Tu és... Time de tradição... Raça, amor e paixão... Oh meu Mengo!!! Eu... Sempre te amarei... Onde estiver estarei... Oh meu Mengo!!!

sábado, 3 de junho de 2017

Flamengo nunca perdeu clássico no Estádio Raulino de Oliveira

Flamengo nunca perdeu um clássico disputado no Estádio Raulino de Oliveira - palco do jogo contra o Botafogo, no próximo domingo, pelo Campeonato Brasileiro. Em Volta Redonda, diante seus rivais cariocas, o Rubro-Negro acumula cinco vitórias e dois empates. O único duelo com o Glorioso foi na reta final do Brasileirão de 2005 e o triunfo foi fundamental para o Fla, que àquela altura brigava contra o rebaixamento. 

Com Joel Santana no comando, o Flamengo foi para o intervalo daquele clássico no prejuízo - perdendo por 1 a 0 e com um a menos por causa da expulsão do zagueiro Rodrigo Arroz. No segundo tempo, ajudado pela incompetência do Botafogo, o Rubro-Negro conseguiu a improvável virada de forma merecida, com gols de Renato Abreu, Diego Souza e Leonardo Moura. 

 O último clássico na Cidade do Aço foi contra o vasco: Diego marcou de pênalti na vitória por 1 a 0, em fevereiro deste ano, pela semifinal da Taça Guanabara. O outro confronto no local diante do Cruz-Maltino teve o mesmo resultado (em 2005). O Fla-Flu foi disputado quatro vezes no Raulino de Oliveira e o Rubro-Negro venceu dois jogos.

A volta de quem não foi (ainda): Cuéllar tem chance no Flamengo, mas está na mira de Pet


Cuéllar será titular pela segunda vez consecutiva (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)Contratado com status de titular do meio de campo do Flamengo, Cuéllar já ficou perto de deixar a Gávea em mais de uma oportunidade. Com poucas chances desde a saída de Muricy Ramalho, o colombiano volta a aparecer em  meio a negociação para jogar no Vitória. Zé Ricardo vai escalar Cuéllar ao lado de Márcio Araújo e William Arão no meio de campo para enfrentar o forte meio de campo do Botafogo, no clássico deste domingo, às 11h, em Volta Redonda. Será a segunda partida consecutiva como titular do colombiano - a primeira sequência desde a saída do ex-treinador, hoje comentarista do SporTV.

Na coletiva de imprensa antes do clássico deste domingo contra o Botafogo, Zé Ricardo admitiu a possibilidade de saída de Cuéllar, mas reafirmou que vai usar o jogador enquanto ele estiver disponível no elenco. O gerente de futebol do Vitória, Petkovic, ídolo dos dois rubro-negros (baiano e carioca), quer definir a contratação do colombiano no início da semana que vem. Mas o Flamengo, claro, não quer entregar barato o colombiano. Para efeito de comparação, Paulinho e Luiz Antonio, no ano passado, foram emprestados por R$ 300 mil cada para Santos e Bahia, respectivamente. O preço por empréstimo de Cuéllar será mais alto. O Vitória também arcaria com os salários do colombiano que foi comprado por cerca de R$ 7 milhões ano passado junto ao Deportivo Cali, da Colômbia. 

- Cuéllar vinha em sequência de treino positivo. É um jogador muito profissional, está trabalhando muito. Não sabia do interesse do Vitória antes do jogo. A gente queria ganhar passe longo contra o Atlético-PR, porque sabia que numa inversão poderia pegar dois laterais deles na frente. Mas ainda não sentamos para falar da situação dele. Tanto Rodrigo Caetano como Fred Luz estavam viajando, não tínhamos a informação oficial. Mas enquanto estiver aqui, disponível, vai estar atuando - disse o treinador. 

Cuéllar tem 45 partidas com a camisa do Flamengo. Em 28 jogos foi titular - no Campeonato Brasileiro, porém, será apenas a sexta vez saindo jogando. Quatro delas no ano passado e a segunda consecutiva nesta temporada. 

