pedir a compreensão. Aqui é muito difícil manter certo sigilo sobre sondagem ou negociação. É muito difícil atuar no mercado quando nomes acabam vazando. Modifica preço, aumenta a concorrência. Quando se especula por setores, também há o prejuízo interno. Na verdade tenho que falar dos que aqui estão. 

Reforços?
Devido ao fato de a jornada ser dura, não é o fato de essa eliminação ser dolorosa para todos nós que fará mudar nosso tipo de filosofia. Podemos agregar um ou dois nomes para caminhada de voltar à Libertadores de 2018. Como não estamos em estágio avançado, não caberia eu ficar falando sobre isso. 

Brasileiro é obrigação?
Muito difícil falar que se tornou uma obrigação conquistar um campeonato, que, além de longo, é muito difícil. Temos de voltar à Libertadores, até porque estando no torneio todos anos você se aproxima mais de um título. Para você atingir a vaga, tem que brigar em cima. Vamos tentar de todas as formas o título do Brasileiro ou da Copa do Brasil. Fla quer conquistar mais títulos do que somente o Carioca. Se for o Brasileiro, muito bom, porque vamos encarar todos os jogos como finais. 

Como reconquistar a torcida?
Sentimento do torcedor é o nosso. Essa frustração, essa indignação. Uso a palavra frustração porque você só se frustra com o que entende que é possível. Tenho absoluta certeza de que a torcida quer poder de reação no time. Se a equipe mostrá-lo justamente para que busquemos novamente as primeiras colocações. O torcedor virá, nunca deixou de estar ao nosso lado. Não houve qualquer tipo de manifestação que a equipe não honrou a camisa. O torcedor que se sentir representado por essa equipe. 

E Conca, estreia quando?
Tanto a inscrição no estadual e na Libertadores foi no sentido de inscrevermos todos os atletas que estavam no elenco. Expectativa de utilização existe, isso vem sendo tratado pelo departamento médico, que vai disparar para o Zé o momento em que estiver perto do ideal. Foi contratado pela qualidade, histórico e também por uma oportunidade de recuperação. 

Por que o planejamento não resistiu à lesão do Diego?
Alguém à altura do Diego... Vamos analisar esse fato... Tínhamos o Mancuello, talvez atrasou um pouco o o retorno do Ederson, isso é fato. Fla foi campeão carioca invicto sem o Diego. Fla perdeu da Católica com o Diego. Nós não fazemos avaliações desse tamanho. Temos que avaliar o todo. Perdemos e vencemos com ele. Não podemos creditar essa eliminação à ausência do Diego. Claro que aumentaria nossa chance de classificação com ele em campo, por tudo que ele representa. 

É só mais uma derrota?
Eu não disse que foi mais uma derrota. Tá todo mundo machucado, como o torcedor também. Isso está claro para todos nós, desde o presidente ao nosso mais humilde funcionário. Nossa dor é gigantesca. Temos que tirar disso tudo. Já ganhamos uma competição, saímos da maior de todas. Se podemos minimizar toda essa dor, é fazer um grande ano. 

Renovação do Réver
Estamos muito otimistas. Temos conversa adiantada com o Internacional, detentor dos seus direitos. É identificado com a torcida. É o último brasileiro a levantar a Libertadores. Virou obsessão, que espero que tenha sido adiada. Vamos tentar sacramentar nos próximos dias, mas depende de todas as partes. O jogador quer ficar, e o atleta também. 




quinta-feira, 18 de maio de 2017

Flamengo venceu por 2 a 0 o Avaí, pela semifinal sub-20


Na noite desta quinta-feira, o time sub-20 do Flamengo venceu por 2 a 0 o Avaí, pelo duelo de ida da semifinal da Copa do Brasil da categoria.






Flamengo se aproxima de zagueiro Rhodolfo de olho no restante da temporada

Rhodolfo em ação pelo Grêmio, seu último clube no Brasil (Foto: Diego Guichard)

Flamengo procura se reforçar para o restante da temporada. Eliminado na primeira fase da Libertadores, o clube busca peças pontuais para a próxima janela de transferências no mês de junho. O novo alvo é o zagueiro Rhodolfo, de 30 anos, que atualmente tem contrato com o Besiktas, da Turquia. O Rubro-Negro tem conversas adiantadas com o jogador e seus representantes, que estão em Istambul para acertar a liberação. O Globo Esporte. com apurou que os valores da negociação têm cifras na casa dos 1,2 milhão de euros (cerca de 4,5 milhões de reais) 

Se o negócio for concluído, o reforço pode ser inscrito a partir de 20/6, quando abre a janela de transferências. O último clube que Rhodolfo defendeu no Brasil foi o Grêmio, entre 2013 e 2015. Antes, teve passagens pelo São Pauo (2011-2013) e Atlético-PR (2006-2010). Além das divisões de base do Furacão, passou também por União Bandeirante e Brasil Maçambará.
 
No futebol turco, Rhodolfo sofreu uma lesão no joelho em fevereiro do ano passado, tendo que passar por cirurgia. Voltou no segundo semestre, mas acabou não tendo o mesmo espaço dentro do plantel do Besiktas. 

Atualmente, o Flamengo tem em seu elenco os seguintes zagueiros: o capitão Réver, Rafael Vaz, o argentino Donatti, o veterano Juan e o jovem Léo Duarte. O clube também tem conversas adiantadas com outro reforço: Everton Ribeiro, atualmente nos Emirados Árabes, segue tratando uma transferência para o clube. 

Capitão e titular absoluto na posição desde que chegou ao clube, Réver tem contrato de empréstimo com o Flamengo até o fim de junho. O jogador pertence ao Internacional, mas a intenção do Rubro-Negro segue sendo ampliar o vínculo. 


Zico e Júnior culpam Zé Ricardo por queda do Flamengo na Libertadores



Dois dos principais ídolos da história do Flamengo botaram na conta do técnico Zé Ricardo a eliminação do clube da Libertadores. Na avaliação de Zico e Júnior, as substituições promovidas pelo treinador na derrota de virada por 2 a 1 para o San Lorenzo foram decisivas para a tragédia no Nuevo Gasometro, na última quarta-feira.

- O medo de perder tira a vontade de ganhar. O Flamengo abdicou da vitória - criticou Zico, em um live transmitido no seu perfil do Facebook: - Com o Flamengo ganhando, as alterações trouxeram o time para trás, para a pressão do San Lorenzo. Duas falhas, dois gols.

Júnior também não aprovou as substituições de Zé Ricardo. Na sua avaliação, falta ainda experiência ao treinador.

- Às vezes o treinador pensa uma coisa e sai outra. É falta de bagagem, de experiência. Isso teve um peso. É jogador voltando de contusão no time, é jogador muito jovem... Em certos momentos, tem que usar quem está mais rodado. Não é que o garoto (Matheus Sávio) tenha culpa, mas o jogo estava controlado. A entrada dele no lugar do Gabriel era desnecessária. Gabriel podia executar aquela função. Depois da saída dele, ficou difícil. E, com o Juan (no lugar de Everton), o Flamengo chamou o adversário para dentro de sua área. Guerrero ficou isolado - comentou o ex-lateral.

Já Zico apontou a troca de Berrío por Rômulo como o principal erro de Zé Ricardo:

- Para tirar um jogador como o Berrío, tinha que botar outro com as mesmas características. Mesmo se atrapalhando e perdendo as jogadas, havia lançamentos para ele, para o Guerrero chegar. Ele era uma válvula de escape.

Para Júnior, o Flamengo, sem Diego, que se recupera de uma artroscopia, se equipara aos adversários como um time regular.

- Sem o Diego, o Flamengo é um time normal. Ele é o cara que dá o salto de qualidade. Não há outro no elenco que faça aquela função e não sabemos como o Conca vai voltar.

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Rapidinhas do Mengão


Inspirado no Bope, Fla quer elenco "confortável" na pressão por mais títulos
Comissão técnica utiliza técnicas de concentração para que jogadores se sintam à vontade em momentos de pressão, como agora, na reta final da fase de grupos da Libertadores

Raul Plassmann pede menos cautela com joia do Fla: "Joga bem, coloca!"
Ex-goleiro, campeão mundial pelo Flamengo, diz que clube não deve ter receio em utilizar Vinicius Junior, de 16 anos, que deve se transferir ao Real Madrid em 2018

Fora do jogo em seu país, Mancuello discutirá seu futuro com Fla e empresário
Jogador fica chateado por não entrar na lista dos relacionados para o jogo diante do San Lorenzo. Mancuello não atua desde o jogo contra o Católica, há duas semanas

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Comissão seleciona nesta terça no Flamengo propostas para reforma do Morro da Viúva



Prédio Flamengo Morro da ViúvaOs membros de uma comissão indicados por presidentes de poder do Flamengo se reúnem hoje com o vice-presidente de patrimônio do clube, Alexandre Wrobel, para analisar as sete propostas que estão na mesa para a modernização (retrofit) do prédio do Morro da Viúva. As propostas variam em relação ao número e modelo dos apartamentos, que atualmente são 148 (já desocupados), e em média nas ofertas apresentadas o clube ficaria com cerca de um terço dos imóveis depois da reforma.