No início do ano, Cuéllar conversou com Zé Ricardo. O técnico pediu paciência ao atleta e avisou que ele ganharia mais chances durante o ano de 2017. Com mais estrangeiros chegando no elenco, a diretoria rubro-negra avaliava a venda do atleta para abrir espaços no orçamento e recuperar o investimento. Mas nunca chegou oferta que agradasse ao Flamengo. O Atlético Nacional (COL) e o Boca Juniors fizeram sondagens, mas os valores assustaram. Por empréstimo, não houve negócio. Os argentinos, por sinal, acabaram investindo em Sebastián Perez, do Atlético, e desistiram do colombiano do Flamengo. 

O clássico deste domingo parece ser decisivo para a trajetória de Cuéllar no Flamengo. Apesar da presença na lista de negociáveis, das poucas chances recentes, o colombiano já teve mais de uma vez campanha de torcedores em redes sociais contra sua venda. 

- Sempre que que o Cuéllar estiver nos planos do Flamengo e for solicitado para jogar, ele vai jogar. No início do ano o Zé Ricardo chamou ele para conversar e avisou que teria chances. Houve sondagens, mas o futuro dele quem vai decidir é o Flamengo - disse Rafael Beys, um dos empresários do jogador colombiano.

Histórias Incríveis: Fla e Bota juntos? Clubes já formaram time que fascinou até Púskas

Estádio da Ilha, briga entre torcidas, Willian Arão, troca de farpas entre dirigentes, provocações em redes sociais e até em aeroporto... É com o clima quente dentro e fora dos gramados que Flamengo e Botafogo se enfrentam neste domingo, às 11h (de Brasília), no Raulino de Oliveira, em Volta Redonda (RJ), pela terceira vez na temporada. Nos últimos anos, a rivalidade extrapolou o limite das quatro linhas. A relação entre os clubes vive um dos piores momentos nos mais de 100 anos de história, mas nem sempre foi assim... 

Rubro-negros e alvinegros hoje conseguem imaginar seus clubes de mãos dadas? Já aconteceu por exemplo há 60 anos. Na época, Flamengo e Botafogo se uniram, bateram de frente com a Fifa e fizeram um jogo para a história. Em 7 de fevereiro de 1957, um combinado goleou o Budapest Honvéd, da Hungria, por 6 a 2 no Maracanã. Uma verdadeira seleção brasileira, com nomes como Bauer, Nilton Santos, Dida, Didi, Garrincha e Evaristo, "vingou" a Copa do Mundo de 1954 e pôs fim à era mais gloriosa do futebol húngaro. É preciso, no entanto, entender o contexto. 



O extinto





QUEM É O HONVÉD? 
O Budapest Honvéd é o atual campeão húngaro, mas viveu seus dias de maiores glórias na década de 50. Base da seleção que conquistou em 1952 o ouro olímpico em Helsinque e encantou o mundo na Copa de 1954, o time de Púskas, Kocsis & Cia. foi considerado um dos maiores da Europa neste período, ao lado do Real Madrid. 

O QUE TEM A VER COM A INVASÃO SOVIÉTICA? 
Convidado pelo Flamengo para amistosos no Brasil, o Honvéd desembarcou no Rio de Janeiro cercado por incertezas. Em outubro de 1956, uma revolta popular tentou derrubar o regime comunista na Hungria. A União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) não aprovou, ocupou Budapeste em novembro e prendeu (e enforcou) Imre Nagy, líder liberal da revolta. Os soviéticos exigiram o retorno imediato do time à Hungria. Um dos símbolos de sucesso do regime comunista, a "Máquina Magiar” excursionava pela Europa. Seus principais jogadores, em tese, eram do exército soviético. Kocsis, Púskas e Bozsik eram majores, embora apenas jogassem futebol. Na Suíça, jogadores e dirigentes se recusaram a voltar. No fim, acabou sendo um grande pretexto para os craques húngaros enfim deixarem o país e aceitarem as propostas milionárias que recebiam constantemente do futebol espanhol. 