De acordo com Wrobel, a intenção é já selecionar nesta terça as "três ou quatro melhores propostas" para então chamar as empresas para uma apresentação e renegociação de alguns pontos. A partir daí, em uma nova etapa, será escolhida a melhor oferta e redigido um parecer, que seguirá para o Conselho Diretor e, em seguida, para votação nos conselhos do clube.

Com alterações recentes na legislação, ficou no ar a possibilidade de o clube abrir a concorrência para novas propostas de transformação do imóvel em um hotel - como ocorreu com Eike Batista, que pretendia investir R$ 100 milhões no projeto -, mas essa hipótese foi praticamente descartada por Wrobel. O dirigente explicou:

- Amanhã (terça) a comissão vai se reunir mais uma vez. Equalizamos e colocamos em planilha todas as propostas, e a nossa expectativa é já conseguir escolher as três ou quatro melhores propostas que passarão para uma segunda etapa. As empresas então serão chamadas para apresentar o projeto, melhorar os termos da proposta, para que a comissão possa deliberar sobre a melhor oferta e aí sim enviar para apreciação do Conselho Diretor e logo em seguida para os conselhos internos do clube - disse o vice de patrimônio.

Mais um passo a caminho do Real: Vinicius Junior renova com o Flamengo até 2022


O atacante Vinicius Junior renovou com o Flamengo na tarde desta segunda-feira. O novo contrato da promessa de apenas 16 anos vai até 2022 - o anterior ia até 2019. A renovação faz parte do processo de venda do garoto para o Real Madrid, que deve ser concretizada ainda nesta semana, e foi selada durante uma reunião realizada na Gávea. O Rubro-Negro não se pronunciou sobre o acordo.

Como o GloboEsporte.com revelou, a proposta do Real por Vinicius Junior é de 45 milhões de euros (cerca de R$ 154 milhões). Um médico do clube espanhou, inclusive, veio ao Rio de Janeiro na última semana para acompanhar exames do atacante e deu o ok para que a negociação prossiga após os resultados. 

Os advogados das três partes – Real, Fla e jogador – discutem os pormenores do contrato e a negociação encaminha-se para a fase final. Vinicius Junior estreou no profissional do Flamengo no último sábado, durante o empate em 1 a 1 com o Atlético-MG, no Maracanã. 

Vinicius Junior durante estreia pelo Flamengo (Foto: Agência Estado)


Algumas cláusulas da saída para o Real Madrid seguem indefinidas. Uma delas é sobre até quando Vinícius fica no Flamengo. Segundo o acordo, as partes assinam agora uma “obrigação de venda” para julho de 2018, quando Vinícius completará 18 anos e poderá ser regularizado para atuar na Espanha – não é permitido o registro de estrangeiros menores de idade. 

No contrato redigido, após a apresentação ao Real, o jogador retornaria ao Rubro-Negro por empréstimo durante uma temporada – até junho de 2019. Os espanhóis, no entanto, querem poder para vetar essa possibilidade dependendo da performance do jogador. 


Entenda como a negociação se desenha
  • O Flamengo assinará uma “obrigação de venda” de Vinicius Junior ao Real Madrid por 45 milhões de euros (R$ 154 milhões na cotação desta quinta)
  • Paralelamente, o atacante renovará com o Rubro-Negro até 2022.
  • A promoção aos profissionais e aproveitamento no Brasileiro já fazem parte deste acordo casado de venda/renovação.
  • A obrigação de venda será efetuada em julho de 2018.
  • Há chance de Vinicius, após apresentação no Real, voltar ao Flamengo emprestado por um ano, até junho de 2019. O Real, porém, quer garantias de, dependendo da performance dele, vetar o retorno

As finanças do Vasco: afundado em dívidas, um clube em estado de falência


As finanças do Vasco em 2016 (Foto: ÉPOCA)

Eurico Miranda tem o defeito de tentar mostrar força só no gogó. Quando a realidade dá as caras, a frase de efeito constrange – como quando o Vasco foi rebaixado à segunda divisão, em 2015, apesar de o presidente ter garantido que se mudaria para a Sibéria se isso acontecesse. “O Vasco vai brigar nas cabeças, com certeza”, dizia o cartola em entrevista coletiva que havia convocado, em 20 de dezembro de 2016, para falar sobre as finanças vascaínas. Meses depois, após publicado o balanço financeiro do clube, chega a realidade. Não há nenhuma evidência de que tenha condições de disputar as primeiras posições do Campeonato Brasileiro. Nem perto disso. O Vasco de 2017 em estado de insolvência.