FLAMENGO BANIDO E BRASIL FORA DA COPA? 
Com contrato assinado com o Flamengo, o time húngaro manteve seu compromisso de amistosos no Brasil. Na Hungria, os soviéticos reagiram mal à atitude e, segundo relatos, fizeram ameaças até aos familiares dos atletas. Pressionaram também a Federação Húngara e a Fifa. A entidade avisou que, se as partidas acontecessem, o Rubro-Negro seria banido do futebol, e a seleção brasileira estaria fora da Copa de 1958. O Flamengo, no entanto, não embarcou nas ameaças e levou o contrato adiante. Foi além, e convidou outros clubes. Apenas o Botafogo aceitou. Após pressão popular, especialmente dos brasileiros que estavam loucos para ver de perto as lendas húngaras, a Fifa reconsiderou, e o Honvéd realizou cinco jogos no Brasil, contra Rubro-Negro e Alvinegro, sem maiores desdobramentos. O último deles, contra o combinado entre os dois.

COMO FOI A UNIÃO FLA-BOTA? 
Os clubes eram extremamente unidos nessa época? Não exatamente, mas sabiam dialogar. Sete anos antes, por exemplo, Flamengo e Botafogo se envolveram em uma situação semelhante ao caso William Arão, estopim para a atual crise entre os clubes. Em 1950, o Rubro-Negro tirou Joel de General Severiano. O então presidente alvinegro, Carlito Rocha, ameaçou romper relações com o rival. Para apaziguar, o Rubro-Negro aceitou pagar Cr$100 mil.  Curiosamente, Joel iniciou como titular da ponta-direita da Seleção na campanha do título da Copa do Mundo de 1958, mas perdeu a vaga para Garrincha no terceiro jogo.


sexta-feira, 2 de junho de 2017

Após calote na Turquia, PV retorna ao Brasil e vai se reapresentar ao Flamengo


Paulo Victor ficou apenas seis meses no Gaziantepspor (Foto: Reprodução )
Emprestado para o Gaziantepstor-TUR por um ano e meio, o goleiro Paulo Victor está voltando ao Flamengo. Sem receber no time turco, ele retorna ao Brasil na próxima semana e se reapresenta no Ninho do Urubu. Com sondagens do futebol turco, ele vai discutir com o Rubro-Negro o seu futuro, mas a tendência é que não permaneça na Gávea.
 
Procurado pela reportagem, o diretor executivo rubro-negro Rodrigo Caetano afirmou não ter sido contatado por representantes de Paulo Victor para tratar do prosseguimento da carreira do atleta. 

PV, de 30 anos, foi emprestado gratuitamente no início da temporada, já que perdera no Flamengo espaço após lesão e o bom momento vivido por Alex Muralha no Campeonato Brasileiro do ano passado. O Gaziantepspor, clube no qual teve o ex-rubro-negro Wallace como companheiro, foi rebaixado à Série B. O zagueiro, aliás, enfrenta a mesma situação e também voltará ao Grêmio, detentor de seus direitos econômicos. 

Ainda não se sabe se Paulo Victor, com 173 partidas pelo Flamengo, voltará ao clube para disputar posição com Muralha ou se terá de procurar outro clube para atuar. Ele tem contrato com o Flamengo até 30 de junho de 2019.

Zé confirma volta de Everton e Diego, que deve ficar no banco; Conca ainda fora


Zé Ricardo coletiva Flamengo (Foto: Raphael Zarko) 

Diego está de volta. Mas Conca ainda não. O mais provável é que o camisa 35 sente no banco contra o Botafogo, mas a espera de mais de 50 dias pelo retorno acabou. Recuperado de uma cirurgia no joelho direito, o jogador está relacionado para o clássico deste domingo, às 11h, em Volta Redonda. Everton também está na lista. Já o argentino ainda vai para mais uma etapa de preparação e fica fora da partida deste fim de semana.

- A gente tem a situação dos três voltando de lesão (Diego, Éverton e Conca). Mas, como programado, vamos manter o que a pensamos. Éverton e Diego disponíveis, Conca, ainda não - disse.


Diego no treino do Flamengo desta sexta-feira (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

Zé lembrou o longo período parado de Conca, que vai participar de jogo-treino contra o Mesquita na segunda-feira - nessa quinta, ele participou do coletivo contra o time sub-17. Mas a ideia é colocá-lo na ponta dos cascos, com "níveis de força, ritmo de jogo e volume" em dia, como deixou claro o treinador do Flamengo. O argentino está em processo de recondicionamento depois de sofrer uma lesão em agosto de 2016, quando ainda atuava no futebol chinês. 

- Há uma programação já estabelescida para ele, de participar de dois ou três amistosos. Ele precisa atingir níveis de jogo, para readquirir ritmo, para estar pronto em totais condições de intensidade e volume para contar com ele no jogo. Fizemos um jogo-treino com a equipe sub-17, depois vamos pegar o Mesquita, se tudo correr bem vai estar em condição de disputar a titularidade. Dentro da meritocracia, ele vai cumprir etapas para voltar - disse o treinador.

Everton no treino do Flamengo (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo) 

O time que deve começar a partida é o mesmo que treinou a maior parte do tempo na quinta, com Alex Muralha, Pará, Réver, Rafael Vaz, Renê; Márcio Araújo, William Arão, Cuéllar; Ederson, Everton e Guerrero. Há oito semanas afastado - o último jogo foi dia 12 de abril, na vitória por 2 a 1 sobre o Atlético-PR, no Maracanã, pela Libertadores -, Diego fica como opção.


Confira a íntegra da entrevista coletiva do treinador

 

Diego, Conca e Everton
Everton e Diego estão disponíveis, Conca ainda não. Tem programação já estabelecida para Conca participar de dois ou três amistosos. Precisa atingir níveis de jogo, para readquirir ritmo, para estar pronto em totais condições de intensidade e volume para contar com ele no jogo. Fizemos jogo-treino com equipe sub-17, depois vamos ter o Mesquita na segunda-feira. Se tudo correr bem vai estar em condição de disputar titularidade. Dentro da meritocracia que cumprimos vai disputar posição. 

Diego titular?
Sabemos que muito provavelmente ele não vai ter condições de suportar todo o tempo, não definimos ainda qual vai ser a estratégia de jogo. Vamos faze o treino apronto de amanhã para definir o que fazer, se ele começa ou não. 

Cuéllar mantido e interesse do Vitória
O fato da gente ter todos jogadores disponíveis aumenta a cometitivadade entre eles. Cuéllar vinha em sequência de treino positivo. É um jogador muito profissional, está trabalhando muito. Não sabia do interesse do Vitória antes do jogo. A gente queria ganhar passe longo contra o Atlético-PR, porque sabia que numa inversão poderia pegar dois laterais deles na frente. Mas ainda não sentamos para falar da situação dele. Tanto Rodrigo Caetano como Fred Luz estavam viajando, não tínhamos informação oficial. Mas enquanto estiver aqui, disponível, vai estar atuando. 

Qualidade do Botafogo
Não preciso nem falar do equilíbrio e da dificuldade desse jogo. Eles têm jogadores que estão vivendo fase muito boa, como Camilo, Pimpão, Bruno Silva, o Igor Rabelo, que conheço bem e se firmou. O Gatito passa por excelente fase. Jogo muito difícil, com contornos particulares, temos que ser fortes mentalmente. 

Ainda a dor da Libertadores
Teríamos um semestre perfeito se tivéssemos passado de fase na Libertadores. Ficamos em primeiro lugar na Primeira Liga. O título Carioca conquistamos com utilização de quase 100% do elenco, classificamos na Copa do Brasil e na Libertadores, que era o principal objetivo, tivemos dificuldades e não conseguimos. Futebol tem dados que não conseguimos explicar. Foram as únicas três derrotas no ano que tivemos. Tivemos um tempo muito abaixo do que a gente esperava em Buenos Aires. Nas outras derrotas tivemos possibilidades de vencer a partida, mas quis o destino que não conseguissemos. A gente tem que esquecer o que passou e tirar os ensinamentos. Mas se me perguntar se eu esperava desenvolvimento maior do time neste momento, respondo que sim. Trabalhamos para isso. Estou no melhor lugar para trabalhar e temos sempre como foco a excelência no trabalho. Temos que ser cobrados sim, com ética e respeito. Não há problema nenhum de haver cobrança, mas temos que focar no que temos de melhorar. É o que interessa daqui para frente. 