Antes de nos aprofundarmos nos números, um alerta. Tudo o que você lerá aqui foi extraído do balanço financeiro vascaíno. Mas há razões para desconfiar do documento. A auditoria independente Anend, contratada por Eurico para verificar as contas de 2016, como manda a lei, expressou em seu relatório que não pôde checar todos os dados. Os auditores não conseguiram confirmar se havia dinheiro em caixa, por exemplo, nem uma série de outros indicadores cujos valores foram apresentados pela direção cruz-maltina. A auditoria avaliou as finanças com o que tinha e responsabilizou a administração do time pelo que viu, mas não pôde testar.

Dito isso, comecemos pelo dinheiro que entra no caixa. O vasco faturou R$ 213 milhões em 2016, o maior valor de sua história, mas com um enorme asterisco. A maior parte do aumento se deve aos R$ 60 milhões em luvas que recebeu da TV Globo por vender, antecipadamente, os direitos de transmissão para as temporadas de 2019 a 2024. O faturamento recorrente, sem as luvas, está na casa dos R$ 150 milhões. Outras fontes de receitas mostram performances preocupantes. O Vasco teve em 2016 as piores rendas de sua história recente – desde 2010, quando passou a detalhá-las – em bilheterias, patrocínios e transferências de atletas. O que segura as pontas é a TV.

Depois vem o dinheiro que sai do caixa. Apesar de jogar a Série B, campeonato no qual a competitividade é menor, os gastos aumentaram para quase R$ 200 milhões. Repare o descompasso entre quanto o Vasco arrecada e quanto o Vasco gasta. Faltaram R$ 50 milhões para que o clube conseguisse apenas fechar a conta – sem que pagasse um centavo sequer das dívidas que acumulou ao longo dos últimos anos, assunto para o parágrafo seguinte. Eurico só terminou o ano no azul porque recebeu as luvas pelo contrato de 2019 a 2024. Uma receita que não se repetirá nem em 2017, nem tão logo.

Se o problema fosse pontualmente o descompasso entre receitas e despesas, estaria tudo certo. O Vasco tem condições de, na primeira divisão, elevar suas receitas com bilheterias e patrocínios para tentar fechar a conta. Mas não é o caso. O resultado das trágicas gestões de Roberto Dinamite e do próprio Eurico é um endividamento maior do que o Vasco. O clube possui R$ 205 milhões em dívidas de curto prazo, que precisam ser pagas no decorrer de 2017, equivalentes a 40% de todo o seu endividamento. Você não precisa de calculadora para chegar à principal conclusão. Se o Vasco fatura coisa de R$ 150 milhões, mas gasta R$ 200 milhões com despesas e tem R$ 205 milhões a pagar em dívidas, faltam R$ 255 milhões apenas para que o clube termine 2017 no zero a zero. A auditoria é clara sobre a situação no relatório que acompanha o balanço: “Eventos ou condições futuras podem levar o Vasco a não mais se manter em continuidade operacional”. Em português claro: o Vasco pode quebrar de vez.

Eurico alega que a situação hoje é melhor do que quando reassumiu o time, no fim de 2014. É verdade. O endividamento foi reduzido de R$ 653 milhões naquele ano para R$ 517 milhões em 2016. Mas a razão precisa ser colocada em contexto. A direção vascaína abateu R$ 113 milhões de sua dívida com o governo, via renegociação do Profut, graças a descontos em juros, multas e encargos. Não há dúvida de que a diminuição e o alongamento da dívida fiscal foram uma vitória. Isso destravou os pagamentos do patrocínio estatal da Caixa, que exige lisura nas obrigações com o governo para pôr o dinheiro na conta do clube. Só não dá para se apegar à redução de uma dívida de longo prazo para colar a versão de que as coisas melhoraram.

Por que o Vasco não fecha as portas? Fosse uma empresa comum, o clube entraria em um processo de recuperação judicial e teria seus bens leiloados para pagar os credores. Não é assim que funciona no futebol. Não há juiz que compre a briga de tomar São Januário e a sede vascaína numa canetada. Em vez disso, as receitas são penhoradas aos poucos para pagar os que chegam às últimas instâncias na Justiça. O efeito disso é perverso. As bilheterias, os patrocínios e a TV mal chegam ao caixa do clube, que por sua vez vai atrás de empréstimos para honrar sua folha salarial. À torcida, resta assistir aos resultados em campo de um clube em estado de falência. Rebaixado em 2013 e 2015, o vasco que se cuide em 2017.

domingo, 14 de maio de 2017

Fim do vasco sanitário: Palmeiras 4 x 0






O vasco tem 4 títulos e 4 rebaixamentos...