Declaração de Roger sobre Guerrero
Temos que respeitar as opiniões. A opinião dos outros não temos que ficar contestando o tempo todo. Procuro entender dessa forma. Botafogo e Flamengo têm rivalidade fora de campo, mas dentro há respeito muito grande. No túnel que leva ao jogo nós da comissão técnica temos respeito muito grande. O Jair é um cara por quem torço pela carreira dele. Somos jovens que precisamos nos fortalecer a cada dia. Tem auxiliar nota 10, vários profissionais de alto gabarito. Algumas rivalidades de fora do campo não temos como controlar. Mas vamos nos respeitar muito. 

Notícia sobre as contratações
O Rodrigo chegou ontem às 15h, mas não conseguimos conversar. Hoje ele chegou com o treino em andamento, tinha outros compromissos para resolver. Agora que vou ter papo com ele, saber oficialmente de que forma estão a busca pelas contratações. Sei aquilo que está alinhado ou não, mas oficialmente ele não comentou ainda nada. Só comentamos quando for oficial. 

Posse de bola x efetividade
Quando se chega num certo nível o desafio é aumentar a qualidade. Estamos buscando estratégias para isso. Temos boa posse de bola, um ataque equilibrado pelos dois lados e pelo meio, mas proporcionalmente à nossa posse de bola poderíamos ter mais ataques, mais finalizações. Estamos buscando certa versatilidade da nossa equipe, é o caminho que queremos, vamos aumentar a pressão para cobrar que cada um faça sua função. Nossa defesa vai sofrer menos. Depois que passa o momento conturbado, temos tudo para acelerar de novo. 

Vinicius Junior no bancoLogicamente que não está pronto para começar o jogo. É um menino de 16 anos, mas o que nos deixa mais feliz é que a cada treino está mais à vontade. Tem etapas que precisa cumprir. Ele fala mais com os companheiros, pede a bola, é cobrado. Isso é legal. Tem Guerrero, Damião por perto, jogadores experientes. É uma grande promessa do futebol. Tudo isso que ele está passando vai fazê-lo crescer, ganhar casca, ficar cada vez mais forte. Está mostrando aos poucos que pode começar jogando, mas vai depender de estratégia, de oportunidade, dos treinos, do que corresponder nos jogos com e sem a bola, porque ele também tem funções defensivas. Os indicadores que ele passa são de que está começando a chegar a hora dele começar uma partida. Mas não há como precisar a data. 

Renê segue
Exigimos mais do Trauco nesse momento com Diego fora. Ele parou um tempo para se preparar, estava cumprindo funções que não desenvolvia há muito tempo. Isso cria um desgaste a mais, mas, intencionalmente, tiramos ele um pouco, para fazer recuperação e força. Provavelmente vai estar em condições de jogo breve breve. O Renê está relacionado, não vou falar se é titular (risos). É um jogador que chegou bem, com muita força, tem na marcação estatística muito boa. 


Bandeira admite problema que gerou atraso e confirma data de estreia da Arena

Arena do Flamengo": este será o nome da nova casa que o Rubro-Negro preparou na Ilha do Governador para ser uma alternativa ao Maracanã para sediar seus jogos pelos próximos três anos pelo menos. O clube carioca arrendou por três anos o estádio Luso-Brasileiro, da Portuguesa, reformou o local e construiu estruturas temporárias para poder utilizá-lo. Em cerimônia de apresentação, realizada nesta sexta-feira, o presidente do Fla, Eduardo Bandeira de Mello, confirmou que a partida de estreia será no dia 14 de junho, contra a Ponte Preta, pelo Campeonato Brasileiro. O estádio tem capacidade para 20.215 pessoas. 


Arena do Flamengo, na Ilha do Governador (Foto: Vicente Seda) 
 
 
O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, e a subsecretária de Esportes e Lazer da cidade, Patrícia Amorim, ex-presidente do Fla, estiveram presentes no local e foram recepcionados pelo atual mandatário rubro-negro. Bandeira ressaltou que a arena não é uma solução definitiva para o clube, mas destacou o projeto: 

- É com um prazer enorme que recebemos hoje o nosso prefeito Marcelo Crivella, que tem sido parceiro em vários empreendimentos, várias brigas do Flamengo. Estamos entregando um novo equipamento esportivo para a cidade. É claro que não é solução definitiva do estádio do Flamengo, pretendemos ter o estádio, o que já foi aprovado pelo prefeito, mas a torcida do Fla e os cariocas vão gostar - disse Bandeira de Mello. 

Ao tomar a palavra, Crivella exaltou o "incansável" Bandeira de Mello, classificou Patrícia Amorim como "eterna presidente do clube" e lembrou do projeto do Estádio Acústico da Gávea, do qual o próprio assinou protocolo de intenções para a construção no mês passado, e disse que o Flamengo "tem tudo" para administrar o Maracanã. 

- Quero agradecer a Deus, saudar o incansável Bandeira de Mello, que já está se preparando para construir o estádio acústico da Gávea. Sobre Maracanã, o Fla tem tudo para ser o administrador. Mas o Pezão precisará fazer nova licitação, por imposições do TCE e do MP. Mas com certeza saberá conduzir isso - disse o prefeito do Rio. 


Bandeira de Mello, Marcelo Crivella e Índio em inauguração da Arena do Flamengo (Foto: Reprodução)
 
 
Após não conseguir a liberação a tempo do clássico contra o Botafogo neste domingo, o Fla estreará a Arena no próximo dia 14 de junho, contra a Ponte Preta, pelo Campeonato Brasileiro. A inauguração do estádio será feita cerca de três meses depois da previsão inicial. Imprevistos nas obras e burocracia atrasaram a finalização da arena, que terá capacidade para 20 mil pessoas. Bandeira admitiu que a necessidade de um reparo em uma tubulação de águas pluviais foi o motivo do atraso na entrega da Arena: 

- O Fla é um clube que cumpre seus compromissos e segue as regras. Efetivamente tínhamos intenção de inaugurar antes, tivemos um problema de águas pluviais que passam embaixo da arquibancada que não tínhamos conhecimento e isso nos forçou a fazer um desvio, o que causou um atraso de três meses. O Flamengo preferiu atrasar a inauguração a correr qualquer risco de fazer algo que não fosse perfeito para a integridade física e saúde da nossa torcida. É um atraso mais do que justificado. Com relação às licenças, o Fla seguiu as regras, queríamos fazer a partida do Atlético-GO, estava tudo certo contra o Botafogo, mas tivemos uma surpresa desagradável - disse. 

Ao final, o alvinegro Crivella brincou sobre o fato da Arena do Flamengo não poder ser inaugurada contra o Botafogo, seu time do coração, e colocou a culpa do atraso na CBF: 

- O problema é que o jogo de domingo é contra o meu time. As pessoas vão querer colocar a culpa em mim de o Fla não jogar aqui. Mas o problema foi com a CBF - disse Crivella. 


Torcedor ficará bem perto do campo na Arena do Flamengo (Foto: Vicente Seda)
 
 
Confira as principais declarações de Bandeira de Mello:
 
Risco para a torcida?
Mas temos a consciência tranquila de que hoje não existe nenhum risco para a torcida. O canal foi desviado, foi tudo concretado. Isso causou um atraso significativo. A nossa expectativa era inaugurar um pouco antes, mas não foi possível. Mas hoje estamos testemunhando que o Flamengo poderia jogar hoje aqui ainda 

E o Maracanã?
Situação é de indefinição do Maracanã, que todos entendemos que já poderia ter sido resolvida, mas estamos aguardando. A Arena é um estádio confortável, com segurança, Temos um gramado maravilhosos, o melhor do Brasil, e vocês vão comprovar isso porque faremos um tour. 

Alternativa ao Maraca
A nossa intenção sempre foi intercalar os jogos aqui e no Maracanã de acordo com o público esperado. Mas há uma indefinição em relação ao Maracanã, temos de negociar jogo a jogo. Toda vez tem de perguntar quanto vão cobrar e a gente decide. No caso desse jogo contra o Bota era inviável. Contra o Atlético-GO colocamos 30 mil pessoas e tivemos prejuízo de mais de R$ 300 mil. 

Clássicos no Maraca ou na Ilha?
O ideal para clássicos seria jogar no Maracanã. Mas dependendo das condições, se ficar impossível, jogaremos aqui. Fomos impedidos de levar para outros estádios, poderia ser Brasília, isso nos foi negado esse ano. Se não for possível Maracanã, vamos jogar aqui mesmo 

Todos os jogos na Ilha?
Tenho certeza que a torcida vai compreender se fizermos quase a totalidade dos jogos aqui na Ilha se o Maracanã não for possível. 

Burocracia impediu Fla x Bota na Ilha
Todos os laudos exigidos do Fla foram conseguidos de maneira correta e alguns atrasaram mais do que a gente pensava. A CBF entendeu que os laudos deveriam ter chegado até as 19h, nesse caso não foi possível entregar, o que fizemos na quarta pela manhã. O estádio está liberado, mas não pudemos jogar contra o Botafogo aqui. Paciência. 

Estádio, Arena ou Alçapão?
É um estádio com uma história importante aqui no Rio de Janeiro. Foi aqui que vi o primeiro gol do Doval com a camisa do Flamengo. Não sei se dá para chamar de arena, mas tem requisito de modernidade que boa parte das arenas têm, mas se a torcida quiser chamar de alçapão... É estádio, arena e alçapão. 

Trasporte e acesso
Estamos trabalhando em parceria com a Prefeitura, estão sendo estudadas alternativas para facilitar o acesso. Fazer hubs de estacionamento, fazer transporte por vans ou ônibus. Prefeitura está cuidando do trânsito. Já existe uma experiência prévia, em 2005, o Fla jogou várias vezes aqui e não tivemos problemas significativos. Esse equipamento vem para valorizar 

Sócio-torcedor
Estamos sempre incrementando o programa. Não é uma solução definitiva para o Fla, queríamos ter um estádio do tamanho do Maracanã para oferecer ao torcedor. Mas como a torcida esteve do nosso lado em brigas e situações difíceis, não nos faltará nesse caso. 


Bares da Arena do Flamengo, na Ilha (Foto: Vicente Seda) 
 

Banheiros Arena do Flamengo, na Ilha (Foto: Vicente Seda) 

Entrada da torcida visitante na Arena do Flamengo (Foto: Vicente Seda) 
 

Vestiário do Flamengo na nova Arena (Foto: Vicente Seda)
 
  
Vestiário do Flamengo na nova Arena (Foto: Vicente Seda)
 

Rapidinhas do Mengão


Empresários do atacante Felipe Vizeu foram ao Ninho hoje para tentar a liberação do garoto para a Ponte. Flamengo disse não.

Agente vem ao Rio e encaminha renovação de Réver até dezembro de 2019
Falta muito pouco. Após reunião nesta sexta-feira entre Flamengo e o empresário de Réver, Fábio Mello, a renovação do capitão rubro-negro ficou praticamente sacramentada. Até o início da semana que vem a extensão do vínculo por mais dois anos e meio - que será válido até dezembro de 2019 - deve ser comunicada oficialmente pelo Flamengo. 

Everton Ribeiro acerta detalhes de rescisão para defender o Flamengo
Diretor de futebol Rodrigo Caetano retorna ao Rio. Negociação por Rhodolfo também está em fase final. Atacante Geuvânio é outro nome na lista do Mengão